Pular para o conteúdo principal

Meu remoto encontro com Mário Quintana

Olhava para ele, não sabia muito o que dizer, mas tinha noção de que estava diante de alguém muito especial.
Era um senhorzinho calado, aparência frágil, tossia um pouco e tinha toda a aparência de um avôzinho.
Era um senhorzinho calado, aparência frágil, tossia um pouco e tinha toda a aparência de um avôzinho. (Divulgação)

Por Ricardo Soares*
Para a idade ele não parecia e nem era tão encurvado. Calvo, seus poucos cabelos brancos espalhavam-se ao redor da cabeça redonda e aos 70 anos parecia ter muito mais idade. Quando timidamente apertei suas mãos e me apresentei como se alguma coisa eu fosse ele me olhou indiferente, girou o corpo sobre os próprios pés e me convidou a tomar um café ali perto. Precisava fumar com urgência inclusive.
Era um senhorzinho calado, aparência frágil, tossia um pouco e tinha toda a aparência de um avôzinho ex-funcionário público daqueles que esperam um abono aposentadoria para poder apostar mais nos cavalinhos do Jóquei Clube. Encostados no balcão de um bar modesto ali perto da praça Dom José Gaspar ele era de poucas palavras e eu sabia um pouco de sua vida como o fato de ter traduzido Proust e de ter trabalhado na farmácia do pai quando jovem.
O senhorzinho tinha sido homenageado momentos antes num salão da Biblioteca Mario de Andrade mas estava um pouco enfarado de tantos salamaleques e talvez para fugir da turba convidou o imberbe que eu era- em todos os sentidos- para um café com pouca prosa num bar pouco cerimonioso.
Olhava para ele, não sabia muito o que dizer, mas tinha noção de que estava diante de alguém muito especial. Daqueles que depois de morrer ficariam vivos por muito tempo. Tragou , fumou, tragou , fumou, olhou pra o vazio e falou pouco. Não se esforçou em contornar minha falta de assunto  e eu não sabia se ficava constrangido ou apenas desfrutava daquela insólita e inesperada companhia. O que sabia naquele momento é que estava diante da verdadeira imortalidade. Aquela que transcende a vida terrena e para a qual ele parecia não dar a menor importância.  Meus amigos poetas jamais acreditariam naquele encontro naquela  noite chuvosa de 1976 onde ele deixou escapar uma inconfidência quando confessou estar feliz porque a atriz e também poeta Bruna Lombardi lhe dedicou palavras gentis e pareceu não estar saudoso de Porto Alegre de onde havia vindo e onde vivia. Naquele momento, com os olhos baços e úmidos, imaginando ainda versos impalpáveis ele parecia mais do que nunca o poeta Mário Quintana que viria a morrer 18 anos depois sem ao menos se dar conta de que transformara a minha relação com a poesia brasileira. Naquela noite eu percebi que ela era mortal mesmo que  imortal parecesse.

*Ricardo Soares é escritor, diretor de tv, roteirista e jornalista. Publicou 8 livros, dirigiu 12 documentários.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …