Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 8, 2017

A mesma fogueira, as mesmas vaidades

Twitter Nova York  O Yankees Stadium em Nova York, no Bronx. NICK LAHAM GETTY IMAGESOs apartamentos de cerveja e design artesanais deslocaram-se para o Bronx do Sul, que é a selva de Nova York, onde há 30 anos, Sherman McCoy entrou com um Mercedes esportivo de US $ 48.000 (41.000 euros) como se fosse um civilização desconhecida. Agora, muitos o chamam de SoBro, ou o novo Williamsburg, os preços da habitação se dispararam e The New York Times oselecionou este ano como um dos 52 lugares do mundo que devem ser visitados. Os blocos em construção estão se multiplicando

PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA 2017: Nem autor nem autoridade


Kazuo Ishiguro, na quinta-feira, 5 de outubro, em Londres, durante a conferência de imprensa realizada horas após ter sido premiado com o Prêmio Nobel de Literatura. BEN STANSALL AFPAo longo do século XIX, o gênero romance estava estabelecendo uma aliança entre autor e autoridade que, já propiciada pela etimologia, passou pelas fases previsíveis de confiança, presunção, ceticismo e zombaria sem nunca desistir nunca, é curioso, para isso que hoje denominamos tópica "o controle de ferro do narrador". De fato, esses estágios não foram tão sucessivos quanto simultâneos, porque os romancistas, conscientes de terem "controle", se permitiram alternar, mesmo em uma obra, crédito com descrédito, satisfação com frustração, bravura com ridículo Como nada lhes escapou, embora, na verdade, escapassem, podiam fazer ambições ambiciosas como Balzac ou Zola, Tolstoi ou Dostoiévski, travesuras como Thackeray ou Dickens (e Dostoiévski também), ou ser tão delicadas como T…

FEIRA DO LIVRO DE FRANKFURT: Liberdade, igualdade, diversidade

CARLOS ROSILLONão é a primeira vez que a literatura francesa - ou em francês, como muitos pedem para ser nomeado - é o convidado de honra em Frankfurt. Já estava em 1989, quando enviou à feira um grupo de autores como Michel Tournier, André du Bouchet, Michel Butor, Jean Vautrin, Erik Orsenna, Patrick Besson e Tahar Ben Jelloun. A lista de 130 escritores convidados para a edição de 2017, que começa na próxima quarta-feira, oferece uma visão mais precisa da heterogeneidade da paisagem literária. Para começar, refletindo a inegável feminização. Nessa lista, existem 47 mulheres, de estrelas como Amélie Nothomb, Marie Darrieussecq ou Yasmina Reza para aparições mais recentes como Delphine de Vigan e Maylis de Kerangal. Ele também destaca a diversidade de origens de seus membros, com uma abertura aos escritores nascidos da imigração e do antigo espaço colonial. O todo parece insinuar a vontade de superar algum atraso histórico no reequilíbrio de seu cânone, "Nós fomos obrigados a entra…

Novos protestos e declarações do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, aquecem debate sobre arte no País

por Nelson Gobbi / Alessandro Giannini - Agência o Globo O ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão, que recebeu a bancada evangélica ( Foto: Kid Junior ) Em meio à polêmica do veto à vinda da exposição "Queermuseu" para o Rio, um novo episódio colocou em xeque a liberdade artística na cidade. Prevista para ser inaugurada na quinta-feira (5) no Castelinho do Flamengo, Zona Sul da cidade, a quarta edição do evento "Curto-circuito" reuniria cerca de 50 artistas, performances e duas peças teatrais, "Bicha oca" e "Nasciturnos". Mas tanto artistas quanto público que foram ao espaço para assistir ao primeiro espetáculo, "Bicha oca", encontraram os portões fechados. A justificativa da administração era de uma pane elétrica - um cartaz colado no portão informava que o local "está com a visitação suspensa". Julie Brasil, uma das artistas da mostra coletiva, que tem curadoria livre, acusa a prefeitura de censura. "Todas as obras haviam…

Em entrevista, a escritora fala sobre o ofício, questões de gênero e a relação com os leitores

por Tânia Dourado - Especial para o Caderno 3 Marina Colasanti é um daqueles nomes que trafegam conosco ao longo da vida. Dona de uma das vozes mais vibrantes da nossa literatura, tive a alegria de conversar longamente com ela sobre literatura, feminismo, questões de gênero e do seu importante papel como desbravadora de territórios historicamente tão masculinos. Como linguista e leitora, percebo uma voz marcadamente feminina na sua literatura. No entanto, muitas escritoras consideram isso bobagem e renegam qualquer associação entre linguagem e gênero, como se isso de algum modo empobrecesse nosso discurso literário. Não acho bobagem, apesar de todo o risco que isso contém. Sempre afirmei que a minha escrita é uma escrita de mulher, porque vejo o mundo com olhos de mulher, penso o mundo com cérebro de mulher e a ciência nos diz que o cérebro dos homens funciona de uma maneira diferente do cérebro das mulheres. Vivo a vida com a sensibilidade de mulher. Os homens não têm filhos, os homen…