Meu remoto encontro com Mário Quintana

Olhava para ele, não sabia muito o que dizer, mas tinha noção de que estava diante de alguém muito especial.
Era um senhorzinho calado, aparência frágil, tossia um pouco e tinha toda a aparência de um avôzinho.
Era um senhorzinho calado, aparência frágil, tossia um pouco e tinha toda a aparência de um avôzinho. (Divulgação)

Por Ricardo Soares*
Para a idade ele não parecia e nem era tão encurvado. Calvo, seus poucos cabelos brancos espalhavam-se ao redor da cabeça redonda e aos 70 anos parecia ter muito mais idade. Quando timidamente apertei suas mãos e me apresentei como se alguma coisa eu fosse ele me olhou indiferente, girou o corpo sobre os próprios pés e me convidou a tomar um café ali perto. Precisava fumar com urgência inclusive.
Era um senhorzinho calado, aparência frágil, tossia um pouco e tinha toda a aparência de um avôzinho ex-funcionário público daqueles que esperam um abono aposentadoria para poder apostar mais nos cavalinhos do Jóquei Clube. Encostados no balcão de um bar modesto ali perto da praça Dom José Gaspar ele era de poucas palavras e eu sabia um pouco de sua vida como o fato de ter traduzido Proust e de ter trabalhado na farmácia do pai quando jovem.
O senhorzinho tinha sido homenageado momentos antes num salão da Biblioteca Mario de Andrade mas estava um pouco enfarado de tantos salamaleques e talvez para fugir da turba convidou o imberbe que eu era- em todos os sentidos- para um café com pouca prosa num bar pouco cerimonioso.
Olhava para ele, não sabia muito o que dizer, mas tinha noção de que estava diante de alguém muito especial. Daqueles que depois de morrer ficariam vivos por muito tempo. Tragou , fumou, tragou , fumou, olhou pra o vazio e falou pouco. Não se esforçou em contornar minha falta de assunto  e eu não sabia se ficava constrangido ou apenas desfrutava daquela insólita e inesperada companhia. O que sabia naquele momento é que estava diante da verdadeira imortalidade. Aquela que transcende a vida terrena e para a qual ele parecia não dar a menor importância.  Meus amigos poetas jamais acreditariam naquele encontro naquela  noite chuvosa de 1976 onde ele deixou escapar uma inconfidência quando confessou estar feliz porque a atriz e também poeta Bruna Lombardi lhe dedicou palavras gentis e pareceu não estar saudoso de Porto Alegre de onde havia vindo e onde vivia. Naquele momento, com os olhos baços e úmidos, imaginando ainda versos impalpáveis ele parecia mais do que nunca o poeta Mário Quintana que viria a morrer 18 anos depois sem ao menos se dar conta de que transformara a minha relação com a poesia brasileira. Naquela noite eu percebi que ela era mortal mesmo que  imortal parecesse.

*Ricardo Soares é escritor, diretor de tv, roteirista e jornalista. Publicou 8 livros, dirigiu 12 documentários.

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Intolerância: arma dos preconceituosos

Começa em todo o país a 12ª Primavera dos Museus

14 etnias não têm seu idioma original preservado no Estado do Ceará

Adjetivando a vida