Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

9 de fevereiro de 2018

Amor Towles: enredo folhetinesco e detalhes de época

‘Um Cavalheiro em Moscou’ se tornou um best-seller, com 1 milhão de exemplares vendidos nos Estados Unidos

 
(./Divulgação)
Aleksandr Rostov é conde, e, portanto, suspeito aos olhos dos bolcheviques na Rússia de 1922. Conta a seu favor, porém, um poema de agitação política escrito em tempos pré-revolucionários. Os comissários do regime decidem que o conde, afinal, não merece ser fuzilado — mas será confinado em um hotel de Moscou, de onde observará as reviravoltas da história. O enredo folhetinesco e a boa mão para detalhes de época fizeram do romance Um Cavalheiro em Moscou (tradução de Rachel Agavino; Intrínseca; 464 páginas; 49,90 reais ou 34,90 reais em versão digital), do americano Amor Towles, um best-seller, com 1 milhão de exemplares vendidos nos Estados Unidos.

Fonte: Veja

58 anos após ser lançado, primeiro longa-metragem de Jean-Luc Godard reestreia nos cinemas

por Inácio Araujo - Folhapress
arte
Os atores Jean Seberg e Jean-Paul Belmondo em Acossado: montagem revolucionária
No primeiro dia de filmagem, estavam atores e equipe a postos, mas ninguém conseguia localizar o diretor. Algum tempo depois ele é encontrado num café, escrevendo as cenas que seriam rodadas naquele dia.
Esse início já diz bem sobre o resultado do primeiro filme de Jean-Luc Godard, "Acossado", que reestreou nesta quinta (8) nos cinemas, com distribuição da Zeta Filmes. Desde o primeiro dia, o diretor já trabalhava fora das regras da indústria. Nada de roteiro pré-escrito, nada de horários fixos. O filme seguia conforme a inspiração.
O produtor se inquietava e a opinião geral era de que o jovem diretor fazia uma obra que não seria possível montar.
Bem, o que sabemos depois disso é que a história do gângster Michel Poiccard - que rouba um carro, mata um policial, foge e namora uma jornalista americana - foi recebido de boca aberta pelo mundo do cinema. Não era apenas o talento, aquele tipo de traço leve, inconfundível, do cineasta. Era a montagem, absolutamente revolucionária, que rompia com a continuidade clássica de forma radical, suprimia tempos, criava uma dinâmica que ainda hoje preserva a atualidade. Essa montagem rimava bem com a narrativa fragmentária, com o gosto pela digressão, com a fotografia de Raoul Coutard, com a agilidade de Jean-Paul Belmondo, com a modernidade de Jean Seberg. Eram todos jovens, novos no ramo, acompanhavam Jean-Luc Godard em seu desejo de libertar o cinema de velhas amarras.
Sim, já naquele momento Godard fragmentava a narrativa, embora estivesse longe do que veio a fazer depois, razão pela qual este é o filme que mesmo os antigodardianos costumam admirar.
Se tivesse feito outros como esse... Mas essa não é a natureza de Godard: ali contrariava todas as regras predominantes no cinema francês da época para voltar a experimentar a liberdade que via nos filmes do cinema mudo (francês inclusive, talvez sobretudo).
Por exemplo: usava de maneira sistemática a câmera na mão, então uma novidade. Raoul Coutard era seu cúmplice na experimentação. Entre outras, usava filme fotográfico, de sensibilidade maior do que os filmes para cinema, para obter os efeitos desejados.
Mundo real
"Acossado" passa também a percepção de que o cinema precisa sair do gabinete (do estúdio, do roteiro, das regras fixas) para agregar a vida, o contato direto com o mundo.
Se contestava o cinema oficial ali, depois disso Godard trataria de contestar a si mesmo, filme após filme, como que fazendo da inquietude o centro de sua personalidade - e também do seu trabalho.
O exemplo mais evidente do caráter iconoclasta que ali começava a assombrar o cinema não está na tela. Existe ali um escritor que a jornalista americana vai entrevistar. O papel é de Jean-Pierre Melville, o célebre cineasta. Mas Godard queria que fosse ninguém menos que Céline, até hoje o mais maldito dos escritores malditos franceses (até hoje: mas estávamos a 14 anos do fim da Segunda Guerra).
Amostragem magistral do que seria uma obra indispensável, "Acossado" abre caminho a todas as mudanças pelas quais passaria o cinema daquela época. Hoje não falta quem ache Godard um chato. Pode ser. Mas, caramba, é dali que vem o que de melhor nossos olhos veem.

