Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

21 de julho de 2017

A semente na boa terra

Padre Geovane Saraiva*
A criatura humana é mais do que nunca é convidada a escutar a voz de Deus, do íntimo da consciência, num estilo de vida, identificado com Evangelho. O estigma da insensatez do mundo, da ausência de corações generosos e solidários pede coragem e desafia os cristãos. Hoje se olha para o mundo, no qual estamos inseridos, marcado por pouco iniciativa de justiça, solidariedade e paz, claro nos sinais de morte e violência de toda natureza, pelo terreno impermeável, espinhoso e de muitas pedras.

Somos chamados a semear bondade, generosidade e humildade, em meio às dificuldades. A parábola do semeador nos fala de uma terra boa e fértil, o coração humano, no qual a semente, uma vez plantada, cresce e frutifica. Convencidos da força da Palavra de Deus no coração dos seguidores de Jesus de Nazaré, ao confiar na ação longe de incoerências e contradições da vida. “Jesus nos convida hoje a nos olharmos por dentro, a agradecermos pelo nosso terreno bom e a trabalharmos os terrenos que ainda não são bons”, disse o Papa Francisco.
Imagem relacionada
A humanidade vive novos tempos, envolvida em desconcertantes crises. Como filhos da Igreja, repletos de confiança, somos convidados a reavivar o dom da fé e a reaprender com Filho de Deus, numa postura lúcida e responsável, identificada com o seu Evangelho. Só mesmo um mundo inflamado da força e bondosa misericordiosa de Deus, com a consciência de que a Igreja é organização de voluntários, da qual se espera muito de seus membros.

A exemplo do agricultor, seguro e confiante de bons resultados em uma terra boa, jamais nos esqueçamos de colocar em nossas mãos e em nossa boca o projeto do Deus, precioso tesouro de amor solidário e fraterno. Amor este, a ponto de confundir, pelos bons frutos,  ação com oração, nas palavras de Madre Teresa de Calcutá: “As mãos que ajudam são mais sagradas do que os lábios que rezam”. Assim seja!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Nosso Brasil

Gonzaga Mota*
Que o Brasil seja democrático e justo. Hodiernamente, segmentos significativos da situação e também da oposição não estão pensando no povo brasileiro, mas apenas no poder. Lamentável. As manifestações democráticas não devem ser eventuais, mas permanentes. Assim, democracia não significa apenas votar no dia das eleições.
Trata-se, na verdade, de um sistema bem mais amplo, em que a participação popular, a recusa ao fanatismo, a defesa das minorias e da pluralidade, a não concordância com a busca do poder pelo poder e com casuísmos aéticos, a não utilização de práticas fisiológicas fica bem como o respeito aos dispositivos constitucionais são atitudes básicas para o sucesso do processo democrático.
As condutas mencionadas permitirão que alcancemos uma verdadeira democracia representativa, consolidada e permanente, e não uma democracia de resultados, fraca e efêmera, longe de princípios morais e próxima da corrupção e do falso pragmatismo.
O Estado Democrático de Direito será perfeito, caso os governantes e governados assumam comportamentos compatíveis com a solidariedade e o interesse público. Já as democracias de resultados, expressão que imaginamos para denunciar as atitudes dos pseudo-democratas, não comprometidos com a melhoria da qualidade de vida das populações, representam a marca dos Estados totalitários.
Por fim, vale lembrar um pensamento do ex-presidente Juscelino Kubitschek: "Somos um povo, isto é, um conjunto de cidadãos ligado não apenas por interesses materiais, mas por valores éticos e espirituais".
*Professor aposentado da UFC

Estudantes do ensino médio trazem medalha de prata de torneio internacional de física

do BOL, em São Paulo
  • Reprodução/Facebook/iyptbrasil
    Copa do Mundo de Física aconteceu em Cingapura
    Copa do Mundo de Física aconteceu em Cingapura
Cinco jovens brasileiros conquistaram a medalha de prata no Torneio Internacional de Jovens Físicos (IYPT, na sigla em inglês), realizado na semana passada, em Cingapura. A equipe brasileira no torneio deixou para trás estudantes dos Estados Unidos, Rússia, Coreia do Sul, Suíça e Inglaterra.
O torneio contou com delegações de 30 países; nele, os alunos do ensino médio debatem durante 50 minutos sobre soluções para 17 problemas propostos pela organização do evento e depois são julgados por suas sugestões.
Matheus Laureano Nunes Barbosa, do Colégio Ávila, em Goiânia (GO), Roberto Mitsuaki Saito e Vitor Daisuke Tamae, do Colégio Objetivo, em São Paulo (SP), e Thomas Ross-White Bergamaschi e Tiago Mambrim Flora, do Colégio Etapa, em Valinhos (SP), foram os integrantes da equipe brasileira que se classificou em oitavo lugar.
No evento, conhecido como a "Copa do Mundo da Física", a medalha de ouro é distribuída para os quatro primeiros colocados, a prata é entregue para as equipes entre quinto e oitavo lugar e o bronze para quem termina entre 9° e 15°.
Na edição anterior, realizada na Rússia, os representantes do Brasil ficaram em 14° lugar, trazendo a medalha de bronze. No torneio equivalente para alunos do ensino superior, a equipe brasileira terminou em 11° lugar, a melhor colocação entre os representantes das Américas.
BOL Notícias

