21 de junho de 2018

VASO DE FLORES E ROSAS

Carlos Delano Rebouças*


Acredita-se que quando se vê uma casa às escuras, com suas janelas e portas sempre fechadas, mesmo sendo habitada, pode ser um sinal de que ali têm moradores merecedores de uma atenção especial.

Voltemos à origem da vida. Somos concebidos e passamos longos nove meses no ventre de nossas mães a espera do dia de virmos ao mundo. Expectativas de todas as partes - pais, parentes, amigos, vizinhos - aliás, de todos que acompanharam todo o processo vivido, e, principalmente, do bebê, que não ver a hora de abrir seus olhinhos e enxergar o mundo que lhe foi oferecido, absolutamente. Assim nascemos para a vida em plena liberdade.

Essa tal liberdade, tão almejada, em muitos casos, é castrada pelas mais diferentes razões. Questões de justiça, por exemplo, quando se comete algum crime e que deve cumprir a pena atribuída, ou de doença, também, refém de um leito de hospital, podem restringir o direito de socialização de muita gente. Leva a se conduzir uma vida de forma restrita, fechada, sem aproveitar o mundo e suas belezas como foi sonhado.

Contudo, nem sempre uma prisão ou um hospital significam os calabouços de tantas pessoas que evitam o mundo, as pessoas e as relações. Muita gente tem aparentemente toda a liberdade que Deus lhe deu, desde seu nascimento; muitos, jamais, entraram numa delegacia, quiçá numa penitenciária, para fazer sequer uma visita, mas preferem se fechar para a vida, para o mundo, passando a viver o seu mundo, maquiado com um vaso de flores e rosas na frente de sua casa, fechada, querendo respirar, como a sua vida.

Esse vaso de flores e rosas pode não exalar o cheiro da liberdade. Tem até quem prefira as flores de plástico, porque não morrem, não é Titãs? Mas ninguém nega que são belas, mesmo que sincronicamente não permitam que sua beleza seja admirada, por se fecharem, ou, quem sabe, por murcharem antes do tempo, pela falta de alegria de viver. 

Ornamente a sua vida com prazer, e que tenha o mesmo para viver. A felicidade e o prazer pela vida têm seus estímulos de dentro para fora, também de sua casa, confirmando-se no vaso de flores e rosas no seu jardim. Abra-se para a vida, permita-se. Encha o seu peito de ar, purifique-se. Respire profundamente e estampe um belo sorriso no rosto, sempre. Jamais deixe que as flores e as rosas que colocaste no vaso, no seu jardim, murchem com a sua vida. Elas não são de plástico.

Ilumine-se, sempre, com a luz que lhe foi dada quando nasceste para o mundo de todos nós, na certeza que chegaste para ser feliz, e que, em nenhum momento e por hipótese alguma, deixará de regar com entusiasmo o jardim de sua vida.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Atriz Ingra Lyberato lança livro O Medo do Sucesso no FVA