Diário do Nordeste

Escritor traduz 36 textos ficcionais breves de Kafka

por Dellano Rios - Editor de área
Image-0-Artigo-2360818-1
Desde 1995, a obra de Franz Kafka (1883 - 1924) se encontra em domínio público no Brasil. Isso ajuda a explicar, em parte, a grande quantidade de edições de obras do autor no País. Contudo, ainda que as editoras e os tradutores variem (assim como a qualidade das versões em português publicadas), costuma-se insistir nos mesmos títulos.
O problema não é tanto a redundância, mas as lacunas existentes. Afinal, Kafka é um dos grandes nomes da literatura do século passado. Sua influência e importância se estendem não apenas sobre as gerações seguintes de escritores (os de língua alemã, como ele, mas também os do Ocidente como um todo), como de filósofos. O alemão Günther Anders e a dupla Gilles Deleuze e Félix Guattari, para citar dois casos famosos, produziram monografias sobre o autor. A despeito dos muitos testemunhos acerca dos mértios do tcheco, continuamos sem ter, disponível no mercado brasileiro, a totalidade de suas narrativas breves. Também não dispomos de uma coleção de suas obras completas, sequer de sua ficção integral.
Neste cenário, livros como "Blumfeld, um solteirão de mais idade e Outras histórias" ganham um valor adicional. Lançado, no mês passado, pela Civilização Brasileira, o volume foi organizado pelo escritor Marcelo Brackes, que traduziu direto do alemão 36 histórias curtas de Kafka. Algumas delas, permaneciam inéditas em português.
Brackes organizou um coletânea que se propõe uma unidade. O tradutor escolheu as histórias segundo uma tese, explicitada no posfácio: "Kafka é sempre o mesmo". "Não importa sequer o gênero: em romances, contos, diários e cartas, Kafka é sempre o mesmo, marcado pelas mesmas vicissitudes, ausência de perspectivas e impossibilidade de se adequar ao mundo".
Estranhamento
É este estranhamento, a desnaturalização de cada mínimo ser, elemento e situação que têm contato com seus narradores, que torna Kafka tão sedutor para os filósofos. "O passageiro" (1913), por exemplo, se resolve em três parágrafos. Descreve a angústia de um sujeito, parado numa plataforma de trem, que se apresenta "completamente inseguro no que diz respeito à minha posição neste mundo". A presença de uma menina, que ele percebe quando o trem já se aproxima, é o suficiente para um quase colapso do narrador, uma implosão que supera a desconcertante tensão inicial.
O conto, aliás, dá conta de uma recorrência que Brackes aponta nas tramas kafkianas. Seus personagens estão cientes da existência do perigo (que, na maioria das vezes, não conseguem imaginar o que o represente) e não poucas vezes são engolidos por ele. O mundo, contudo, para piorar a condição desesperada do narrador, ou não percebe ou percebe e não se importa com o infortúnio que se abate sobre aquela pessoa.
São estranhas, em especial, algumas histórias que se assemelham a parábolas ou lendas de significado hermético. "O abutre" (1920) mostra um homem cujos pés são atacados pela ave. Ele fica entregue ao animal, até que um interlocutor se oferece para matar o abutre a tiros de espingarda. Mesmo quando se encerra, a história deixa a angustia das questões irremediavelmente abertas pelo autor.
Histórias
A classificação, conforme o gênero literário, é um problema complexo, que promete fazer o leitor não especializado tropeçar sob as próprias pernas e, o que é pior, acabar se aborrecendo com o livro aberto diante de si.
"Histórias" é uma saída esperta, para dar conta de contos, um drama ("O guarda da cripta", de 1916-1917, único do gênero escrito por Kafka e, até agora, inédito no Brasil) e de narrativas de uma página ou menos, imprecisas em sua natureza, como fragmentos para um texto não finalizado ou entradas de um diário.