10 bibliotecas com acervo diversificado e programações culturais em Fortaleza

Nesse período de férias, visitar as bibliotecas públicas da cidade é uma opção de lazer para todas as idades. Os equipamentos dispõem atividades culturais, como rodas de leituras, debates, contação de histórias para crianças, saraus entre outros. Os acervos atendem a todos os tipos os gostos: da ficção a aspectos históricos importantes do País. Pensando nisso, o Tribuna do Ceará listou 10 bibliotecas para entrar na sua programação de férias. Confira!
Biblioteca da Associação Cearense de Imprensa
A biblioteca é referência em livros voltados para a comunicação e de história (FOTO: Reprodução/ACI)
Aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, a biblioteca da Associação Cearense de Imprensa (ACI) é referência em conteúdos da comunicação e da história no País. Ao todo, são 16 mil livros no acervo.
O jornalista e sócio Nilton Almeida disse ao Tribuna do Ceará que o equipamento tem itens raros, como exemplares de revistas do século XX.
“São as primeiras edições de revistas brasileiras, como a revista Cruzeiro do Diários Associados (primeira revista a ser impressa e de circulação nacional no País). A maioria desses exemplares é nacional. Há também o acervo da professora Adelaide Gonçalves, que tem uma particularidade com seus livros de história e sociologia”, enaltece Nilton.
Uma parte do acervo da ACI vem de doações de colecionadores locais que disponibilizam suas obras para a população. A consulta dos livros deve ser realizadas na biblioteca. Os empréstimos são permitidos apenas para o sócios da ACI. Entretanto, Nilton afirma que o acervo está sendo digitalizado, e a consulta poderá ser feita fora do equipamento.
Serviço
Local: Rua Floriano Peixoto, 735, 5º andar -Centro
Horário: Segunda a sexta-feira, 8h às 17h
Contato: (85) 3221- 2260
Casa Vermelha
A Casa Vermelha fica localizada no bairro Benfica e dispõe de programas culturais (FOTO: Reprodução/Casa Vermelha)
Fundada em 2003, a biblioteca Casa Vermelha tem um acervo de 3.500 livros, todos adquiridos por meio de doações dos colaboradores e simpatizantes. O equipamento oferece ao público espaços para a leitura e programas literários, como roda de leituras, debates e saraus.
Qualquer pessoa pode alugar um livro, basta fazer um cadastro na biblioteca. O interessado deve informar telefone, nome completo e o endereço de e-mail.
“Temos temas bastantes diversificados. Há livros de política, economia, literatura romântica, sociologia”, diz o assessor cultural da Casa, Klístenes Braga.
Serviço
Local: Avenida da universidade, 2197
Horário: Segunda a sexta-feira, 8h às 17h
Contato: (85) 3181-9747
Biblioteca de Artes Visuais Leonilson
Localizada no Centro de Cultura e Arte Dragão do Mar, a biblioteca é especializada em artes visuais, com mais de 2 mil publicações nas áreas linguagens de Fotografia, Design, Museologia, História da Arte, entre outros. O equipamento está no piso inferior do Museu de Arte Contemporânea do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.
Serviço
Local: Centro de Cultura e Arte Dragão do Mar
Horário: terça a quinta-feira, das 9h às 12h e das 13h15 às 18h. Sexta, das 14h às 18h.
Contato: (85) 3488-7600
Biblioteca Dolor Barreira
A Biblioteca Dolor Barreira tem um acervo de mais de 20 mil títulos e atende a todos os gostos (FOTO: Divulgação)
Visitar a biblioteca Dolor Barreira pode ser uma opção de férias para as crianças. O equipamento, administrado pela Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), oferece ao público uma programação mensal com contação de histórias, cursos de geofilosofia e meditação, sem contar do acervo com mais 20 mil títulos, atendendo a todos os gostos.
Lá, há seções de livros de autores cearenses, livros em braile, infanto-juvenil, uma gibiteca e o acervo do historiador Geraldo Nobre. O interessado em alugar um dos livros deve fazer a carteirinha de empréstimo da biblioteca. Para isso, basta só apresentar identidade, comprovante de endereço atualizado, uma foto 3×4 e pagar uma taxa anual de R$ 3.
Serviço
Contação de História: todas as terças e quinta-feiras, às 9h ou às 14h.
Curso de geofilosofia e meditação: todas as quinta-feira, às 17h.
Local: Avenida da Universidade, 2572
Horário de Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8h as 20h.
Telefone: (85) 3105-1299
Biblioteca Estadual Espaço Estação 
Em julho, a biblioteca está oferecendo uma programação especial para comemorar os 137 anos da Estação João Felipe (FOTO: Divulgação)
Localizada na Rua 24 de maio, no Centro de Fortaleza, a Biblioteca Estadual Espaço Estação contém um acervo, formado de enciclopédia, livros em braile, seções com livros infanto-juvenis e autores renomados. Além do acervo, o equipamento oferece programações culturais para todos os públicos, e neste mês de julho está aberta uma mostra de objetos, fotos, vídeos e obras de arte em comemoração dos 137 de existência da Estação Ferroviária Professor João Felipe.
Uma parte do acervo da Biblioteca Pública Governador Menezes Pimentel também está localizada na Estação. Segundo a Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult-CE), a transferência deve-se à obra de integralização da Biblioteca ao Centro Dragão do Mar e ao processo de compra do mobiliário para a modernização do espaço.
Para fazer o empréstimo de livros, os interessados devem fazer um cadastro, apresentando documentos originais e cópias do RG, CPF, Comprovantes de Residência, 2 fotos 3×4 e o pagar uma taxa anual de R$ 4.