Aos 23 anos, a atriz Ingra Lyberato viu seu nome ganhar repercussão nacional após participar da novela Pantanal e logo em seguida protagonizar A História de Ana Raio e Zé Trovão, recordistas de audiência da Rede Manchete. Àquela altura, porém, a artista baiana não sabia lidar com tamanha exposição. “Eu não estava preparada, nunca busquei a fama”, conta, hoje aos 51, em entrevista ao O POVO. Essa e outras situações da carreira de Ingra foram levadas para O medo do sucesso, livro que será lançado pela autora durante o Festival Vida&Arte.
Com mediação do jornalista Émerson Maranhão, a atriz apresentará a obra no sábado, 23, às 17h30min, no Bistrô Osheanic. “Tenho feito alguns lançamentos pelo Brasil para dividir com o público como foi esse processo de despertar para o medo de dar certo, o medo da expansão”, afirma. Ingra conta ter sido um “processo intenso de autoconhecimento e de cura” o ofício de escrita, atividade ainda nova – porém já permanente – em sua rotina. O projeto, antecipa, é lançar um segundo livro em breve. Dessa vez, será uma ficção com a espiritualidade em primeiro plano.
Todo esse ganho com o hábito da escrita, entretanto, só veio após a artista realizar um intenso mergulho interior. “Muita gente se sabota quando as coisas estão indo bem. A gente não aprendeu que a vida tende a dar certo e acha estranho. Nós mesmos interrompemos o nosso ciclo de abundância”, analisa.
No livro, Ingra narra com detalhes a própria experiência. Além dos sucessos na TV Manchete, ela integrou o elenco de novelas como A indomada (1997) e O Clone (2001), da Rede Globo. No cinema, atuou em filmes como O Cangaceiro (1997) e Valsa para Bruno Stein (2007), que rendeu à intérprete o prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado.
Apesar dos muitos êxitos, Ingra avalia que muitas vezes o temor de acertar falou mais alto. “O medo vem disfarçado de muitas maneiras e, nessa conversa com o público, dou dicas de como identificar e não recuar diante de uma grande oportunidade. É importante ter reconhecimento, gratidão e humildade para honrar o lugar que nos foi oferecido”, pondera.
A atriz pretende trocar experiências, cara a cara, com o público cearense. “Abro para perguntas, quero trocar com as pessoas. Muitas vezes, ali na hora (do lançamento do livro), alguém se conscientiza de que se sabota em algum setor da vida”. Espiritualizada, Ingra fala da importância da permanente busca por autoconhecimento. “Eu resolvi ser muito honesta comigo. No livro, eu me exponho de uma forma surpreendente até para mim. A minha intenção é realmente tirar as máscaras”, confia.
Ingra Lyberato no FVA
Quando: sábado, 23, 17h30min
Onde: Bistrô Osheanic, no Centro de Eventos do Ceará (av. Washington Soares, 999)
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) – válido para toda a programação do dia no evento (o acesso aos espaços estará sujeito a lotação). Ingressos antecipados à venda no site do evento, na recepção do Jornal O POVO (Av. Aguanambi, 282 – Joaquim Távora) e nas Lojas JEF Iguatemi e RioMar Fortaleza.
Programação completa: www.festivalvidaearte.com.br
O Povo

Instagram superou 1 bilhão de usuários

Logo do Instagram refletido em olho de mulher em Paris, na França, em 22 de março de 2018
O Instagram informou nesta quarta-feira que possui mais de um bilhão de usuários ativos, ressaltando o forte crescimento da rede social de propriedade do Facebook, focada no compartilhamento de fotos e vídeos.
O anúncio aconteceu em um evento organizado pelo co-fundador e diretor executivo do Instagram Kevin Systrom, que destacou uma nova função que permitirá aos usuários compartilhar vídeos de até uma hora de duração.

AFP

Inscrições Abertas para o 25º Prêmio CNH Industrial de Jornalismo

Há 25 anos, o Prêmio CNH Industrial de Jornalismo reconhece e prestigia o trabalho dos jornalistas que traduzem para o público os mais relevantes acontecimentos. E a partir desta edição, reconhecerá também fotojornalistas que ilustram esses temas.
O Prêmio mantém as categorias trabalhadas na última edição e, de forma inédita, premiará também as melhores fotografias publicadas em veículos de comunicação. Dessa forma, continuará a reconhecer reportagens econômicas e também fotografias que abordam os segmentos de atuação da CNH Industrial, com o objetivo de valorizar e reforçar a importância de cada um deles para o desenvolvimento do Brasil. São elas: Agronegócio, Macroeconomia, Construção e Transporte.
De acordo com o Edital, serão levadas em conta aquelas reportagens que se destaquem por:
Sua contribuição para uma reflexão sobre a conjuntura do país e o desenvolvimento dos setores: Agronegócio, Construção, Transporte e Macroeconomia;
Capacidade de tradução dos fatos em informação de qualidade para o leitor;
Seu papel social e histórico de prestação de serviços para o cidadão brasileiro em seu dia a dia;
Ineditismo e/ou originalidade da abordagem
As inscrições poderão ser efetuadas até o dia 31 de julho de 2018, apenas de forma eletrônica, por meio do site www.premiocnh.com.br.

Boa Notícia

Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...