Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

23 de fevereiro de 2017

Advogado cria app para coletar e conferir apoio a projetos de iniciativa popular

Um dos idealizadores da Lei da Ficha Limpa, o advogado Márlon Reis criou um aplicativo de celular gratuito para colher assinaturas digitais de apoio a projetos de iniciativa popular (veja ao final desta reportagem uma reprodução de como será o programa).
O lançamento do app "Mudamos" está previsto para 20 de março. Por meio do programa, o cidadão poderá manifestar apoio a diferentes propostas, desde que informe:
  • nome completo;
  • número do CPF;
  • número do título de eleitor.
De acordo com o criador do aplicativo, cada celular será identificado e só poderá gerar uma assinatura de apoio por projeto.
A ideia do programa, explica Márlon Reis, é evitar situações como a ocorrida com o pacote de medidas anticorrupção. Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o projeto, que já havia seguido para o Senado, teve de ser devolvido à Câmara porque as assinaturas de apoio (mais de 2 milhões) não tinham sido conferidas e porque o conteúdo havia sido desfigurado pelos deputados.
Como a Câmara alega não ter condições para checar todas as assinaturas de apoio a todos os textos, nenhum dos quatro projetos de iniciativa popular aprovados pelo Congresso Nacional nos últimos 30 anos tramitou formalmente como de autoria da população.
Esses projetos, então, foram "adotados" por algum deputado, que assinou o texto como autor, e seguiram o rito de um projeto de lei comum.
"Além da dificuldade em coletar as assinaturas no papel, ainda tem o problema de verificar a autenticidade [das assinaturas]. Primeiro, porque não tem uma base de dados com a qual os dados poderiam ser confrontados e, segundo, que qualquer pessoa pode fazer uma assinatura parecida. O aplicativo [então] será uma importante ferramenta de participação cívica", afirmou Márlon Reis ao G1.

Como funciona

A tecnologia usada no aplicativo é a "blockchain", por meio da qual é possível auditar os dados inseridos pelo usuário do celular.
Segundo Ronaldo Lemos, diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS Rio), entidade que financiou o desenvolvimento do programa, a possibilidade de fraude é "próxima a 0%".
"É a mesma tecnologia que vários bancos usam hoje. O CPF é automaticamente autenticado", explica.
Para Lemos, ao facilitar a coleta de assinatura, o aplicativo ajudará a atender à demanda da população por projetos específicos. Além dos quatro projetos de iniciativa popular já aprovados, somente outros três tramitam na Câmara, incluindo o pacote anticorrupção.

Projetos de iniciativa popular

Para um projeto de iniciativa popular ser apresentado, é preciso ter adesão mínima de 1% do eleitorado (em 2016, o Brasil tinha 144,1 milhões de eleitores). Essa adesão também deve ser distribuída em pelo menos cinco estados.
Atualmente, se essas exigências forem seguidas, um projeto de iniciativa popular precisa de 1,4 milhão de assinturas de apoio.
Ronaldo Lemos observa que a Constituição não exige que as assinaturas sejam entregues em papel. "A legislação diz que o projeto de iniciativa popular tem que ser subscrito. Não fala em assinatura em papel. O importante aqui é a manifestação da vontade popular", diz.
Para o lançamento do aplicativo, será escolhido um projeto-piloto para que as pessoas já possam manifestar apoio. A plataforma também receberá sugestões da população.
Inicialmente, segundo Lemos, as ideias de projeto deverão ser enviadas para um site ligado ao aplicativo, no qual serão analisadas antes de serem incluídas no "Mudamos".
"Não iremos barrar nenhum projeto, apenas os que não fizerem sentido, como a promoção do terrorismo ou qualquer outra coisa ilegal", afirma.

Veja abaixo como será o aplicativo:

Imagem mostra como funcionará o aplicativo 'Mudamos' (Foto: Divulgação)

Máscaras de super-heróis 'dão poder' a crianças na luta contra o câncer

Máscaras estilizadas evitam anestesia durante sessões de radioterapia (Foto: Huse/Divulgação)
Máscaras estilizadas estão ajudando crianças na luta contra o câncer no maior hospital público de Sergipe. Com ela, os superpoderes dos personagens das histórias de ficção são transferidos para os heróis de verdade, que se enchem de coragem e força durante o tratamento de radioterapia. A adaptação dos acessórios começou este ano no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse).
Durante as sessões contra tumores na cabeça, pescoço ou face, é preciso ficar imóvel para que radiação atinja sempre o mesmo local do planejamento. Cada máscara termoplástica é moldada no formato do rosto do paciente para que o encaixe seja perfeito.
“As crianças têm bastante energia e ficam agitadas. Por isso, muitas vezes é necessária a aplicação de anestesia geral diariamente durante todo o tratamento, o que torna as sessões de radioterapia mais demoradas e complicadas. Infelizmente, para as crianças o conceito da máscara é assustador porque ela é branca e de aspecto estéril”, explicou o médico radio-oncologista, Marco Antonio Costa Campos de Santana, que teve a ideia e desenhou os super-heróis.
Ao transformar o ambiente hospitalar de forma lúdica, o resultado positivo foi imediato. “As crianças apresentam grande alegria em usar a máscara do seu herói preferido. Isso ajuda a dissipar a ansiedade e a despertar maior interesse pelo tratamento. Nossa intenção é fazer o mesmo para todas as crianças que necessitem do acessório, com o objetivo de tornar o procedimento menos traumático”, destacou o especialista.
"Fico feliz em ver que meu filho se sente melhor e mais forte quando usa a máscara do Homem-Aranha, que ele adora. Enfrentar o câncer já é difícil para um adulto, imagina para uma criança. Então todo esse cuidado especial ajuda a ele passar melhor por essa fase", disse Doralice Santos, mãe do primeiro paciente a receber o acessório customizado em Sergipe.
  •  
Máscaras que eram brancas ganharam cor e um significado especial (Foto: Huse/Divulgação)Máscaras que eram brancas ganharam cor e um significado especial (Foto: Huse/Divulgação)
A inspiração foi baseada em alguns serviços de radioterapia do exterior, que modificaram as máscaras com personagens infantis. Toda a equipe do setor de radioterapia ficou sensibilizada e aderiu à iniciativa, os técnicos em radioterapia Joaquim Smith e Marcelo Bomfim também colaboraram com as artes.
“Nós optamos por encorajar as crianças a se tratarem sem anestesia, comportando-se como verdadeiros super-heróis. Os resultados têm sido excelentes e alguns pacientes já querem levar as máscaras para casa”, finalizou o radio-oncologista Marco Antonio Santana.
G1

"Coleção Dicionários" lança volume sobre Oswald e Mário de Andrade

Mario e Oswald retratados por Lasar Segall e Tarsila do Amaral respectivamenteFoto: Lasar Segall / Tarsila do Amaral / Reprodução / Reprodução
Com mais de 50 mil exemplares distribuídos em escolas, universidades e instituições culturais, a Coleção Dicionários já lançou compilações com verbetes sobre a obra de mais de uma dezena de autores da literatura brasileira e universal, como Erico Verissimo (1905 – 1975), Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) e Miguel de Cervantes (1547 – 1616). Mais um volume da série acaba de ser publicado, desta vez sobre dois escritores, com Mário de Andrade e Oswald de Andrade: texto e contexto da modernidade.
Apesar de terem juntos mudado os rumos da literatura brasileira com a Semana de Arte Moderna de 1922, Oswald de Andrade (1890 – 1954) e Mário de Andrade (1893 – 1945) desenvolveram animosidades, rompendo relações definitivamente em 1929. 
– Os dois era um caso de ódio não correspondido. É certo que em algum momento Oswald foi cruel com Mário, mas ambos foram a alma do movimento modernista, por isso o livro tinha que ser pensado com eles juntos – afirma Luiz Coronel, editor da coleção.
A edição é composta por centenas de verbetes, acompanhados da definição de cada um deles extraída da obra dos autores homenageados. 
Com uma cuidadosa edição em capa dura, o volume é entremeado por fotos e conta com dezenas de textos sobre o legado de Oswald e Mário, redigidos por intelectuais como o professor Antonio Candido, o escritor Carlos Nejar e a professora Marília de Andrade, filha de Oswald.
Com uma cuidadosa edição em capa dura, o volume é entremeado por fotos e conta com dezenas de textos sobre o legado de Oswald e Mário, redigidos por intelectuais como o professor Antonio Candido, o escritor Carlos Nejar e a professora Marília de Andrade, filha de Oswald.
Zero Hora

Temática nerd é inspiração para artistas cearenses

Se para muitas pessoas o gosto por desenhos animados, quadrinhos e outros conteúdos que consumimos quando crianças ficou apenas na infância, para outros, os personagens e os traços das imagens não apenas fazem parte de sua rotina como são parte fundamental de suas profissões. Para a tatuadora Ana Clara Felix, a afinidade que sempre teve com a temática nerd se tornou um diferencial em seu trabalho. Já para o designer e ilustrador Ricardo Lira, é a essência do que se propõe a fazer. 

O público? Outros apaixonados pela cultura nerd. Pessoas que gostariam de se transformar no personagem de seu desenho favorito ou gravar na própria pele elementos do desenho, filme ou livro que lhe marcou. Conheça o trabalho desses dois artistas cearenses que, com diferentes linguagens, viram suas paixões se transformarem em trabalhos de sucesso.

