Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

12 de janeiro de 2018

O 'Big Bang' do Caribe

Imagem de um video clip de escritor e música dominicana Rita Indiana.
Imagem de um video clip de escritor e música dominicana Rita Indiana.
Um verdadeiro furacão (Irma) e outro político (Trump) trazem desastre para o Caribe, enquanto sua cultura vive um momento de esplendor. Após o colapso do comunismo em Cuba e na Commonwealth de Porto Rico, seus escritores, músicos e artistas enfrentam a crise em um dos últimos cenários da Guerra Fria. De Rita Indiana a Junot Díaz passando pela Calle 13, uma avalanche de livros, exposições e discos mostra a vitalidade criativa de uma região em que as costuras de gêneros e blocos haviam saltado.
Este sábado, Babelia dedica seu relatório para analisar e explorar esse fenômeno. "Esses escritores e artistas (...) enfrentam o desconforto não resolvido de uma cultura permanentemente tensa entre alguns Estados Nacionais cujos limites são insuficientes e pertencem a um maior arquipélago cultural e físico, unido no entanto pelo que o divide". a maldita circunstância da água em todos os lugares "que Virgílio Piñera estava lamentando, violência, tirania, invasão, pobreza e impotência dos modelos ideológicos que tentaram resgatá-lo, por isso eles parecem dispostos a suturar, cultura, as deficiências de algumas fórmulas políticas embaladas às vezes sob a forma de utopia socialista e outras de distopia neoliberal ", escreve Iván de la Nuez.
Nas páginas a seguir, o leitor de Babelia encontrará as análises habituais dos livros da semana, seguidos por um texto da escritora e crítica literária argentina Nora Catelli sobre Virginia Woolf, sobre novas edições em espanhol de seus textos.
A seção de arte abre com um relatório de Anatxu Zabalbeascoa sobre uma nova geração de arquitetos que optam pela restauração ou reparo de estruturas antigas como forma de crescer mais a tempo, sustentável e ético do que a construção de ícones megalómanos.
A seção de música é liderada por Mark Cunningham, entrevistado em Barcelona por Ignacio Julià. O crítico de teatro Marcos Ordóñez escreve sobre a estréia de Crimen y cuón, da empresa Ron La Lá. E nas páginas de opinião desta semana a galeria é Beatriz Sarlo, juntamente com as assinaturas usuais de Antonio Muñoz Molina e Manuel Rodríguez Rivero.
El País

Documento revela real data de nascimento do Pe. Cícero

 por Antonio Rodrigues - Colaborador
Image-0-Artigo-2348995-1
O registro de batismo comprova que o Padre Cícero nasceu no dia 23 de março de 1844
Juazeiro do Norte. A população deste Município do Cariri cearense foi surpreendida, na última quarta-feira (10), com o compartilhamento do registro de batismo do Padre Cícero Romão Batista. Após investigação, na internet, os pesquisadores Daniel Walker e Renato Casimiro chegaram ao Livro de Batismo da Paróquia de Nossa Senhora da Penha, em Crato. O documento comprova que Padre Cícero nasceu no dia 23 de março de 1844, embora seu aniversário seja comemorado, inclusive com feriado municipal, no dia 24.
Na época, não havia o registro de nascimento atual, feito no hospital, pelo médico, e autenticado em cartório. Tudo era feito pela Igreja. O arquivo histórico está no "Livro de Batizados Crato, 1843 a 1845", na folha 61, que, após estudo da caligrafia do documento, escrito no dia 8 de abril de 1844, data do batismo, se chegou ao erro. Segundo o pesquisador Daniel Walker, eles já sabiam que o pároco havia nascido no dia 23 de março pelas informações dos livros, mas agora está comprovado.
"Ninguém sabe explicar a razão disso, nem o Padre Cícero mesmo explicou. Esse documento já existia na Diocese do Crato, faz parte do livro da Paróquia, mas a gente não tinha acesso fácil. Agora, os documentos da Diocese foram digitalizados e nós conseguimos localizar. Tínhamos interesse de ter a cópia", explica o pesquisador.
Mudança
Para Daniel Walker, mesmo com a comprovação, não vai ter impacto na cidade e a data - 23 de março - não tem importância do ponto de vista histórico. "A data (24 de março) já está conhecida. Ele mesmo, desde criança, comemorava nesse dia", completa.
Enquanto isso, o padre Cícero José da Silva, pároco da Basílica de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro do Norte, acredita que isso não irá afetar as festas de aniversário e os romeiros. "As pessoas vão ao encontro do Cristo que o Padre Cícero seguiu. A expressão de amor é por ele e não pela data. É pelo grande sacerdote que ele foi", destaca.
Mas, para a Prefeitura de Juazeiro do Norte é diferente. O secretário de Turismo e Romaria de Juazeiro do Norte, Júnior Feitosa, disse que foi surpreendido pela notícia, mas que, em reunião com religiosos, ficou de ser discutida uma possível mudança na data do feriado municipal. Será feito um debate mais amplo, envolvendo os Poderes Legislativo e Executivo local.
Hipóteses
Para o escritor Otacílio Anselmo, em seu livro "Padre Cícero, Mito e Realidade", o sacerdote, por vaidade, escolheu adiar seu aniversário para o dia 24, pois é véspera do dia da Anunciação de Nossa Senhora: 25 de março. Daniel Walker não concorda, pois, desde a infância, antes de se tornar popular, ele já comemorava na data. Já o historiador Amando Rafael acredita que o vigário de Crato, Manuel Joaquim Aires do Nascimento, tenha se atrapalhado, antecipando um dia, algo comum na época.
O Registro Civil, como conhecemos hoje, só foi criado 30 anos após o batismo do Padre Cícero, por isso, era comum erros de grafia. Seu pai, Joaquim Romão Batista Meraíba, por exemplo, teve seu sobrenome escrito como "Mirabeau", "Mirabô". "Naquela época em que se escrevia a bico de pena (usando um tinteiro e mata-borrão para secar a tinta) as pessoas escolhiam um dia ou uma hora para registro", completa o historiador.
 
