"Histórias Não (ou Mal) Contadas" confere nuances à Segunda Guerra Mundial

É ousado o que o historiador gaúcho Rodrigo Trespach fez em Histórias Não (ou Mal) Contadas – Segunda Guerra Mundial (1939-1945), que terá sessão de autógrafos e bate-papo com o autor hoje, às 19h, na Saraiva do Praia de Belas Shopping. 
Já na introdução, o autor trata de fazer as devidas ressalvas: seu livro está longe de ser revisionista. Muito pelo contrário! Houve 6 milhões de judeus assassinados no Holocausto? Claro, testemunhas primárias estão aí para contar e deixaram registros que se contrapõem a levianos exercícios de antissemitismo travestido de pós-verdade. 
Trespach mostra quão ampla foi a crueldade do nazismo, trazendo-nos as perseguições também a homossexuais, ciganos e outras minorias. Toca em pontos essenciais. Exemplo de um esclarecimento que chega já na introdução: "Os Aliados não eram apenas guerreiros lutando por paz e liberdade. (...) Acabada a guerra, Stálin mantinha 20 milhões de prisioneiros-escravos na União Soviética. Os negros norte-americanos que haviam lutado por liberdade nos campos da Europa e nas ilhas do Pacífico ainda eram tratados como animais no próprio país (...). Liberdade?". 
Boa pergunta. Trespach não nega. Acrescenta. Põe tintas e nuances. Nem o maniqueísmo legítimo ele desautoriza, até porque havia um lado bom e um lado mau. O que ele faz é reunir "histórias contadas sob um ponto de vista pouco convencional". O autor não tira a carga do nazismo, mas, ora, fala o óbvio por vezes ignorado ao relatar atrocidades de chineses, britânicos, americanos e até judeus que se voltaram contra os seus e só se deram conta disso quando era tarde. Amplia a teoria incontestável da "banalidade do mal", cunhada por Hannah Arendt. Segue a tendência de museus do Holocausto que usam o genocídio nazista como ferramenta genérica.
Com limpidez de estilo e conteúdo, o livro mostra o papel do Japão, já no começo da década de 1930, para o desenlace da II Guerra, cujo marco inicial foi convencionado para 1939. A arrogância punha os japoneses como "raça pura" em relação aos chineses, cujo país invadiram. O livro aponta feridas esquecidas. Os países neutros eram "prostitutas virgens". União Soviética? Sim, acabou sendo decisiva para os aliados. Mas, antes disso, o acordo Molotov-Ribbentrop lhe permitira ser fornecedora dos nazistas.
Algumas curiosidades fazem o leitor rir baixinho: Hitler tinha "problemas de flatulência". Esse tipo de informação põe leveza na densidade. O autor ainda relata resistências como a dos alemães da Rosa Branca, de judeus que se rebelaram e de outros. Todo o livro abre novas janelas. O britânico Alan Turing, que decifrou o código da Enigma alemã, não virou herói por ser homossexual. Também conviria destrinchar o caldo cultural antissemita europeu. 
O nazismo foi o ápice da ignorância. A Alemanha dos anos 1930 foi um prato cheio. E o sionismo, como movimento de libertação, foi consequência da tal tradição abjeta. Mas seria tema para novo livro.
SERVIÇO
Histórias Não (ou Mal) Contadas – Segunda Guerra Mundial (1939-1945) - De Rodrigo Trespach 
História, 240 páginas, Harper Collins BR
Sessão de autógrafos e bate-papo como autor hoje, das 19h às 22h, na Saraiva MegaStore do Praia de Belas Shopping (Praia de Belas 1.181)

Zero Hora

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP