Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

23 de novembro de 2016

Psicólogas querem trabalho continuado contra pressão

por Ivan Bezerra - Repórter
Image-0-Artigo-2163699-1
Liana Benício ao centro, ladeada por Nara e Ruanna, insiste na importância do trabalho psicológico no esporte para formar cidadãos. A equipe segue fazendo o trabalho no Pici mesmo nesse período de transição no comando do clube ( Foto: Kid Jr. )
Em um clube já estigmatizado por efeitos psicológicos em momentos decisivos da Série C do Brasileiro, o Fortaleza começa a dar atenção especial ao trabalho de psicologia no clube. A intenção da psicóloga do profissional, Liana Benício Castro é tornar a sua área de atuação tão corriqueira no Leão quanto o trabalho dos fisioterapeutas, médicos, preparadores físicos, etc.
Com a participação do psicólogo do Sport de Recife, Murilo Calafange, Liana Benício Castro e a psicóloga Tárcia Ramos, promoveram um curso de Psicologia do Esporte, que contou com a participação não apenas de profissionais da área, mas técnicos de futebol, preparadores de goleiros e vários outros membros de comissão técnica para passar informações sobre o assunto.
Um dos pontos mais enfatizados no curso é o de que a psicologia pode ajudar em muito a melhorar o rendimento do atleta e não apenas isso, mas a formá-lo como cidadão.
Longo prazo
O trabalho psicológico, como disse Liana é a longo prazo e para se conseguir atingir as metas não existem sessões milagrosas de motivação.
O Tricolor do Pici hoje conta com três profissionais da área, Liana Benício, Nara Alciane e a estudante de psicologia , Ruanna Bruno. Somente Liana atua no futebol profissional, desde junho deste ano, mas antes já teve experiência nas categorias de base, afora trabalhar em outras modalidades esportivas. As outras estão realizando trabalhos na base há um ano
Durante o ano de 2016, em que o Fortaleza lutou novamente para tentar o acesso à Série B e não conseguiu, Liana Benício atuou no elenco profissional, realizando dinâmicas de grupo e procurando trabalhar a ansiedade dos jogadores. Mas, ela ressalta que tudo tem que ser feito continuadamente para se conseguir os resultados esperados. "Essa situação do Fortaleza de sete anos na Série C é usada por nós como uma oportunidade de se superar isso. Existem vários fatores, como o estádio com 63 mil pessoas. Não tem jogador que não sinta a pressão, mas ele tem que estar preparado, pois faz parte da vida dele", disse ela.
Diário do Nordeste

Índia cria app que permite contratar alguém para ficar na fila do banco

Bancos e caixas eletrônicos registram longas filas depois de o governo retirar de circulação cédulas de 500 rúpias. (Foto: Reuters)Para aqueles que não gostam de esperar nas filas dos bancos indianos uma start-up criou um sistema que possibilita alugar alguém para aguardar em seu lugar.
Há duas semanas, os bancos da Índia, país de 1,2 bilhão de habitantes, registram longas filas após a decisão do governo de retirar de circulação as cédulas de 500 e mil rupias (6,5 e 13 euros).
Uma start-up de Nova Délhi divulga um sistema que permite alugar alguém para esperar na fila ao preço de 90 rupias (1,2 euro por hora) pelo tempo máximo de oito horas.
A empresa, chamada BookMyChotu, oferecia originalmente auxiliares temporários para pequenas tarefas, mas se adaptou à nova situação nos bancos, onde milhares de pessoas formam filas diante da escassez de dinheiro em papel, em uma país onde 90% das transações acontece em espécie.
"Você está com pouco dinheiro? Precisa de alguém para ficar na fila de um banco ou caixa eletrônico até chegar a sua vez?", questiona o anúncio da empresa no Facebook.
O serviço está disponível apenas em Nova Délhi e suas cidades satélite.
G1

Novo acordo de paz da Colômbia deve ser assinado amanhã

O governo da Colômbia e as Farc definiram nesta terça-feira (22) que vão assinar na próxima quinta (24), em Bogotá, seu novo acordo de paz, concluído há 10 dias em Havana e que será referendado pelo Congresso.
As delegações de representantes das duas partes, que se reuniram na capital colombiana, divulgaram um comunicado conjunto no qual marcaram a assinatura do documento para o Teatro Colón às 11h (hora local; 14h de Brasília).
Além disso, as partes decidiram que o novo acordo será referendado pelo Congresso colombiano e estão "definindo os procedimentos que serão utilizados para este propósito".
"A consolidação da paz requer que avancemos com passo firme rumo à implementação dos acordos que permitam superar tantos anos de conflito na Colômbia", especificaram as partes.
O ato da quinta-feira será liderado pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e pelo principal chefe guerrilheiro das Farc, Rodrigo Londoño Echeverry, conhecido como "Timochenko", que está desde segunda-feira (21) em Bogotá junto com o restante da cúpula do grupo.
Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia, e Rodrigo Londoño, chefe das Farc, se cumprimentam nesta segunda-feira (26) após assinar o acordo de Paz em Cartagena (Foto: Fernando Vergara/AP)Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia, e Rodrigo Londoño, chefe das Farc, se cumprimentam após primeiro acordo Paz em Cartagena, rejeitado por referendo (Foto: Fernando Vergara / AP Photo)
Com a assinatura do novo acordo, a Colômbia põe fim a mais de meio século de conflito armado interno que deixou pelo menos 220 mil mortos e mais de sete milhões de vítimas.
O governo e as Farc assinaram no dia 26 de setembro em Cartagena um primeiro acordo de paz depois de quase quatro anos de negociação em Havana.
No entanto, o texto final foi rejeitado pelos colombianos no plebiscito de 2 de outubro, o que obrigou a reabertura da negociação para incorporar propostas dos promotores do "não" nessa consulta.
G1

Jovem confundida com Madeleine McCann em Roma é identificada

Resultado de imagem para Jovem confundida com Madeleine McCann em Roma é identificadaA menina de rua encontrada em Roma e que havia sido confundida com a britânica Madeleine McCann, desaparecida desde 2007, foi identificada.
Após a divulgação dos boatos de que ela poderia ser Madeleine, a polícia a levou para a delegacia com o objetivo de descobrir sua origem. Fontes das forças de segurança dizem que trata-se de uma sueca de 21 anos que estava sumida desde maio passado.
Além disso, um homem, também sueco, procurou o jornal britânico "Daily Mail" para afirmar que a menina de rua é sua filha e se chama Embla Jauhojärvi. Natural de Estocolmo, a jovem teria se transferido para Roma seis meses atrás para estudar italiano.
Segundo o homem, identificado como Tahvo, ela sofre de síndrome de Asperger, um transtorno comportamental similar ao autismo. Agora a polícia trabalha para encontrá-la novamente, após tê-la liberado depois do interrogatório.
Nas ruas de Roma, Jauhojärvi dizia se chamar Maria e não carregava passaporte, se comunicando apenas em inglês. Isso deu combustível à hipótese de que pudesse ser Madeleine McCann, que desapareceu em Portugal em 2007, quando passava férias com sua família na Praia da Luz. Contudo, a britânica teria hoje 13 anos de idade.
ANSA

Mais da metade do mundo não usa a internet

Mais da metade da população mundial não usa a internet devido ao custo proibitivo da banda larga, afirma um relatório das Nações Unidas divulgado nesta terça-feira em Genebra.
A União Internacional de Telecomunicações da ONU (ITU, siglas em inglês) disse que cerca de 3,9 bilhões de pessoas não têm acesso à internet em casa ou no celular, e que o problema é maior entre as "mulheres, os idosos, as pessoas menos educadas, com rendas mais baixas e os moradores de zonas rurais".
A ITU destaca que o maior obstáculo é o custo do acesso à banda larga, que apesar de ter ficado mais barata nos últimos dez anos, continua sendo "claramente inacessível" em muitos países pobres.
Em 2008, o preço médio de uma conexão fixa de banda larga no mundo era de 80 dólares mensais, uma tarifa que caiu para 25 dólares no ano passado, segundo a organização.
No entanto, nos países mais pobres, um pacote mensal de banda larga fixa com apenas um gigabyte de dados - que é aproximadamente a quantidade necessária para baixar um filme - ainda custa mais da metade de um salário médio anual.
A internet em dispositivos móveis pode ser uma solução para ampliar o acesso, disse a ITU, observando que as redes de banda larga móvel cobrem tecnicamente 84% da população mundial.
Mas para muitos, o custo do aparelho é a maior barreira econômica para o acesso à internet móvel, de acordo com a organização.
"Em 2016, as pessoas não ficam mais on-line, elas estão on-line", diz o relatório.
"No entanto, muitas pessoas ainda não estão usando a internet, e muitos usuários não se beneficiam plenamente do seu potencial", acrescenta.

AFP

*O DomTotal é mantido pelas instituições de ensino Dom Helder Escola de Direito e Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Saiba mais!

Novembro Negro inicia 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra Mulheres

Sayonara Moreno – Correspondente da Agência Brasil
bahia
A Bahia terá 21 dias de campanha e o foco é o combate à violência contra a mulher negra, incluindo o racismo    Sayonara Moreno/Agência Brasil

Uma das programações do Novembro Negro, em Salvador, movimentou a noite desta terça-feira (22), durante a última edição de 2016 do projeto Mulher Com a Palavra, da Secretaria Estadual de Políticas Para as Mulheres. O evento marcou, também, o início das atividades da campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Segundo a secretária de Política para as Mulheres da Bahia, Olívia Santana, o estado terá 21 dias de campanha: cinco a mais que o restante do Brasil como forma de focar no combate à violência contra a mulher negra, incluindo o racismo. Santana destacou que, na Bahia, a taxa de feminicídio de mulheres brancas é de 2,4 para cada 100 mil mulheres, enquanto que, entre as negras, o índice sobe para 5,9/100mil.
“Todas as mulheres enfrentam o machismo, mas só as negras enfrentam o racismo, porque nós, mulheres negras, chegamos ao Brasil na condição de mercadoria, não com autonomia e capacidade de decidir a nossa própria história. Então, o movimento feminista é importantíssimo para a história das mulheres. As contribuições que as feministas brancas deram, ao longo dessa história, são fundamentais e incontestáveis”, destacou a secretária ao explicar o surgimento do movimento feminista entre as mulheres brancas europeias.
“Entretanto, é preciso compreender a necessidade de pensar outras dimensões do feminismo e em outras mulheres”, disse ela ao explicar a importância do feminismo negro, já que, afirmou, as mulheres negras têm demandas e necessidades diferentes das não negras”, explicou.
Mulher com a Palavra
A edição do projeto Mulher com a Palavra trouxe, além da secretária, a jornalista mediadora Rita Batista, as cantoras Preta Gil e Mc Carol e a poetisa, atriz e cantora Elisa Lucinda. Com o tema Feminismo Negro, Geração Tombamento e Outras Gerações, a roda de debates foi  composta por maioria de mulheres negras, estudantes ou integrantes de movimentos sociais feministas e do movimento negro.
As convidadas Preta Gil e Mc Carol relataram histórias de racismo das quais foram vítimas e destacaram a importância de a mulher negra - mesmo que com auto-estima e sem se abalar com a situação - denunciar casos de injúria racial ou racismo.
O lugar político da mulher negra foi outro assunto de destaque durante o bate-papo. Todas as integrantes da mesa deram ênfase à importância de a mulher negra ter espaços historicamente ocupados por pessoas brancas, inclusive no universo intelectual e da literatura, como o caso da escritora Elisa Lucinda, também atriz.
“Para a mulher negra, ter o poder da palavra também é fundamental. Porque o Brasil faz uma exclusão permanente de conteúdo, faz as pessoas acreditarem que só queremos [pessoas negras] onde tem samba, que este tipo de debate não é para a gente”, destacou Elisa Lucinda.
Com bom humor, linguagem acessível e irreverência, Mc Carol, natural de Niterói-RJ, contou sua história de vida na periferia da cidade fluminense e sua trajetória até entrar no funk, com letras politizadas, feministas e com aparência que foge dos padrões estéticos impostos pela indústria artística e da moda.
“Sou preta, da favela e gorda. Além disso, 100% feminista”, declarou a artista, que é considerada uma integrante da Geração Tombamento, expressão que representa a juventude negra atual. O grupo vem se politizando sobre seus direitos, sobre a quebra de padrões e na cobrança pela representatividade nos espaços sempre ocupados, até então, por pessoas brancas, sobretudo homens.

Teatro explica crise migratória a crianças

A crise dos refugiados é explicada aos mais novos através de uma peça de teatro entre esta terça-feira, 22 de novembro, e o próximo domingo, dia 27, na sala Mário Viegas do Teatro Municipal de São Luiz, em Lisboa. De terça a sexta-feira o espetáculo inicia às 10h30. Aos sábados e domingos pode ser visto a partir das 16h00.

Destinado a maiores de dez anos, a peça «Do bosque para o mundo» inspira-se nas histórias tradicionais que provocam medo naqueles que as escutam, mas que têm o propósito de «preparar» os seus ouvintes para os problemas do mundo. «Do bosque para o mundo» é também um espetáculo inspirado em histórias com capacidade para confrontar aqueles que as conhecem com a dureza e a coragem: «histórias como as de muitas crianças refugiadas que atravessam países, à deriva, entre a vida e a morte», explicam os seus promotores.

A peça «Do bosque para o mundo» conta com a encenação de Miguel Fragata, texto de Inês Barahona e interpretação de Anabela Almeida e Manuela Pedroso. O desenho de luz está a cargo de José Álvaro Correia, a cenografia e figurinos são da responsabilidade de Maria João Castelo. A música original é de Teresa Gentil e a produção executiva de `Formiga Atómica´.

Fátima Missionária

Milagre do Sol inspira exposição no Santuário de Fátima

Exposição sobre Milagre do Sol estará aberta ao público por dois anos

Resultado de imagem para Milagre do Sol inspira exposição no Santuário de Fátima
Da redação, com Santuário de Fátima
O Santuário de Fátima vai inaugurar no próximo dia 26 de novembro a exposição temporária evocativa da aparição de Nossa Senhora em outubro de 1917.
Sob o título “As cores do Sol: a luz de Fátima no mundo contemporâneo”- Exposição temporária evocativa da aparição de outubro de 1917 – no Ano Jubilar do Centenário das Aparições de Fátima, estará patente ao público no espaço chamado Convivium de Santo Agostinho, piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade, de 26 de novembro de 2016 a 31 de outubro de 2018, todos os dias das 9h00 às 19h00.
Tomando como matéria histórica o dia 13 de outubro de 1917 e os relatos diretos e indiretos sobre o Milagre do Sol, a exposição pretende recriar, através de vários mecanismos sensoriais, cenários relacionados com a paisagem do dia da última aparição da Virgem Maria em Fátima. A partir desta memória, o visitante terá consciência de que o Milagre do Sol não foi o momento de clausura da história das aparições, mas o dia inicial de uma história em que o peregrino passa a ser verdadeiro protagonista.

Peças cedidas

A exposição, que estará aberta no ano do centenário é a mais ambiciosa que o Santuário de Fátima já promoveu e conta com peças cedidas, em regime de empréstimo, por colecionadores particulares e por instituições eclesiais (paróquias e museus diocesanos) e do mundo civil, entre as quais o Museu da Fundação Calouste Gulbenkian e o Núcleo de Documentação e Arquivo da Direção de Serviços de Documentação, Comunicação e Relações Públicas do Ministério da Economia.
Através da linguagem da museologia, obras de arte e outros testemunhos materiais de diferentes épocas históricas dialogam em ordem a um discurso que levará a interpretar o papel de Fátima no mundo contemporâneo.
A exposição está organizada como um itinerário espiritual dos peregrinos cristãos em sete núcleos:
O eclipse do Sol: Deus jaz apartado da humanidade
A Lua preside à noite: os discursos e as figuras dos céus de Fátima
O brilho da Lua manifesta a luz do Sol: em Fátima, Maria apresenta Cristo
A forma da Lua: a sintética linguagem do coração
A luz configura o lugar: o Santuário como perímetro para todas as periferias
Uma constelação de luzeiros: a experiência de Fátima como ardente clareira
O astro que não tem ocaso: o ser humano, lugar íntimo (sacrário) de Deus
Com produção do Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, comissariado e museologia a cargo de Marco Daniel Duarte, arquitetura de Joana Delgado e design de Inês do Carmo, a exposição tem entrada livre.