Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 25, 2018

Apanhadão: Academia Sueca confirma vazamento dos vencedores do Nobel de Literatura

E mais: Livros de Albert Camus serão reeditados pela Record, bibliófilo lança livro sobre a história das capas dos livros e Haroldo Costa prepara biografia de Ivone Lara Neste final de semana, o  Estadão  noticiou que livros menos conhecidos de Albert Camus serão reeditados pela Record. Dentre as obras encontram-se romances, contos e ensaios do filósofo franco-argelino. O jornal também trouxe uma entrevista com  Cristovão Tezza , na qual o autor fala sobre seu novo romance,  A tirania do amor  (Todavia). No livro, o escritor usa personagem economista para explorar questões relacionados ao amor e ao dinheiro.  O Globo  deu destaque para a notícia do vazamento dos vencedores do Prêmio Nobel de Literatura. O caso foi confirmado pela Academia Sueca, responsável pelo galardão. As suspeitas sobre o vazamento começaram durante a investigação do escândalo sexual contra o fotógrafo Jean-Claude Arnault. O Globo também falou sobre o novo livro do bibliófilo  Ubiratan Machado ,  A capa do li

Feira de troca de livros é destaque na Semana Senac de Literatura em Botucuatu (SP)

Por G1 Bauru e Marília   Feira de troca de livros estará presente em todas as unidades até sábado na Semana Senac de Literatura (Foto: TV TEM/Reprodução A 3ª edição da Semana Senac de Literatura, aberta nesta segunda-feira (23), Dia Mundial do Livro, promove até o próximo sábado (28) uma série de atividades gratuitas em toda a rede da entidade no estado. Na região, o evento contará com mostra de filmes inspirados em livros, na unidade de Botucuatu (SP), enquanto na de Bauru o destaque fica para a apresentação de flash mob de zumbi. No Centro-Oeste Paulista, o evento também acontece nas unidades de Jaú e Marília.   Feira de troca de livros é destaque na Semana Senac de Literatura Outro destaque do evento, presente nas 60 unidades do Senac no estado, será a tradicional Feira de Troca de Livros, que ocorrerá todos os dias até sexta-feira (27), das 9h às 21horas, e no sábado (28), das 9h às 13h. Para participar, basta o visitante levar um

Quem foram as pessoas homenageadas com bustos em praças de Fortaleza

Fortaleza mantém viva parte de sua história “invisível”. Já reparou nos bustos e estátuas de personalidades que estão, por exemplo, pelas praças da cidade? Ali, foram homenageadas figuras importantes na história da cidade. São momentos do passado contados em meio a rotina da capital. O busto do heróico João Nogueira Jucá está na Praça da Lagoinha, no Centro. O jovem estudante entrou para a história pelo ato de bravura ao ajudar os pacientes e funcionários da Casa de Saúde Dr. César Cals, de um incêndio que ocorreu no dia 4 de agosto de 1959. O professor de História, Marcelo Holanda, conta que um cilindro explodiu e causou a tragédia. O estudante, que passava no local no momento, se voluntariou para ajudar a equipe do Corpo de Bombeiros, que buscava salvar o maior número de pessoas. “Ele toma a iniciativa de ajudar e acaba sendo vítima do incêndio. Por várias vezes ele ia e voltava na tentativa de resgatar pessoas. É um ato dos mais heroicos e tristes da história da nossa cidad

Autores dedicados ao afrofuturismo ganham destaque no País

por  Maurício Meireles - Folhapress Wakanda, o país mítico de onde vem o Pantera Negra, projeta uma realidade imaginária: uma África nunca tocada pela escravidão e jamais colonizada. Nessa projeção, Wakanda é um cenário futurista, com carros que voam e um trem supersônico - mas que se disfarça dos olhos das potências ocidentais como um país subdesenvolvido. Essa África imaginada no filme, maior bilheteria do ano até aqui, já arrecadou mais de US$ 1 bilhão (R$ 3,3 bilhões) em cinemas de todo o mundo. "Pantera Negra" é parte de um ramo da narrativa fantástica que existe há bastante tempo, mas que ganhou fôlego no mercado de livros no último ano - e recebe um empurrão extra com o filme. O fenômeno cresce em duas frentes que correm paralelas. Uma é a ficção científica que mistura tecnologia e ancestralidade - estética batizada, já nos anos 1990, de afrofuturismo, também adotada em outras artes. Outra é a fantasia clássica, à moda de "O Senhor dos Anéis", mas

Pedra rejeitada

Padre Geovane Saraiva* A imagem do Bom Pastor ou pedra angular, por analogia, é Jesus Cristo, compreendido aos olhos da fé, sem esquecer os olhos da razão, pedra que os pedreiros rejeitaram, que por inúmeras vezes o Livro Sagrado não deixa dúvida. Como é maravilhoso pensar na Igreja, tendo Cristo como o Bom Pastor, como pedra angular! E seus seguidores são como pedras vivas, formando o edifício espiritual, assegurando sua plenitude na filiação divina, tornando-se imagem e semelhança de Deus: “Quando Jesus se manifestar seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é” (1Jo, 3, 2). Encantemo-nos com Jesus, o Filho de Deus, seguros de não termos outra saída, a não ser a referida pedra, rejeitada, que paradoxalmente sustenta a nossa caminhada, mantendo-nos de pé, sobretudo quando surgem fortes abalos e tempestades. O bem comum requer um coração grande, um carinho especial para com os rejeitados e empobrecidos, mas num convívio de confiança e de relação íntima e est

Projeto Os Cearenses estreia nova temporada com foco na música local

Estreia hoje uma nova edição de Os Cearenses, projeto audiovisual da TV O POVO e da Fundação Demócrito Rocha. O tema da temporada é “Canto de um povo”, cuja proposta é levar para a tela composições de artistas da música cearense das décadas de 1970 e 1980. O protagonismo é dado às canções de nomes como Fagner, Belchior, Ednardo e Fausto Nilo, entre outros. A temporada, dividida em três episódios, começa hoje e segue amanhã e sexta, sempre às 19 horas, no canal 48 da TV aberta. “Os arranjos originais que escolhemos são imortais e, por isso, pensamos em convidar as pessoas que estão hoje fazendo a história do cenário da música para propor releituras”, explica Ronaldo Pessoa, diretor e produtor musical do projeto, detalhando ser o objetivo mostrar a atualidade dessas obras. Nesse contexto, o projeto agregou alguns destaques da cena autoral da atualidade para jogar luz em músicas que há décadas estão presentes no nosso imaginário popular. “Escolhemos o repertório com muita dificuldade