Diário do Nordeste

Poesia com poder transformador

Image-0-Artigo-2348707-1
Bráulio Bessa, criador do projeto Nação Nordestina: cultura e poesia da região em evidência
De um milhão de seguidores no YouTube, conquistados com um notebook na cozinha de uma casa em Alto Santo, interior do Ceará, Bráulio Bessa hoje aparece para o dobro desse número, só em São Paulo, onde a média do Ibope para o programa Encontro com Fátima Bernardes alcança índices de mais de 8 pontos na escala.
Além dessa marca, o poeta cearense alcançou o número de mais de 134 milhões de visualizações na plataforma de entretenimento da Rede Globo, o GShow. Dos 45 vídeos mais assistidos no serviço online, 33 são de Bráulio - cálculo com dados de abril a dezembro de 2017. Destaque também para os compartilhamentos, de cerca de 5 milhões, e os comentários, que Bráulio ressalta serem a essência do seu trabalho.
"Quando vejo um vídeo meu ter mais de nove, dez milhões de visualizações, paro e penso que foram vidas de alguma maneira impactadas positivamente pela poesia. Acredito muito no poder da palavra, no poder transformador dela. É por isso que escrevo poesia", afirma o poeta, hoje ídolo de crianças, adolescentes, adultos e idosos.
Toda essa influência começou em 2014, quando Bráulio foi descoberto na internet pela equipe do programa de Fátima Bernardes. Mas sua história, permeada pelo orgulho de ser nordestino, começou bem antes, mais precisamente em 2011, quando criou a página Nação Nordestina, que lhe deu notoriedade nacional.
Prestou vestibular para Análise de Sistemas e, no último semestre, abandonou tudo para seguir seu sonho: "vou viver da minha poesia, da minha arte, do que escrevo", afirmou. Já familiarizado com a tecnologia e com o funcionamento das redes sociais, Bráulio começou a fazer vídeos para a internet.
A página, até hoje no ar e com o número expressivo de mais de um milhão de curtidas, tem como principal objetivo mostrar ao resto do País a riqueza da cultura do Nordeste, explorando manifestações como artesanato, culinária, música e tantas outras da vasta tradição existente na região.
Convite
Em 2014 Bráulio já era conhecido no mundo da internet. E nesse mesmo ano atingiria um público ainda maior, pela televisão. À época, por conta das eleições presidenciais, o Nordeste passou a sofrer diversos ataques xenofóbicos e o programa de Fátima Bernardes trouxe o tema à tona. "Descoberto", o cearense foi chamado para falar sobre o povo nordestino - à distância, online e via tablet.
A segunda participação também foi curta, dividindo o tempo com um paulista e um carioca. Dessa vez Bráulio estava ao vivo, no estúdio, e conquistou definitivamente o público e os produtores. O convite para ser consultor veio semanas depois, ainda sem as poesias declamadas. Passou a ter uma participação fixa, tornando-se especialista oficial em assuntos do Nordeste.
Telinha
Toda sexta é dia do poeta cearense entrar nas casas das pessoas pela manhã. Ele cria seu material na quinta, decora, declama no dia seguinte e esquece no sábado - brinca, ao falar sobre sua péssima memória.
Bráulio coleciona um longo catálogo de declamações ao longo desses três anos em que passou a "transformar a vida das pessoas através da poesia", como gosta de enfatizar.
Sobre as performances disponíveis via streaming no GShow, ele não vê necessidade de registrá-las em outras mídias, como um DVD, mas conta uma anedota que o estimulou a criar um produto que vá além da internet.
"Vi um 'caba' vendendo, nesses carrinhos de DVD pirata, CDs do Wesley Safadão, Xand do Aviões, As Coleguinhas. No meio tinha um intitulado: "O Melhor de Bráulio Bessa no Encontro". O cara baixou, teve a manha de baixar 40 poemas meus no programa, fez um DVD pirata e pronto, botou pra vender", conta Bráulio.
"Sinto a necessidade de documentar coisas que não vão para a tevê. Estou preparando um espetáculo para o teatro, um show de causos e cordéis, com música. Esse projeto tem produção feita com muito cuidado, muita paciência. A ideia é que se transforme em um material de vídeo, que as pessoas possam levar pra casa", adianta.