Serviço
Local: Rua 24 de maio, 60, Centro de Fortaleza
Horário de Funcionamento: De segunda a sexta-feira, de 9 as 17h e aos sábados, de 9h as 15h.
Contato: (85) 3101 6799
Biblioteca Inspiração Nordestina
A biblioteca oferece espaço para pesquisa e estudos (FOTO: Divulgação)
O Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza disponibiliza para a sociedade um local de estudo e pesquisa. O acervo da Biblioteca Inspiração Nordestina é formado por livros de diversas áreas, como Desenvolvimento Regional, Arte, Cultura, sempre enaltecendo os autores nordestinos. Além disso, conta com um espaço filmes de diversos gêneros e estéticas.
O espaço é uma ótima opção para pesquisa e estudo. Há salas de estudo individual e em grupo. E ainda dispõem de programas culturais destinados para a criançada.
Serviço
Local: Rua Conde d’Eu, 560 – Centro
Horário de funcionamento: terça a sábado, 10h às 19h.
Telefone: (85) 3209-3500
Biblioteca comunitária O Guarani
A Biblioteca Comunitária O Guarani foi inaugurada no mês de abril (FOTO: Divulgação)
Inaugurada no mês de abril deste ano, a Biblioteca Comunitária O Guarani da Casa de José de Alencar (CJA), do equipamento cultural da Universidade Federal do Ceará (UFC), oferta para a população um acervo mais voltado para livros infanto-juvenil.
O acervo foi construído a partir das campanhas pelo CJA junto com outras instituições. O objetivo do equipamento é possibilitar o acesso à leitura para as crianças e adolescentes residentes no entorno do equipamento.
A biblioteca fica localizada no Bairro Cambeba e conta com atividades infantis. Nas terça-feiras, acontecem contações de histórias das obras do escritor José de Alencar. O projeto é direcionado para crianças de 7 a 12 anos e conta com o apoio da Secretaria de Cultura Artística (Secult-Arte) da UFC. Para fazer o cadastro, é necessário apresentar um documento de identidade e comprovante de endereço.
Serviço
Local: Av. Washington Soares, 6055 – Cambeba
Horário: Segunda a sexta-feiras, das 8h às 12h e das 13h às 17h.
Telefone: (85) 3229-1898 e (85) 3276-2379
Biblioteca do Instituto do Ceará
Fundada em 1887, sendo a instituição mais antiga do Estado, a biblioteca do equipamento tem um acervo de mais de 39 mil livros de história, geografia, antropologia e ciências afins voltadas para o Ceará. Os interessados em conferir as obras do espaço devem ir até o local. Não é permitido o empréstimo.
Além da biblioteca, o instituto conta com um museu em que o público pode conhecer a história do Ceará. As visitas guiadas do Museu Barão de Studart devem ser agendadas pelo telefone (85) 3021-7559.
Local: Rua Barão do Rio Branco, 1594 – Centro.
Horário: Segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h.
Telefone: (85) 3021-7559
Biblioteca Comunitária Jardim Literário
O objetivo da biblioteca é estimular o hábito de ler nas crianças e adolescentes (FOTO: Reprodução/Fortaleza)
Desde 2013, a Biblioteca Comunitário Jardim Literário tem possibilitado o acesso a leitura para crianças, adolescentes e adultos do bairro Jardim Iracema, em Fortaleza. A pedagoga e mediadora de leitura, Joice Forte, explica que o objetivo do equipamento é contribuir para a formação da comunidade por meio do livro.
“O custo de um livro é caro e não há uma cultura de ler na comunidade. Então, poucas pessoas da comunidade tem acesso ao item e a gente quer resgatar esse valor”, contou.
O espaço é destinado para pessoas de todas as idades. Crianças, adolescentes e adultos têm acesso aos livros. Para fazer um empréstimo, só basta informar o nome, endereço, telefone e data de nascimento. Quando a criança for menor de cinco anos, a biblioteca exige o acompanhamento dos pais.
Ao todo, a Biblioteca Comunitária Jardim Literário tem mais de 3 mil exemplares e há cerca de 900 pessoas no banco de cadastro. O espaço conta com o apoio do Instituto C&A e faz parte do projeto social União.
Além de livros, o equipamento conta com uma programação semanal diversificada. “Toda semana tem mediação de leitura, contação de história, rodas de conversa sobre autores, cine pipoca literário e café literário. Também vamos para as escolas da região e fazemos eventos lá”, detalha Joice.
Serviço
Local: rua Eretides de Alencar, 302 – Jardim Iracema
Horário: Segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.
Telefone: (85) 3286-4310
Biblioteca Comunitária Famílias Reunidas
Contação de histórias e mediações de leituras são as atividades ofertadas (FOTO: Reprodução/Facebook)
Há 17 anos, a Biblioteca Comunitária Famílias Reunidas tem estimulado o hábito de ler para a população do bairro Padre Andrade. O espaço oferece um acervo com mais de 1 mil títulos para todos os públicos, desde o infantil até os adultos.
O mediador de leitura, Wala Henrique, conta que o objetivo do equipamento é formar leitores e oferecer o acesso à leitura. Quem desejar alugar um livro, basta apresentar um documento de identidade e comprovante de endereço para fazer o cadastro. O equipamento não cobra taxa de empréstimo nem de atraso.
Mas a biblioteca comunitária não se restringe apenas a empréstimo, o local também dispõe de atividades, como contação de histórias e mediações de leitura com jovens.
Serviço
Local: rua Rincão, 71 – Padre Andrade
Horário: Segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.
Telefone: (85) 9 8543-9917

Tribuna do Ceará

Conheça a tecnologia que promete substituir aplicativos de celular

Aplicativo
Aplicativo pode se tornar passado com nova tecnologia (Foto: Divulgação)
Apesar de ser pouco explorada no Brasil, a Progressive Web Apps (PWA) promete substituir parte de aplicativos de celular. Quem explica é Vinícius Paiva, diretor da dti digital, empresa mineira especializada em soluções digitais, desenvolvimento de softwares e de TI para indústrias e corporações. "O PWA é uma alternativa para startups e empresas que possuem orçamento enxuto para investir em um APP, já que o custo pode ser menor".
A PWA possui semelhanças com os aplicativos, como a presença na tela inicial do usuário, mas o acesso é iniciado na aba de um navegador. Algumas funcionalidades como o “push” – envio de mensagens aos usuários – ainda não estão disponíveis em todos os sistemas. O Android já o disponibiliza e há indicativos de implementação no iOS.
Entre os benefícios ao usuário, destaque para a não necessidade de realizar todo o processo para baixar um aplicativo: entrar no Google Play ou App Store e esperar download.
Apesar de a PWA estar em estágio inicial, grandes empresas como o Google já perceberam o potencial de mercado e começaram a investir na tecnologia. Estudos apontam que o número de downloads de aplicativos está diminuindo 20% a cada ano; 65% dos smartphones não baixam nenhum aplicativo por mês.
“Estamos falando de uma nova possibilidade de mercado/negócio. Antes, apenas os aplicativos nativos tinham as notificações “push”, funcionamento offline, geolocalização e presença na tela inicial por ícones. Agora, o PWA oferece todas essas possibilidades”, ressalta Vinicius Paiva.
É importante lembrar que o Progressive Web Apps é responsivo, ou seja, abre em qualquer dispositivo: desktop, tablet e celulares. Como é uma página web, a atualização e distribuição do sistema é simplificada, sem a necessidade de baixar atualizações nas lojas.
“Atualmente, nem todos os navegadores suportam as tecnologias para o funcionamento total do PWA. Porém, a inovação pode ser alternativa para empresas que não necessitam construir um aplicativo. É bom ficarmos atentos a essa nova possibilidade”, finaliza Vinicius.

Diário do Nordeste

Dois novos livros do universo Harry Potter serão lançados em outubro

O universo de Hogwarts ganhará dois novos livros da saga Harry Potter, publicados em conjunto com um evento da Biblioteca Britânica, em comemoração do aniversário de 20 anos da série de magia, comemorados neste 2017. O anúncio foi feito pela editora Bloomsbury, na última terça-feira, 18. A exibição da biblioteca, nomeada "Uma História da Magia", incluindo os dois livros, ficará aberta de outubro de 2017 até fevereiro de 2018.
Intitulados "Harry Potter: Uma História da Magia, O Livro da Exposição" (Harry Potter: A History of Magic, The Book Exhibition) e "Harry Potter, Uma Jornada Pela História da Magia" (Harry Potter, a Journey Through a History of Magic), os livros não serão assinador pela autora da série de livros, J.K. Rowling. Os novos trabalhos vão examinar as disciplinas estudadas em Hogwarts e as histórias por trás dos feitiços, das criaturas e dos bruxos e bruxas que marcaram o universo mágico.
Os livros incluem rascunhos e manuscritos jamais vistos de J.K. Rowling, além de ilustrações mágicas de Jim Kay e artefatos dos arquivos da biblioteca.
O dia 26 de junho marcou o aniversário de 20 anos do lançamento de Harry Potter e a Pedra Filosofal, o primeiro dos sete livros da saga Harry Potter, que vendeu 450 milhões de cópias em 29 idiomas e desencadeou uma franquia de filmes de 7 bilhões de dólares.


