Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 21, 2019

Quem precisa estudar Literatura deveria assistir estes 5 filmes na Netflix

A Netflix sempre apresentou um conteúdo bem diversificado para os usuários e coloca séries e filmes de todos os assuntos em seu catálogo. E vocês pensaram mesmo que os fãs de Literatura ficariam de fora? Claro que não! Pensando nisto, o Purebreak decidiu fazer uma listinha de tramas para os bons e velhos amantes de Literatura! Aqui nós temos um monte de amantes de séries e filmes, mas é claro que temos a galera dos livros também! E todo fã da boa e velha Literatura também tem o direito de ver alguma obra sendo adaptada ou até mesmo do assunto ser abordado nas telinhas e telonas. Pensando nisto, pensamos em separar estes cinco filmes sobre o gênero que estão disponíveis na Netflix e podem te ajudar a estudar! Vamos lá?
1- "A Livraria" Este filme é de 2017 e conta a história da viúva Florence Green (Emily Mortimer), que chega a um vilarejo na Inglaterra, em 1950, com objetivo de abrir uma livraria. O problema é que pessoas poderosas são contra a decisão e o preconceito pela l…

José Agualusa: O Nobel de Literatura que exalta um criminoso de guerra

A Academia Sueca entregou o Nobel a um escritor que exaltou um genocida. Choveram protestos. Alfred Nobel deixou escrito que o prêmio deveria ser atribuído ao trabalho mais notável, defendendo ideais elevados. Esta segunda premissa tem originado larga controvérsia. Em primeiro lugar, porque o que é um bom ideal para uns pode não ser para outros. Em segundo, porque, algumas vezes, os escritores defendem uma ideia (eventualmente ideias torpes), e a sua obra, outra.
Por José Eduardo Agualusa* O escritor Peter Handke, recém-agraciado com o Nobel de Literatura Nem sempre os acadêmicos suecos têm sido capazes de distinguir a obra do autor. Jorge Luis Borges não teria ganho o Nobel de Literatura por simpatizar com o chileno Augusto Pinochet. Borges, é verdade, defendeu, enquanto cidadão, regimes abjetos e ideias repugnantes – era, por exemplo, francamente racista. Contudo, quem ler os seus contos não encontra neles a defesa de nenhuma dessas ideias, muito pelo contrário. Não há nada nos contos…