Diário do Nordeste

ONU chama países a se preparem para movimentos migratórios maciços

Segundo a ONU, negociações formais devem começar em fevereiro sobre este tema.
Migrantes em situação ilegal na cidade líbia de Benghazi, antes de serem repatriados, em 2 de janeiro de 2018
Migrantes em situação ilegal na cidade líbia de Benghazi, antes de serem repatriados, em 2 de janeiro de 2018 (AFP/Arquivos)
Os países-membros das Nações Unidas devem se preparar para gerir maciços movimentos de migrantes, advertiu o secretário-geral, António Guterres, em um relatório publicado nesta quinta-feira (11).
"Urge que os Estados-membros determinem uma estratégia referente aos grandes deslocamentos de migrantes", destacou Guterres no documento. "Há sobreposições evidentes entre este desafio e os do pacto mundial sobre migração" esperado em 2018, acrescentou.
Segundo a ONU, negociações formais devem começar em fevereiro sobre este tema, antes de uma conferência intergovernamental em dezembro no Marrocos para adotar um documento de gestão mundial da migração.
No final de 2017, os Estados Unidos anunciaram sua saída da elaboração do acordo mundial sobre migração, ao considerá-lo incompatível com a rígida política migratória de Donald Trump.
Durante a apresentação do relatório, Guterres pareceu responder diretamente à estratégia americana, advertindo que os governos "que colocam grandes obstáculos para a migração, ou impõem severas restrições às oportunidades de trabalho dos migrantes, infligem um dano econômico desnecessário".
"O que é pior, de maneira não intencional promovem a migração ilegal", disse.
Para o secretário-geral, os Estados-membros devem levar em conta três elementos na definição de uma estratégia: um enfoque humanitário baseado na defesa dos direitos humanos, recursos financeiros para definir o status de migrantes uma vez que a primeira ajuda humanitária seja fornecida e encontrar opções reais para os migrantes que não podem ter um status de refugiados, mas é impossível retornarem ao seus países de origem.
"O acordo mundial oferece não somente aos Estados-membros como também ao sistema das Nações Unidas a oportunidade de adotar um enfoque mais ambicioso para gerir a migração", apontou Guterres no texto de cerca de 20 páginas.
O chefe do organismo mundial prevê "consultas intensas dentro do sistema das Nações Unidas" sobre o tema migratório ao longo de 2018.
Diferentemente do tratamento aos refugiados, "não existe nas Nações Unidas uma capacidade centralizada a cargo da migração" e o enfoque da organização neste âmbito "está fragmentado", detalhou Guterres.
Finalmente, chamou a desenvolver uma percepção positiva sobre as migrações no seio dos Estados-membros a fim de lutar em conjunto contra a xenofobia e a discriminação.

AFP

Irmãs gêmeas

Gonzaga Mota*

A Política e a Economia são duas ciências com um grau de correlação significativo e dependem de variáveis endógenas e exógenas. De forma resumida, apresentamos apenas duas situações envolvendo fundamentos relacionados com as mencionadas Ciências.
Ambas abrangem diversos campos como a filosofia, o social, a justiça, a teoria dos jogos, relações internacionais, direito, administração e gestão, processo legislativo, etc. As duas situações escolhidas ressaltam dois indicadores políticos (estabilidade e incerteza) e um indicador econômico (crescimento).
Comentamos, por exemplo, de forma simples, sem auxílio visual, duas situações que mostram o comportamento político e econômico de um País. Para tanto, usamos o primeiro quadrante do sistema cartesiano de coordenadas ("abscissas" - eixo horizontal e "ordenadas" - eixo vertical). O primeiro modelo (estabilidade política "versus" crescimento) nos mostra uma curva ascensional da esquerda para direita, ou seja, quanto maior a estabilidade política, maior será a perspectiva de crescimento econômico.
Por outro lado, o segundo modelo (incerteza política "versus" crescimento) nos mostra uma curva descensional de esquerda para direita, ou seja, quanto maior a incerteza(instabilidade) política, menor será a perspectiva de crescimento econômico. Um país politicamente instável (com corrupção endêmica, poderes constituídos em desarmonia e não independentes, baixo nível educacional, privilégios, etc) jamais conseguirá bons indicadores. Às vezes consegue, como dizem os economistas, um rápido "voo" de galinha. Democracia plena é a solução.

*Professor aposentado da UFC