Desenho que será utilizado em um convite de casamento no Canadá


Você é o personagem
No convite do casamento, os noivos, desenhados em traços de anime, interagem com dois pokemons. Em uma lembrança para um amigo ou namorada, eles podem protagonizar a cena cercados por digimons, talvez seres do universo de Harry Potter. O designer e ilustrador Ricardo Lira viu seu trabalho passar por um “boom” de procura após postar o primeiro trabalho em que misturava o desenho de um cliente com personagens da temática nerd. “Viram e começaram a pedir também para serem desenhados com seus personagens favoritos”, conta.
 
Natural de Ipu, Ceará, o artista tem paixão por desenhar desde criança, algo que foi estimulado pela família. “Minha mãe me colocou em um curso de pintura, fui descobrindo meu estilo, acabou influenciando no curso que decidi fazer”, explica Lira, que se mudou para Fortaleza para cursar Design Gráfico, em que é graduado hoje. Já os conteúdos atualmente vistos como nerds, o jovem começou a consumir por volta dos dez anos. A união dos dois gostos passaria, então, de hobby a trabalho de forma muito natural. “Mesmo na faculdade, acabei vendo que gostava mais de trabalhar com ilustração.”

Pokemons, digimon, Harry Potter e Sakura Card Captor estão entre os temas trabalhados pelo ilustrador, que mistura estilos orgânicos – pincéis, aquarela, grafite, nanquim – a edição digital.
E o trabalho segue agradando! Em pouco mais de um ano realizando esses projetos, Lira já recebeu encomendas de países como Coréia do Sul, Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, México, Chile, Colômbia e Equador. “Estou com encomendas marcadas até junho, e tenho cerca de 40 e-mails para responder de encomendas”, comemora.

Ana Clara faz cerca de quatro tatuagens com temáticas nerds por mês


Na pele
Darth Vader, Cogumelo do Mário Bros, o pokemon Dito, dados do jogo RPG e Lisa Simpsons estão entre os personagens que Ana Clara Felix já gravou na pele de seus clientes. Há sete meses tatuando, no Estúdio Santa Tatuagem, a cearense de 24 anos contabiliza fazer cerca de quatro tatuagens com temas nerds por mês.

Estudante de arquitetura e urbanismo, Ana Clara sempre desenhou. Aos 18, começou a se tatuar e frequentar estúdios. O gosto por desenhos como Pokemon, Dragonball e produtos como mangás, por sua vez, também vêm da infância. “Comecei a desenhar [imagens com a temática] e as pessoas começaram a me procurar para tatuar, porque para mim seria mais fácil desenvolver um desenho para elas, por já entender do assunto”, conta.

Conforme a tatuadora explica, a procura pelo trabalho se deve ao laço afetivo que esse tipo de conteúdo gera em seus consumidores, que passaram, muitas vezes, toda a infância acompanhando novos episódios, edições etc. “Hoje, já é super comercializado”, comenta, referindo-se também a outros produtos que já invadiram o mercado.

SERVIÇO
Ricardo Lira
O designer e ilustrador recebe encomendas pelos e-mails ricardolirart@gmail.com e ricardolirastore.iluria.com. Para saber mais sobre seu trabalho, confira o Instagram do artista.

Ana Clara Felix
Atualmente, Ana Clara tatua no estúdio Santa Tatuagem (av. Dom Luís, 300 - loja 118 - Meireles), mas é possível conhecer seu trabalho e entrar em contato com a tatuadora também por seu Instagram.


O Povo

Vaticano vai controlar uso impróprio e lucrativo da imagem do Papa

Medida visa proteger imagem do pontífice para que sua mensagem chegue íntegra aos fiéis.
Secretaria de Estado perseguirá quem usar de forma imprópria e com fins lucrativos a imagem do papa
Secretaria de Estado perseguirá quem usar de forma imprópria e com fins lucrativos a imagem do papa (AFP)

A Secretaria de Estado anunciou nesta quarta-feira que perseguirá todos aqueles que usam de forma imprópria e com fins lucrativos a imagem do Papa e dos escudos e emblemas oficiais da Santa Sé.
A medida foi anunciada em um comunicado e, segundo o escritório de imprensa do Vaticano, está dirigida a combater a venda de objetos nas ruas com a foto do Papa, assim como o uso dos emblemas papais "com fins lucrativos não autorizados", afirmou em uma nota posterior.
No comunicado, a Secretaria esclarece que se trata de uma medida que "não está relacionada" à recente campanha de ataques contra Francisco que utilizou cartazes anônimos com a foto do pontífice e foi lançada há duas semanas nas ruas do centro de Roma.
O Papa também foi alvo da divulgação por e-mail de uma falsa versão do "L'Osservatore Romano", o jornal oficial do Vaticano, que leva o escudo papal e na qual Francisco era ridicularizado, ao dar respostas ambíguas a perguntas de cardeais descontentes com sua encíclica sobre a família.
O jornal satirizava a decisão de Francisco de autorizar em alguns casos a comunhão para os divorciados que voltam a se casar, tema central das críticas ao Papa argentino.
A Secretaria de Estado explicou em seu comunicado que, entre suas tarefas, figura a de "proteger as imagens do Santo Padre para que sua mensagem possa chegar íntegra aos fiéis, e que sua pessoa não seja instrumentalizada".

