Pular para o conteúdo principal

José Agualusa: O Nobel de Literatura que exalta um criminoso de guerra

A Academia Sueca entregou o Nobel a um escritor que exaltou um genocida. Choveram protestos. Alfred Nobel deixou escrito que o prêmio deveria ser atribuído ao trabalho mais notável, defendendo ideais elevados. Esta segunda premissa tem originado larga controvérsia. Em primeiro lugar, porque o que é um bom ideal para uns pode não ser para outros. Em segundo, porque, algumas vezes, os escritores defendem uma ideia (eventualmente ideias torpes), e a sua obra, outra.

Por José Eduardo Agualusa*

O escritor Peter Handke, recém-agraciado com o Nobel de LiteraturaO escritor Peter Handke, recém-agraciado com o Nobel de Literatura
Nem sempre os acadêmicos suecos têm sido capazes de distinguir a obra do autor. Jorge Luis Borges não teria ganho o Nobel de Literatura por simpatizar com o chileno Augusto Pinochet. Borges, é verdade, defendeu, enquanto cidadão, regimes abjetos e ideias repugnantes – era, por exemplo, francamente racista. Contudo, quem ler os seus contos não encontra neles a defesa de nenhuma dessas ideias, muito pelo contrário. Não há nada nos contos de Borges que leve alguém a defender Pinochet.

Por outro lado, em 2001, a Academia Sueca premiou V. S. Naipaul, um homem antipático, misógino, machista, e tão ou mais racista do que Borges. Na época também houve protestos, sobretudo devido a uma série de bizarras declarações do escritor, logo a seguir ao prêmio, e a testemunhos da violência e desrespeito com que teria tratado duas das suas antigas companheiras.

Os suecos, sabiamente, premiaram não o cidadão V. S. Naipaul, mas um conjunto de romances excelentes, que traçam um retrato pouco otimista da Humanidade. Reler A Curva do Rio já conhecendo a biografia de Naipaul pode ser uma experiência incômoda, pois é impossível não associar o escritor ao personagem principal, que, a determinada altura, espanca a mulher. Porém, uma vez mais, ninguém conclui o livro sentindo-se encorajado a espancar mulheres.

Finalmente, há escritores que escrevem apaixonadamente sobre conceitos que aos olhos de outros parecem errados. No entanto, também esses leitores podem tirar bom proveito das obras em questão. Hemingway gostava de touradas, e escreveu magníficas linhas sobre touros e toureiros. Quando leio o que ele escreveu não me sinto compelido a ver touradas. Quero é sair para as ruas gritando contra um espetáculo que, depois de ler as tais linhas, me parece ainda mais arcaico e vil e degradante.

Nunca li Peter Handke. Agora que a Academia Sueca lhe deu o Nobel, vou ler. A admiração de Handke por um criminoso de guerra horroriza-me. O seu longo silêncio em relação aos massacres perpetrados pelas forças sérvias durante a guerra, nos anos 1990, é inadmissível.

“Sou escritor, venho de Tolstói, Homero e Cervantes. Deixem-me em paz e não voltem a fazer-me perguntas sobre esse assunto”, disse Handke, há poucos dias, tentando escapar às dezenas de jornalistas que cercavam a sua casa. Espero que os jornalistas continuem a fazer-lhe perguntas sobre esse assunto. Handke deve ser criticado e condenado pelas posições que tomou. Porém, se os seus livros são bons, se não envergonham Tolstói, Homero e Cervantes, então merecem ser premiados e lidos. Tão simples quanto isto.

José Eduardo Agualusa é jornalista e escritor angolano


Publicado originalmente no jornal O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …