Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 4, 2017

"Histórias Não (ou Mal) Contadas" confere nuances à Segunda Guerra Mundial

É ousado o que o historiador gaúcho Rodrigo Trespach fez em  Histórias Não (ou Mal) Contadas – Segunda Guerra Mundial (1939-1945) , que terá sessão de autógrafos e bate-papo com o autor hoje, às 19h, na Saraiva do Praia de Belas Shopping.  Já na introdução, o autor trata de fazer as devidas ressalvas: seu livro está longe de ser revisionista. Muito pelo contrário! Houve 6 milhões de judeus assassinados no Holocausto? Claro, testemunhas primárias estão aí para contar e deixaram registros que se contrapõem a levianos exercícios de antissemitismo travestido de pós-verdade.  Trespach mostra quão ampla foi a crueldade do nazismo, trazendo-nos as perseguições também a homossexuais, ciganos e outras minorias. Toca em pontos essenciais. Exemplo de um esclarecimento que chega já na introdução: "Os Aliados não eram apenas guerreiros lutando por paz e liberdade. (...) Acabada a guerra, Stálin mantinha 20 milhões de prisioneiros-escravos na União Soviética. Os negros norte-americanos q

FestiPoa Literária: uma década de literatura livre marcada por debates, leituras e homenagens

Grande homenageada desta FestiPoa, Heloísa Buarque de Hollanda partipa da abertura nesta quinta, no Instituto Goethe Foto: FestiPoa Literária / Divulgação Ao longo de 10 anos, a FestiPoa Literária se consolidou como o principal evento literário independente da Capital. Criada e mantida por um grupo de amigos, sem vinculação a grandes instituições e com poucos apoiadores, a Festa Literária de Porto Alegre volta a ocupar nesta quinta-feira diferentes espaços culturais da cidade para debates, leituras e lançamentos. A nova edição concilia as facetas pelas quais o evento ficou conhecido: revelação de novos autores, discussões sobre temas à margem dos grandes festivais e tributo a quem fomenta a produção e o debate literário local e nacional. A grande homenageada desta edição é a professora e escritora Heloisa Buarque de Hollanda. — É bem intencional escolher como homenageada alguém que pesquisa a literatura feminina, com uma história de militância no campo intelectual e acadêmico.

Escritor inglês é autor da obra que serve de base para a nova série sensação, "American Gods", da Amazon

Ian McShane (Mr. Wednesday) e Ricky Whittle (Shadow Moon), protagonistas de "American Gods" Neil Gaiman foi um dos artistas de quadrinhos britânicos que, nos anos 1980, tornaram-se sensação no mercado norte-americano. O episódio entrou para a história da nona arte como "Invasão Britânica" - uma referência ao apelido dado à conquista dos EUA, duas décadas antes, por grupos de rock como Beatles e Rolling Stones. O também inglês Alan Moore e o escocês Grant Morrison eram os outros dois nomes de maior peso desta turma. Dos três, Gaiman sempre foi o autor mais palatável e, apesar da pose de gótico suave, há um otimismo em suas tramas que faltam ao seus companheiros. Moore, curiosamente, caiu no gosto dos estúdios de Hollywood - o contrário, não aconteceu, diga-se. Filmes como "V de Vingança", "Watchmen", "Liga Extraordinária" e "Constantine" têm em comum duas coisas: seu trabalho como referência e tornar ruim algo que, o

Google abre inscrições para programa de Bolsas de Pesquisa para América Latina

Serão destinados 600 mil dólares para apoiar pesquisadores da América Latina O Google abriu as inscrições da edição 2017 do programa Bolsas de Pesquisa Google para a América Latina , com o objetivo de apoiar projetos de pesquisa na área de Ciência da Computação em toda a região.   O programa oferece apoio a “duplas” de pesquisadores, ou seja, estudantes de Mestrado ou Doutorado e seus professores. A cada ano, os projetos inscritos são mais complexos e ambiciosos; buscam melhorar diagnósticos médicos , auxiliar deficientes a serem mais independentes, gerar modelos para o combate da transmissão da zika e até monitorar geleiras.   Há, também, pesquisadores que aplicam machine learning para gerar sinopses de vídeos, melhorar a gestão de contratos no setor privado, desenvolver formas avançadas de reconhecimento facial e desenvolver algoritmos de coordenação para veículos autônomos nos cruzamentos das nossas cidades congestionadas.   Nesta 5ª edição, serão destinados 600 m

Redes sociais dos órgãos de segurança facilitam denúncias

Perfis disponibilizam contatos específicos para denúncias. O uso de redes sociais como canais de denúncia tem se tornado uma atividade comum entre os internautas. Nos grupos fechados ou em perfis abertos, registros em vídeos e em fotos têm ajudado na identificação de suspeitos de crimes, por exemplo. Aproveitando este movimento, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social ( SSPDS ) decidiu investir nas redes sociais para se aproximar da população e criar novos canais para denúncias . Hoje, os perfis do órgão no Facebook, Instagram e Twitter são utilizados para divulgar as ações da polícia assim como os serviços prestados. Além da SSPDS, delegacias especializadas também estão na rede. “Em relação à Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD) , a iniciativa vai ao encontro das pessoas, sendo a aproximação com os cidadãos o principal foco do uso das mídias sociais por parte da especializada. Além disso, a medida objetiva facilitar o máximo possível essa comunicação com a

Em Portugal, animais deixam de ser 'coisas' perante a lei

Embora deixem ser ser considerados “coisas”, os animais continuam sujeitos ao direito de propriedade. O roubo de animais também passa a ser tipificado. (Reprodução) Desde a segunda-feira, 1º de maio, os animais ganharam um novo status em Portugal: eles deixaram de ser coisas e passaram à classificação “seres vivos dotados de sensibilidade” segundo as leis do país. Um dos principais objetivos da nova legislação, aprovada em dezembro de 2016 por unanimidade no Parlamento, é aumentar a proteção aos bichos e evitar casos de maus tratos. De agora em diante, quem se comprometer a cuidar de um animal passa a ter a obrigação legal de assegurar sem bem-estar e qualidade de vida. Ficando assim implícito o dever de manter as vacinas e consultas com o veterinário em dia. Embora deixem ser ser considerados “coisas”, os animais continuam sujeitos ao direito de propriedade. A posse formal de um animal, porém, não dá direito “sem motivo legítimo, de infligir dor, sofrimento ou quaisquer

Satélite para comunicações e defesa será lançado hoje

Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil Satélite para defesa e comunicações será lançado na Guiana Francesa - Foto Divulgação/Arianespace Divulgação/Arianespace O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas será lançado hoje (4), às 17h, do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. Este será o primeiro satélite geoestacionário brasileiro de uso civil e militar. Adquirido pela Telebras, o equipamento será utilizado para comunicações estratégicas do governo e para ampliar a oferta de banda larga no país, especialmente em áreas remotas. Com 5,8 toneladas e 5 metros de altura, o satélite ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo todo o território brasileiro e o Oceano Atlântico. A capacidade de operação do satélite é de 18 anos. Inicialmente, o lançamento estava previsto para o dia 21 de março, mas  foi adiado  por causa de uma greve geral na Guiana Francesa. O lançamento do satélite poderá ser acompanhad

Cinema: «Francisco. O Papa do povo» estreia em Portugal

Filme dirigido pelo italiano Daniele Luchetti, um não-católico que partiu à descoberta da vida de Jorge Mario Bergoglio Lisboa, 04 mai 2017 (Ecclesia) - O filme ‘Francisco. O Papa do povo’, dirigido pelo italiano Daniele Luchetti, que descreve a vida de Jorge Mario Bergoglio desde a juventude ao dia da sua eleição pontifícia, estreia hoje nas salas de cinema em Portugal. O filme conta a história do filho de imigrantes italianos na Argentina desde a vocação  religioso, surgida durante os anos  da ditadura militar, passando pelo trabalho pastoral nas periferias de Buenos Aires, até se tornar Papa. Daniele Luchetti disse à Agência ECCLESIA que no início do projeto não sabia "nada" sobre a vida do Papa na Argentina, o que o levou ao país sul-americano para ouvir testemunhos e construir uma "narração" que lhe pareceu coerente e realista, a respeito dos vários eventos relatados. O realizador disse que as palavras do Papa o tocaram com "muita força", t