Redação O POVO Online

Frio estimula rede de solidariedade em SP

Do ônibus no Pátio do Colégio desceram os Anjos da Noite, núcleo assistencial que distribui alimentos a necessitados desde 1989.
O grupo circula aos sábados para atender até 800 pessoas em situação de rua.
O grupo circula aos sábados para atender até 800 pessoas em situação de rua. (Alex Silva/AE)

Passava das 22 horas quando o sino badalou no Pátio do Colégio, centro histórico de São Paulo. Crianças corriam eufóricas como se fosse recreio, enquanto os pais formavam fila para receber cobertor, roupa e alimentos. Apesar da noite fria e melancólica, havia motivo para sorrir. O ônibus escolar que acabara de estacionar no local trazia a terceira leva de doações do dia aos moradores de rua da região.

A morte de um homem que dormia na calçada na região de Pinheiros zona oeste, na tarde mais fria do ano, na terça-feira, 18, sensibilizou grupos de amigos, famílias, religiosos e ONGs. Na noite seguinte à tragédia, a reportagem presenciou caravanas - nenhuma delas promovida pelo poder público - até de outras cidades da Grande São Paulo, como Caieiras, São Bernardo do Campo e Taboão da Serra, levando esperança a homens, mulheres e crianças.

"Vivo disso há quase 30 anos", contou José Eugênio da Luz, de 45 anos, que tomou chocolate quente e pegou cobertor para levar até o canto onde dorme, em uma praça no Bexiga, na região central. "Nasci com uma deficiência mental e minha irmã, que é minha procuradora, rouba meu auxílio-doença", completou o desempregado cujo último endereço "fixo" foi a Favela do Moinho, no centro, até o último grande incêndio no local, em 2011.

Do ônibus no Pátio do Colégio desceram os Anjos da Noite, núcleo assistencial que distribui alimentos a necessitados desde 1989, ano em que Eugênio já frequentava as ruas.

O grupo circula aos sábados para atender até 800 pessoas em situação de rua em roteiro que começa no entorno do Mercado Municipal e acaba na Libero Badaró. Mas o frio extremo dos últimos dias motivou ação extraordinária de quarta-feira, 19.

"Nosso objetivo maior é resgatar a autoestima dessas pessoas. Todos os problemas aqui são de muita dor. Morrer uma pessoa de frio na maior cidade do País revela falta de comprometimento da sociedade, do poder público, das instituições", disse Kaká Ferreira, presidente do Anjos da Noite.

Ajuda

Quando a noite foi chegando, as calçadas do centro já estavam quase todas demarcadas por papelões, cobertores e barracas. Os termômetros de rua marcavam 14°C e o vento seco indicava que seria preciso reforço. Na Praça da Sé, dezenas de pessoas correram em direção a um caminhão que parou distribuindo cobertores. "A gente viu essa situação toda e resolveu trazer a doação", contou o empresário Thiago Signorelli, de 31 anos, que gastou R$ 4 mil com o sócio para comprar 500 cobertores e distribuí-los no centro após saber da morte de um morador de rua.

Enquanto o primeiro auxílio ainda não havia chegado ao Pátio do Colégio, o modo mais eficiente de se esquentar para muitos era beber cachaça adoçada vendida a R$ 3 a garrafa (de meio litro). "A maior tristeza é de quem não consegue se proteger", resumiu José Antonio Pereira, de 45 anos, que há 18 anos saiu de casa por causa do vício em cocaína. "Todo mundo que está na rua deu uma mancada em casa e hoje vive uma liberdade ilusória."

