Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 3, 2018

Reflexões Pascais

domtotal.com A Páscoa de Jesus Cristo é um hino ao amor de Deus, desde sempre mais forte que a morte. A morte e ressureição de Jesus estão alinhavadas no projeto de salvação de Deus para a humanidade.  (Bruno van der Kraan/ Unsplash) Por Tânia da Silva Mayer*

Com sabedoria, a Igreja celebra as festividades mais importantes para a fé ao longo dos oito dias subsequentes às festas do Natal e da Páscoa. Mistério tão grande não pode ser esgotado, é preciso, pois, tempo para ser ruminado, a fim de que encontre eco nos corações daqueles e daquelas que o celebram. Ainda nesta oitava pascal, propomos mais essa reflexão sobre os acontecimentos fundadores de nossa fé cristã. A Páscoa de Jesus Cristo é um hino ao amor de Deus, desde sempre mais forte que a morte. Somente o amor foi e é capaz de superar as fronteiras e devolver a dignidade da vida que o pecado furtou. Desse amor desmesurado ninguém pode nos distanciar ou separar. O enfrentamento e a superação do mal, do pecado e, por fim, da morte de…

Relação de Abraham Lincoln com o filho morto inspirou o livro vencedor do Booker Prize

Contista renomado, o americano George Saunders não planejava escrever um romance tão cedo, mas uma história o perseguiu durante pelo menos duas décadas: a de que o presidente Abraham Lincoln (1809-1865), inconformado com a morte, por tifo, de seu filho Willie, de 11 anos, visitou o túmulo em uma noite de fevereiro de 1862 e embalou o cadáver. “A trama era cativante demais”, diz ele.
O resultado não poderia ter sido mais bem-sucedido. Publicado no ano passado, Lincoln no limbo venceu o Booker Prize, o mais prestigioso prêmio da literatura em língua inglesa. E o romance ganha agora versão em português, pela Companhia das Letras.
Mais que o ponto de partida por si só instigante, o que impressionou o júri foi a original opção de linguagem adotada por Saunders: em vez da prosa realista, a narrativa se apresenta como uma interessante colcha na qual foram costurados depoimentos de pessoas envolvidas na trama, resultando em um romance polifônico. Na verdade, são as vozes dos fantasmas que, co…

Aplicativo desenvolvido por cearenses facilita a organização de casamentos

Uma plataforma desenvolvida por cearenses tem facilitado a vida de noivos de todo o país, com serviços inéditos na organização de casamentos. O aplicativo Willu tem o objetivo de facilitar a vida de muitos casais. O idealizador do aplicativo, Leonardo Rocha, destaca como meta principal dessa plataforma a sensação de comodidade na organização para os novos casais. “A ideia é facilitar, e o acesso é muito fácil”. Para utilizar o aplicativo basta acessar o site e inserir algumas informações principais como nome, email e fotos. “Funciona como uma rede privativa do casal e dos convidados”.  Ele já está disponível para download em Android e iOS, também podendo ser acessado pelo site. Uma das principais ferramentas que tem na plataforma é a lista de presentes virtual. “O convidado compra o presente dos noivos no site personalizado através da plataforma, mas o presente é fictício. O que chega para os noivos é o dinheiro. Isso é uma tendência muito forte no mercado, porque faz com que os noiv…

Série de livros fala sobre criação musical brasileira

por Roberta Souza - Repórter Fausto, Lenine, Flávio Venturini e Ednardo são alguns dos compositores contemplados na série Jezebel, Calcutá, Alah meu only you... As palavras que ilustram a canção "Zanzibar", parceria do cearense Fausto Nilo com o baiano Armandinho, d'A Cor do Som, podem guardar um significado - ou não. A história da composição dessa e de outras 39 canções nacionais podem ser conferidas no volume 4 do livro "Então, foi assim? Os bastidores da criação musical brasileira", do pesquisador, produtor multimídia, escritor e radialista Ruy Godinho. Ele estará em Fortaleza para o lançamento da obra nesta quarta (4), a partir das 19h, na Escola Porto Iracema das Artes, numa roda de conversa com Fausto, Mona Gadelha, Isaac Cândido e Aparecida Silvino. A série é resultado de uma pesquisa iniciada em 1997, quando o radialista e Adriane Lorenzon produziam o programa "Estação Brasil" para a Rádio Cultura de Brasília. Um dos quadros era "A origem …

Obras do escritor argentino Julio Cortázar na Companhia das Letras

por Guilherme Sobota - Agência Estado O escritor argentino Julio Cortázar: a Companhia das Letras avalia que o autor passa por um momento de redescoberta. "Ele começa a ser lido de um jeito inédito, menos automático e reverente", diz o editor Emilio Fraia A coleção Julio Cortázar na Companhia das Letras começará com a publicação, inédita no Brasil, de uma reunião de todos os contos do escritor argentino, em um box caixa, em dois tomos, segundo a nota da editora. Depois, serão lançadas novas edições de "O jogo da amarelinha" (1963), "Bestiário" (1951), "Final do jogo" (1956), "As armas secretas" (1959), "Todos os fogos o fogo" (1966), "Octaedro" (1974), "Queremos tanto a Glenda" (1980), "História de cronópios e de famas" (1962), "Um tal Lucas" (1979), "Os autonautas da cosmopista" (1983), "Os prêmios' (1960), "62 modelo para armar" (1968), "Divertimento&…

Caixa Cultural recebe peça em homenagem à escritora Clarice Lispector

Aos 22 anos, recém-saída da escola de teatro, Rita Elmôr estava decidida a levar Clarice Lispector (1920-1977) aos palcos. Sem dinheiro para tocar o projeto autoral, a atriz teve de vender o próprio carro para conseguir realizar a produção. Assim nasceu Que mistérios tem Clarice, um sucesso que rendeu para a paulistana radicada no Rio a indicação do Prêmio Shell de melhor atriz. A repercussão correu o País e, após três anos de intensa circulação entre 1998 e 2000, Rita resolveu tocar sua carreira além-Lispector. O laço entre as duas, porém, nunca se rompeu. Tanto que na próxima quinta-feira, Rita sobe ao palco da Caixa Cultural em novo trabalho sobre a autora de A hora estrela. A peça Clarice Lispector e Eu - O mundo não é chato faz curta temporada até domingo. “Depois desse primeiro espetáculo, fiz outras peças, TV, cinema. Obviamente me afastei da Clarice, porque estava envolvida com outras coisas. Mas aí eu comecei a acompanhar um evento curioso: minha imagem sendo confundida com …

Como Leonardo da Vinci pintou todos nós no seu quadro 'A Última Ceia'

A Última Ceia' de Leonardo da Vinci é sua obra cristã mais reproduzida e talvez de toda arte cristã. ‘A Última Ceia’, Leonardo da Vinci (Reprodução) Por Terrance Klein
Há duas coisas que todos devem saber sobre as pinturas de Leonardo da Vinci. Elas ajudam você a apreciar tanto seu gênio quanto suas obras-primas.
Primeiro, Leonardo não pintou em linhas. Ele não adicionou cor aos esboços de linhas como muitos outros pintores. O mestre florentino percebeu que não há linhas na natureza. A mente humana as impõe, pois percebe mudanças sensoriais. A natureza não apresenta uma linha que define um limite entre a janela e o marco da janela. É assim que nossa mente organiza nossas percepções, o que é uma sorte porque de outra forma tudo o que podemos ver seria um caos sem sentido, muito parecido com a visão de um recém-nascido ou de um animal inferior.
Se você olhar atentamente para uma pintura de Leonardo, verá que suas cores se sobrepõem. Uma cor gradualmente dá lugar a outra, de modo que …