Reflexões Pascais

domtotal.com
A Páscoa de Jesus Cristo é um hino ao amor de Deus, desde sempre mais forte que a morte.
A morte e ressureição de Jesus estão alinhavadas no projeto de salvação de Deus para a humanidade.
A morte e ressureição de Jesus estão alinhavadas no projeto de salvação de Deus para a humanidade.
 (Bruno van der Kraan/ Unsplash)
Por Tânia da Silva Mayer*

Com sabedoria, a Igreja celebra as festividades mais importantes para a fé ao longo dos oito dias subsequentes às festas do Natal e da Páscoa. Mistério tão grande não pode ser esgotado, é preciso, pois, tempo para ser ruminado, a fim de que encontre eco nos corações daqueles e daquelas que o celebram. Ainda nesta oitava pascal, propomos mais essa reflexão sobre os acontecimentos fundadores de nossa fé cristã. A Páscoa de Jesus Cristo é um hino ao amor de Deus, desde sempre mais forte que a morte. Somente o amor foi e é capaz de superar as fronteiras e devolver a dignidade da vida que o pecado furtou. Desse amor desmesurado ninguém pode nos distanciar ou separar. O enfrentamento e a superação do mal, do pecado e, por fim, da morte deve animar nossa esperança e encorajar nossa luta por um mundo transformado pela paz e pela justiça, um mundo cujas relações se fundamentem na defesa irrestrita da vida, sobretudo de uma vida plena e abundante.

A morte e ressureição de Jesus estão alinhavadas no projeto de salvação de Deus para a humanidade. A fim de evitarmos exageros, elas devem ser compreendidas na esteira do Reino de Deus, do seu anúncio e inauguração mediante as palavras e ações proféticas e libertadoras de Jesus. Como sabemos, a postura de Jesus diante de Deus e das pessoas, em virtude da proximidade do Reino de Deus, será a mola propulsora que fomentará a rejeição, a condenação e a morte violenta sofrida pelo Nazareno, da qual muitas pessoas se tornam solidárias pela peregrinação na via crucis da existência. Por outro lado, a ressurreição do Senhor é sinal fecundo para a humanidade, à luz daquilo que o Reino é para a história, isto é, ajustamento e participação na maior vida de Deus, graças a iniciativa gratuita e amorosa Dele.

Nesse sentido, ainda do meio de tão grande dor, de números exponenciais de violências e mortes de inocentes, do roubo de direitos fundamentais e da usurpação da dignidade humana, ainda é possível desejar uma páscoa feliz aos que nos são próximos. No entanto, não é possível fazê-lo alijados e alijadas do compromisso com a transformação das realidades de menos em vida em espaços nos quais prevaleça o respeito e a justiça como frutos do amor ensinado por Jesus. Quem não é capaz de amar o outro naquilo que ele é e quem não se dispõe ao serviço dos irmãos e irmãs, não se decidiu pelo Reino e não se deixou confrontar pela promessa de plenificação do mundo, da história e do ser humano. Que os cristãos e as cristãs sejamos capazes de desejar uma feliz páscoa ao mundo, a partir do testemunho do amor da Cruz que, ainda que seja denúncia contumaz da maldade dos homens, é revelação do amor que celebra a vida, acreditando e lutando para que ela seja melhor, e será!

*Tânia da Silva Mayer é mestra e bacharela em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE); graduanda em Letras pela UFMG. Escreve às terças-feiras. E-mail: taniamayer.palavra@gmail.com.

Comentários

Mais Visitadas

Amigos e familiares relembram Patativa do Assaré em especial na TV Verdes Mares

Ednardo deve ser atração no Réveillon de Fortaleza

Campanha "Eu Te Dedico", lançada pelo Verso, incentiva declaração de amor aos livros