Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 6, 2018

Cinema do Dragão do Mar atiça a paixão pela sétima arte em meio às férias

Primeiros dias de 2018 e um certo sentimento de reavaliação dos acontecimentos do ano passado ainda paira no ar. Para muitos, esse processo influencia na maneira como olharemos para o futuro. Decide sobre os passos dos próximos meses e alimenta as expectativas de novos ciclos. Para quem a agenda cotidiana é marcada pelo encontro com os filmes, o Cinema do Dragão se sobressai em janeiro com uma programação toda especial. Rever e apreciar apostas que estarão nas salas de cinema do País são alguns dos destaques da "Mostra Retroexpectativa", em cartaz no Centro Cultural Dragão do Mar (CDMAC) de quarta-feira (11), até 24 de janeiro. Ao todo, 63 produções de origem nacional e internacional integram a iniciativa. Para fins de organização e até mesmo conceituação, as obras estão divididas nas faixas "Retrospectiva", "Expectativa", "Clássicos" e a de cinema brasileiro, neste ano, sob o nome "Estado de Emergência", temática-chefe da Mostra.

Biblioteca abriga coleção de Rachel de Queiroz

por  Roberta Souza - Repórter Quase não se vê uma marca de leitura ou algum detalhe que identifique a quem pertenceram aqueles 2.800 livros e 263 periódicos. Rachel de Queiroz (1910-2003) pouco deixou vestígios nas obras de sua coleção pessoal que foram direcionadas à Biblioteca da Universidade de Fortaleza (Unifor) há exatamente um ano. Doadas pelo Instituto Moreira Salles (IMS), onde se encontravam desde 2006, elas carregam histórias. Revelam os gostos, o trabalho e os presentes de leitura que a escritora cearense juntou ao longo dos anos, e permitem um contato íntimo com aquela que foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras por sua vasta contribuição literária. Um total de 13 prateleiras abrigam a coleção de Rachel administrada pela Biblioteca da Unifor. Até agora, três foram catalogadas. Nelas, estão livros traduzidos e/ou escritos por ela, e muitos dedicados a ela, com recados de um ciclo intelectual de amigos muito conhecido por todos, a exemplo dos

Moreira Campos: quatro escritas, múltiplas histórias

Acessar o passado por meio de uma narrativa não ficcional pode ser uma experiência, senão enganosa, pelo menos incompleta. Não é caso de desqualificar o trabalho dos historiadores. Pelo contrário. O caso é que, para chegar a tais narrativas, os pesquisadores revolvem materiais de toda sorte e exercem um tipo de leitura, interpretativa, que dá valor ao fragmento, ao inacabado e, mesmo, ao silêncio. Um arquivo é, de certa forma, algo anterior a uma história e que permite originar uma infinidade de narrativas. "Você reúne materiais que podem ajudar a entender o processo de escrita, mas também outras coisas, como era a sociedade na época que o escritor viveu", explica Elisabete Sampaio Alencar Lima, doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Cultura da Universidade Federal da Bahia (UFBA), professora e pesquisadora. Ela é vice-curadora do Acervo do Escritor Cearense (AEC), da Universidade Federal do Ceará. O projeto é coordenado pela professora Neuma Cavalcante, cu

Preservação de acervos mantém memória literária

Manuscritos, presentes no Acervo do Escritor Cearense: iniciativas ajudam a preservar materiais que dão testemunho da vida criativa de autores, bem como sobre o seu tempo e a sociedade em que viveu (FOTO: THIAGO GADELHA) Max Brod recebeu uma missão ingrata de Franz Kafka. O escritor tcheco havia escolhido o amigo de infância como executor de seu testamento. Por orientação do documento, cabia ao próprio Brod a tarefa de queimar os manuscritos de Kafka, morto em 1924, quando contava apenas 40 anos. Brod não fez o que lhe foi pedido; se recusou a perpetrar o que considerou "um ato criminoso". O problema ético de sua recusa é debatido até hoje. Mais pacífico é o reconhecimento que ele salvou parte da obra de Kafka. Se hoje lemos "O Processo" e "O Castelo" - trabalhos que Kafka deixou inacabados, mas que integram seu cânone e têm um lugar destacado na história literária que vai além daquele reservado a meros rascunhos - deve-se a esse ato de traição. Max

Veja os indicados ao Globo de Ouro 2018

Vencedores serão conhecidos neste domingo (7), em Beverly Hills, dando início à temporada de premiações nos Estados Unidos. O filme 'A forma da água', de Guillermo del Toro, lidera com sete indicações ao todo. (Divulgação) Esta é a lista dos indicados às principais categorias da 75ª edição do Globo de Ouro, que será entregue no domingo em Beverly Hills, dando início à temporada de premiações nos Estados Unidos. Os prêmios concedidos pela Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood (HFPA, em inglês) são um termômetro para a disputa do Oscar. O filme "A forma da água", de Guillermo del Toro, lidera com sete indicações ao todo. O Globo de Ouro premia tanto produções do cinema como da televisão. CINEMA: Melhor filme drama: "Me chame pelo seu nome" "Dunkirk" "The Post: a guerra secreta" "A forma da água" "Três anúncios para um crime" Melhor filme comédia ou musical: "Artista do desastre

Ganhador da Palma de Ouro em Cannes está em cartaz nos cinemas

'The Square - A Arte Da Discórdia' está entre os destaques nas telonas brasileiras em mais um final de semana de férias. Cena do filme “The Square - A arte da discórdia". (Divulgação) Por Neusa Barbosa e Alysson Oliveira Veja um resumo dos principais filmes que estreiam nos cinemas do país. “THE SQUARE – A ARTE DA DISCÓRDIA” Vencedor da Palma de Ouro em Cannes 2017, o drama do diretor sueco Ruben Östlund (“Força Maior”) é um primor de composição e ritmo ao abordar alguns dos mais importantes temas contemporâneos. Seu protagonista é Christian (Claes Bang), um poderoso curador de um grande museu em Estocolmo. Christian tem poder e gosta de usá-lo neste universo dominado por tendências abstratas e grandes patrocinadores. A partir de um incidente comum, tudo muda. O curador é assaltado, mediante um golpe na rua. Rastreando a localização de seu celular num prédio num bairro distante, ele segue um plano mirabolante de um jovem subordinado, Michael (Christopher La