arte
Diário do Nordeste

Convém pensar

Gonzaga Mota*

Segundo Voltaire: "Uma coletânea de pensamentos é uma farmácia moral onde se encontram remédios para todos os males". Dentro desta linha de raciocínio, sugiro ao leitor, para reflexão, concordando ou não, 14 citações de minha autoria: 1. É importante compreender que na vida qualquer ação deve ser realizada como se fosse o início, o final e a única vez. 2. A hipocrisia é uma atitude que revela a conduta dos fracos. 3. Os fundamentos éticos de uma justa nação formam a consciência crítica do cidadão. 4. A verdadeira liberdade encontra-se nas atitudes tomadas com dignidade. 5. Observar o futuro com paciência, coragem e fé é uma demonstração de sabedoria e maturidade.
6. Criticar sem um motivo verossímil é um comportamento desleal. 7. A arrogância, a inveja, a truculência e a vaidade são sentimentos frívolos, pois no mundo a ilusão prevalece. 8. Desde que na sua vida predomine o amor, ela não será breve, mas eterna. 9. A vitória sempre acontece quando as pessoas procuram uma travessia justa, solidária e verdadeira. 10. A esperança proporciona forças para se vencer as dificuldades e sofrimentos. 11. Na democracia a imprensa é para servir ao povo e não aos poderosos de plantão.
12. Pessoas que deveriam estar com a liberdade comprometida, não estão; outras que deveriam estar livres são prisioneiras. 13. Não faça julgamentos precipitados, pois a justiça é a base de qualquer sociedade. 14. Creia em Deus e tenha confiança em si mesmo; dessa forma serão abertos os caminhos para a felicidade. Assim disse Victor Hugo: "Admiro as pessoas que pensam, mesmo aquelas que pensam diferente de mim".

*Professor aposentado da UFC

O desafio do desodorante e outros perigos

A pesquisa no Youtube para “desafio do desodorante” mostra mais de 22 mil resultados. Vídeos como esses, que incitam a realização de “brincadeiras” perigosas, têm ganhado cada vez mais acessos de crianças e adolescentes. A morte de uma menina de 7 anos no último sábado colocou mais uma vez a influência desse conteúdo em evidência.
Adrielly Gonçalves deu entrada em uma Unidade de Pronto Atendimento de São Bernardo do Campo, em São Paulo, com parada cardiorrespiratória e não resistiu. Parentes da criança relataram que ela inalou desodorante aerossol ao tentar imitar vídeos que circulam na internet. Um laudo do Instituto Médico Legal vai detalhar as causas da morte.
Um levantamento informal do Instituto Dimicuida, feito por meio de relatos de familiares das vítimas e casos noticiados pela mídia, aponta que pelo menos 22 pessoas morreram no Brasil, nos últimos quatro anos, ao tentar reproduzir esses jogos postados nas redes sociais. A psicóloga do Dimicuida, Fabiana Vasconcelos, acredita que o que leva crianças e adolescentes a tentar “brincadeiras” como essa é a busca pela fama na internet, além da procura por aventuras e experiências novas, própria dessa fase da vida. “Para o adolescente hoje em dia é importante a coisa dos likes. A fama rápida é muito sedutora”, afirma. O Dimicuida é uma instituição cearense que visa conscientizar sobre o perigo dos jogos de asfixia outros semelhantes.
Além do desafio do desodorante, outras brincadeiras como o jogo do desmaio, da super bonder, da camisinha e da canela em pó também circulam na internet. E cada vez com mais alcance. Fabiana explica que em 2010 eram 500 vídeos intitulados “jogo do desmaio” no Youtube. Ontem, eram 27500.
A inalação do desodorante spray pode levar a depressão respiratória, arritmia cardíaca, redução da oxigenação cerebral, asfixia e morte. Nesses produtos, são encontrados os gases isobutano, butano e propano, utilizados como propulsores de aerossóis. Em excesso, essas substâncias se acumulam no organismo e tomam o lugar do oxigênio.
A empresária Karla Cedraz, 41, mãe de duas crianças de oito e dez anos, costuma falar com seus filhos sobre o assunto. Ela afirma que procura sempre monitorar o que os pequenos assistem, regulando o acesso à internet apenas aos finais de semana. “Eu acho muito difícil controlar 100%, então prefiro conversar. Eles são bem cientes da realidade e das consequências, lá em casa o papo é abertíssimo”, afirma.
Para evitar os perigos, Fabiana Vasconcelos diz que é fundamental que o conteúdo visitado pelos filhos na internet seja supervisionado pelos pais. “Os vídeos são muitos e não são escondidos. O problema é que os pais não sabem que isso existe”, lamenta. O indicado é sempre conversar com a criança ou adolescente sobre os riscos online, a fim de incentivar o desenvolvimento crítico. “Falar sobre o mundo digital é tão fundamental quanto ensinar a não falar com estranhos na rua. É importante compreender para prevenir”, ressalta.
BRINCADEIRAS’ PERIGOSAS DIVULGADAS NA INTERNET
DESAFIO DO DESODORANTE
Em alguns casos, consiste em inalar o gás do desodorante, que pode causar asfixia. Outros vídeos mostram pessoas aplicando o produto a uma distância muito pequena da pele, até “congelá-la”, o que pode causar queimaduras.
JOGO DO DESMAIO
Nesta “brincadeira”, asfixia-se a si mesmo ou a um colega para causar desmaio. O desmaio é um mecanismo do corpo quando o cérebro não consegue suficiente oxigênio. Essa situação pode levar a sequelas irreversíveis e mesmo ao óbito.
DESAFIO DO SUPER BONDER
O desafio consiste em colar partes do corpo como narinas e boca com super cola. Essa substância pode lesionar a pele e mucosa do nariz caso a criança não remova com cuidado e tente puxar, além de provocar infecções.
DESAFIO DA CANELA
Este desafio consiste em engolir uma grande quantidade de canela em pó pura. Essa ação pode ser perigosa pois existe grande probabilidade de aspirar o pó acidentalmente. Isso pode provocar inflamações pulmonares, pneumonias ou crises de asma.
DESAFIO DA CAMISINHA
Neste desafio, a criança deve introduzir um preservativo no nariz para ver se consegue tirar pela boca. Ao falhar na tentativa, as vias aéreas ficam obstruídas, o que pode levar a uma asfixia. Como no jogo do desmaio, pode causar sequelas irreversíveis ou morte.

HELOISA VASCONCELOS

O Povo

Com muito carnaval, Olinda comemora o Dia do Frevo nesta sexta-feira

O frevo mistura gêneros musicais, danças, capoeira e artesanato, e foi inscrito pelo Iphan como Patrimônio Cultural Brasileiro em 2007.
Olinda celebrará o segundo dia de carnaval oficial, com muita festa e condecorações.
Olinda celebrará o segundo dia de carnaval oficial, com muita festa e condecorações. (Divulgação)

Na data em que o estado de Pernambuco comemora o Dia do Frevo, 9 de fevereiro, Olinda celebrará o segundo dia de carnaval oficial, com muita festa e condecorações. A folia desta sexta-feira começa às 18h, na Praça do Carmo, ao som da orquestra Villa-Lobos. Às 20h, será a vez da orquestra Henrique Dias, seguida, às 21h, pela orquestra Maestro Ozéias.
As festividades contarão com homenagem aos maestros Clóvis, Henrique Dias, Ozéias, Carlos, Cézar e Serginho. Os mestres de frevo de Olinda também serão reverenciados durante a comemoração. Na lista estão os professores Wagner, Carlinhos, Walquíria, Beto, Vera, Mateus Ramos, Adriana do Frevo, Daniel e Alexandre Spain.
Desde 2012, o frevo pernambucano é considerado Patrimônio Cultural e Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O gênero musical urbano surgiu no fim do século 19, no carnaval, como forma de expressão popular.
O frevo mistura gêneros musicais, danças, capoeira e artesanato, tendo sido inscrito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural Brasileiro em 2007.
Confira a programação:
Polo Tito Lívio (Praça do Carmo, na Av. Liberdade - próximo ao Coreto)
19h - Orquestra Villa-Lobos (maestro Clóvis)
20h - Orquestra Henrique Dias
21h - Orquestra Maestro Ozéias

Agência Brasil

Prazo para inscrição no ProUni termina nesta sexta-feira

Sabrina Craide – Repórter da Agência Brasil
Os estudantes interessados em obter uma bolsa de estudos por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm até as 23h59 (horário de Brasília) de hoje (9) para fazer sua inscrição na página do programa na internet.
O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.
Podem concorrer brasileiros sem diploma de curso superior que tenham participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2017 e não tenham zerado a prova de redação.
É necessário, ainda, que o candidato atenda a pelo menos uma das seguintes condições: ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou em instituição privada como bolsista integral, ter alguma deficiência, ser professor da rede pública ou estar enquadrado no perfil de renda exigido pelo programa.
A bolsa integral é oferecida a candidatos com renda per capita mensal de até 1,5 salário mínimo e a bolsa parcial para candidatos cuja renda familiar mensal seja de até três salários mínimos.
O processo seletivo é composto por duas chamadas sucessivas. O resultado com a lista dos candidatos pré-selecionados na primeira chamada deve ser divulgado no dia 14 deste mês. A divulgação do resultado da segunda chamada está prevista para 2 de março.