AFP

A experiência brasileira na acolhida aos migrantes

Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – Concluiu-se na quarta-feira (22/02), em Roma, o VI Fórum Internacional sobre Migrações e Paz, promovido entre outros pela Santa Sé.
 
O evento, de dois dias de duração, começou na terça-feira com a audiência que o Papa Francisco concedeu aos participantes. Desenvolvimento e integração: este é o binômio proposto pelo Papa para enfrentar hoje o desafio das migrações. Mas um dos pontos que mais chamou a atenção dos participantes foram os quatro verbos indicados por Francisco que devem ser conjugados quando o assunto é migração: acolher, proteger, promover e integrar.
Entre os participantes, havia inúmeros brasileiros, como a religiosa Ir. Rosa Martins, que falou da contribuição do Brasil neste Fórum. Ouça acima a entrevista, em que a scalabriniana também conta o que falou e ouviu do Papa Francisco ao saudá-lo.
(from Vatican Radio)

Nasa anuncia descoberta de novo sistema solar com sete planetas

Heloisa Cristaldo* - Repórter da Agência Brasil
A agência espacial norte-americana, Nasa, anunciou hoje (22) a descoberta de um sistema solar com sete planetas de tamanhos semelhantes ao da Terra. Informações preliminares apontam que o  sistema está localizado em zona habitável, apresenta condições climáticas adequadas, estruturas rochosas e a possibilidade de conservar água em estado líquido em sua superfície. Os resultados foram divulgados em entrevista coletiva na sede da agência, em Washington, e publicados na revista Nature. A descoberta estabelece um novo recorde no número de planetas, em zonas habitáveis, encontrados em torno de uma única estrela fora do nosso sistema solar.
O sistema de planetas batizado de Trappist-1 está localizado a cerca de 40 anos-luz (378 trilhões de quilômetros) da Terra, na Constelação de Aquário. Por estarem fora do nosso sistema solar, são conhecidos cientificamente como exoplanetas. De acordo a Nasa, a revelação pode ser uma peça importante no quebra-cabeças da busca por lugares habitáveis no universo.
“Nós temos descoberto muitos exoplanetas, que são planetas em outros sistemas solares, e a grande novidade dessa descoberta é que são planetas do tamanho da Terra, que estão orbitando uma estrela a 40 anos luz daqui. Pode ser que tenha água nesses planetas, e, se tiverem, sendo do tamanho da Terra, pode ser que sejam habitáveis, mas ainda há muito o que descobrir”, disse Rosaly Lopes, cientista no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa e gerente de Ciência Planetária, em Pasadena, Califórnia.
Estrela ultrafria
Os dados da descoberta foram coletados com o telescópio infravermelho Spitzer. A equipe da agência espacial norte-americana mediu os tamanhos dos sete planetas e desenvolveu as primeiras estimativas das massas de seis deles. Em contraste ao Sol, a estrela Trappist-1 foi classificada como ultrafria. Os planetas estão próximos uns aos outros e poderiam ser vistos a olho nu de seus vizinhos. Segundo a Nasa, poderiam parecer maiores do que a lua no céu da Terra.
Os estudos apontaram que o mesmo lado dos planetas estão sempre voltados para a estrela, causando dias ou noites permanentes. Isso significa que os planetas têm padrões de tempo completamente diferentes da Terra, como fortes ventos soprando do dia para noite e mudanças extremas de temperatura.
Segundo a Nasa, os primeiros indícios de existência dos exoplanetas foram detectados em maio de 2016, pelo telescópio espacial Hubble. Os estudos sobre o novo sistema planetário serão reforçados com o lançamento do novo telescópio espacial James Webb, previsto para ocorrer em 2018. Com sensibilidade muito maior, o Webb poderá detectar informações químicas de água, metano, oxigênio, ozônio e outros componentes da atmosfera dos planetas. O novo telescópio também analisará as temperaturas dos globos e as pressões de sua superfície, fatores-chave na avaliação de sua capacidade de habitação.
*Com informações de Paola de Orte,  correspondente da EBC em Washington