Histórias de quem vive na rua variam entre dramas familiares, como separações, dependência química e criminalidade. Mas quando o tema é a assistência oferecida pelo poder público as queixas são de falta de vagas e excesso de regras nos abrigos da Prefeitura. À noite, a experiência comprova que, de fato, a abordagem do Estado é pequena.

"Nesta hora você não encontra mesmo ninguém da Prefeitura. Você tem de ver a cara de felicidade deles quando a gente traz uma garrafa com água, coisa que em casa nem damos tanto valor. Não tem dinheiro que pague isso", disse o construtor civil André Luís Santos, de 36 anos, primeiro a chegar ao Pátio do Colégio na noite de quarta.

Há três anos, o grupo de Santos, formado por 15 evangélicos de diferentes igrejas da região de Perus, noroeste da capital, e Caieiras, se reúne semanalmente no inverno para levar pão, bolacha, chocolate quente, cobertor, kit de higiene pessoal e até enxoval para gestantes que moram nas ruas do centro.

"Infelizmente, nesse período que a gente atua aqui, a população de rua triplicou", relatou Santos. Segundo o último censo feito na capital, quase 16 mil pessoas viviam nas ruas.

Já era quase meia-noite na Praça da Sé e um grupo de amigos e familiares de São Bernardo ainda conversava com moradores de rua após distribuírem roupas, bebidas quentes e até ração de cachorro. "Fico espantado que tem cada vez mais crianças", disse o analista Jouds Pimenta Pinheiro, de 37 anos, que trouxe os mantimentos em dez carros. O excesso de doações levou até pessoas que moram de aluguel ou em invasões no centro a entrarem na fila para pegar roupas e comida.

Agência Estado

Igreja na Venezuela faz dia de jejum e oração pelo país nesta sexta

Arcebispo de Caracas destaca que a oração é forte e poderosa e convida fiéis a rezar pela situação da Venezuela

Da Redação, com Rádio Vaticano
Resultado de imagem para Igreja na Venezuela faz dia de jejum e oração pelo país nesta sexta
“Somente o Senhor pode nos ajudar a resolver a crise venezuelana”. Essas são palavras do arcebispo de Caracas, Cardeal Jorge Urosa Savino, que convoca os fiéis para o Dia de oração e de jejum pelo país nesta sexta-feira, 21.
“Estamos convencidos de que a oração é muito forte e muito poderosa. Devemos rezar ao Senhor para a solução dos nossos problemas e isso se aplica também à questão política. Temos uma crise muito forte, uma crise política, econômica e social na Venezuela. Somente o Senhor pode nos ajudar a resolvê-la”.
O arcebispo de Caracas acrescenta que os católicos irão pedir a Deus o dom da paz e do diálogo para buscar uma solução negociada a fim de resolver o que definiu como “gravíssimos problemas” da nação.
Quanto à consulta popular do último domingo, em que mais de 98% da população rejeitou a proposta do presidente Nicolás Maduro para reescrever a Constituição do país, o Cardeal Urosa Savino a definiu como uma “demonstração democrática de rejeição” a um instrumento político negativo, que seria a Assembleia Constituinte. “Se levada adiante, será gravíssimo e trágico para a nação venezuelana”, adverte o Cardeal.
Esta semana, o Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, manifestou mais uma vez sua solidariedade ao país. “Rezei muito para que Nossa Senhora do Carmo, tão amada e venerada na Venezuela, interceda junto ao seu Filho Divino por uma solução pacífica e democrática para o país. E para que as autoridades escutem o clamor do povo, que pede liberdade, reconciliação, paz e bem estar material e espiritual para todos, sobretudo para os mais pobres e desfavorecidos”.
De acordo com dados do Observatório da Cáritas Venezuelana, com uma inflação acumulada em 700%, a pobreza já afetou 82% da população. Em 2016, mais de 11 mil crianças morreram por falta de remédios e a mortalidade materna aumentou cerca de 70%. Mais de 90 pessoas foram assassinadas na Venezuela desde abril, no âmbito de protestos a favor e contra o Governo do presidente Maduro.

Municipal do Rio retoma nesta sexta apresentações da cantata Carmina Burana

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil
Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Divulgação/Riotur)
Theatro Municipal, centro do Rio Divulgação/Riotur
Em meio à crise que afeta todo o estado do Rio de Janeiro, incluindo as atividades culturais, os servidores do Theatro Municipal retomam nesta sexta-feira (21) as apresentações da cantata Carmina Burana. O espetáculo, que teve todas os ingressos esgotados para quatro récitas no mês passado, volta ao palco neste fim de semana, com ingressos a partir de R$ 20.

Toda a renda obtida com os espetáculos de sexta-feira, sábado e domingo será revertida para os funcionários da casa, vinculada à Secretaria de Estado de Cultura.
Nesta versão, a cantata Carmina Burana, obra do compositor alemão Carl Orff, tem coreografia de Rodrigo Negri, bailarino do próprio Theatro Municipal, reunindo os três corpos artísticos do equipamento: coro, orquestra e balé.
O violinista Ivan Tavares, integrante da orquestra do teatro, disse que o motivo de enfrentar a crise e voltar a apresentar a cantata é o apoio do público. “É o retorno que a gente tem tido do público. Financeiramente, o que o espetáculo Carmina Burana vai gerar não é tão relevante, porque não é uma verba muito grande, e nós estamos com três salários atrasados. Não vai mudar a situação grave em que a gente está.”
Ivan Tavares deixou claro que a luta pela regularização do pagamento de salários não é só pelos funcionários do Theatro Municipal, “mas por todos os servidores do estado”. Os funcionários não receberam os salários de maio e junho e o décimo terceiro do ano passado.

A Secretaria de Estado de Cultura informou que depositará amanhã o salário de maio dos funcionários da ativa do teatro, usando recursos próprios. O violinista reagiu: “uma das nossas reivindicações é que não sejam [pagos] só os ativos, nem só os [funcionários] do teatro, mas todos os servidores do estado.”
Triângulo amoroso
Segundo o diretor artístico do Municipal, André Heller-Lopes, existe uma relação muito estreita de solidariedade entre os funcionários, o público e a Secretaria de Cultura. “Digo isso porque nós, da direção do teatro, temos com o secretário [André Lazaroni] esse tipo de diálogo.”
Lopes acrescentou que isso ocorre quando é preciso conseguir uma forma de vencer a burocracia, “de pensar fora da caixa, pensar como a gente faz para pagar os funcionários. Isso é muito importante. Então, acho que é um trio, um triângulo amoroso”.
Ele está confiante no sucesso das apresentações deste fim de semana, esperando que repitam o resultado dos espetáculos de junho. “Porque é um espetáculo que foi superelogiado, feito com talentos brasileiros. É uma peça que todo mundo adora e tem vontade de assistir. E essas são as três últimas chances, e com preços populares. Você tem uma récita à noite e duas à tarde. É a melhor programação da cidade neste fim de semana”, afirmou.
Mulheres
André Heller-Lopes já está trabalhando nas próximas atrações do Municipal. A primeira, programada para agosto, será uma ópera-balé com a obra Carmen, de Georges Bizet. “Este ano, a ideia toda é focar em cima da tragédia feminina, das grandes personagens femininas”, comentou. De acordo com Lopes, a trajetória da trágica heroína espanhola Carmen vem para o público em uma versão especial, que reúne de novo os três corpos artísticos do Municipal, com solistas do balé, do coro e da orquestra.
Este ano, o Theatro Municipal já apresentou as óperas Jenufa e Norma. Lopes esclareceu que, embora Carmina Burana não seja uma personagem feminina, a obra fala muito do papel da mulher. O nome Carmina Burana significa em latim Canções do mosteiro Benediktbeuern.