Criaturas novas de Deus

Padre Geovane Saraiva*

Voltados à contemplação do mistério da encarnação, pensemos na eternidade, no mundo de Deus e com Deus, bem diferente, transfigurado e renovado. É importante que fique claro que não seremos outras criaturas, mas criaturas novas. A Igreja nasceu da fé na ressurreição, ressurreição essa entendida como esperança na verdadeira vida, e não num anestésico, que quer de nós somente isto: superar o absurdo da morte. No definitivo de Deus, a pessoa humana vê-se desvelada, quando se irrompe o absoluto de Deus na história da humanidade, salvando-a e deixando explícito que a salvação não depende apenas das realizações humanas.

Resultado de imagem para parusia criaturas novas
É relevante nunca perder de vista que, com a morte, caem por terra todas as máscaras. Passou o tempo de as pessoas se esconderem, por mais que queiram usar de artifícios, fantasias e ficções. A esperança cristã transcende todas as esperanças terrenas, com seu ápice na vinda gloriosa de Cristo no fim dos tempos. Em Jesus de Nazaré a história encontra seu sentido último com a criatura humana reconciliada e pacificada no amor. É a revelação divina a nos assegurar que o reino de Deus está entre nós, que não é algo que se pode ver, mas que vai além do físico, penetrando nosso interior, devendo ser encontrado no próprio coração.

A liturgia do 2º Domingo do Advento nos fala do Dia do Senhor: o novo céu e a nova terra. Compreendamo-lo, evidentemente, como a vinda definitiva de Deus, como a revelação da presença de Deus sendo o Senhor da vida e da história. É bom que fique evidente que não é o fim da história, e sim o acabamento e a plenitude do homem e do mundo na história em Deus. A fé na ressurreição significa se convencer da manifestação inconfundível de Deus, ao estabelecer seu reino infinito, que, por seu Filho Jesus virá glorioso para julgar os vivos e os mortos. Só mesmo com os olhos da fé, tendo por eixo o Verbo Encarnado, é possível a compreensão da história no seu verdadeiro sentido. É a esperança que transforma a morte em vida, reconciliando os homens entre si na vida solidária de irmãos uns dos outros.

Que Deus nos dê a graça, sempre maior, de nos convencer da sua obra como dom e bênção, e de sermos pessoas inseridas nessa obra. É o projeto de amor do nosso bom Deus a encher de esperança o coração de homens e mulheres de boa vontade, neste tempo de esperança e de renovação, libertando-nos de todo mal, na busca da fidelidade a Deus. Amém!

Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado