Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

5 de outubro de 2017

Lançamento do livro “A cidade de Ulisses” da escritora portuguesa Teolinda Gersão, na ACL - Academia Cearense de Letras








Fotos da publicação de Angélica Sampaio, via Facebook.

Biografia de Belchior tem lançamento hoje em Fortaleza

Uma nova biografia de Belchior vem sendo escrita pela irmã do cantor FERNANDO SÁ, EM 22/12/1992
Uma nova biografia de Belchior vem sendo escrita pela irmã do cantor FERNANDO SÁ, EM 22/12/1992
Muito se fala sobre Antônio Carlos Belchior desde o último 30 de abril, quando o artista saiu de cena. Assim como muitas são as (merecidas) homenagens em shows, camisas, quadros, ilustrações, bares, programas de televisão, ruas e, agora, livros. A primeira biografia veio quatro meses depois que o sobralense morreu, então com 70 anos e muita história a ser contada. Quem primeiro se aprumou para lançar obra narrando episódios destas sete décadas de vida foi o jornalista Jotabê Medeiros, que publicou a biografia Belchior – Apenas um rapaz latino-americano (editora Todavia) no dia 26 de agosto. Pouco mais de um mês depois, as 240 páginas seguem repercutindo entre fãs, críticos, parceiros musicais e familiares.
O livro ganha, hoje, lançamento no Teatro Dragão do Mar, às 19 horas, com a presença do autor. Jotabê irá conversar com o urbanista e letrista Fausto Nilo. Após o bate-papo, haverá uma leitura poética entoada por Ricardo Guilherme, seguida por pocket show, em que a Orquestra Popular do Nordeste (OPN) se une a Rodger Rogério, Lorena Nunes, Nayra Costa, Fausto Nilo e Lúcia Menezes para dar voz ao repertório de Belchior.
Com a publicação desta primeira biografia, muitas histórias sobre Antônio Carlos vieram à tona. Não apenas nas páginas da biografia, mas estimuladas a partir da obra. Um destes causos é sobre a música Vício Elegante, parceria com o músico e advogado Ricardo Bacelar, que deu nome ao álbum homônimo, de 1996.
Surgiram duas versões sobre a composição. Uma delas, publicada no livro, foi relatada ao autor pela ex-namorada de Belchior, Vilédia Bezerra de Souza, que revela: a composição foi feita para ela, segundo o então companheiro. Já Bacelar rebateu em texto escrito depois de ler o livro. “Vício Elegante não foi composta para ninguém em especial. Fizemos essa música no estúdio, para colocar algo inédito”, simplifica.
O músico entrou em contato com o escritor e fez a correção, que Jotabê garante que irá entrar na segunda edição do livro. As duas versões irão entrar, na verdade. “Ele tem razão, mas não vai ser corrigido totalmente”, adianta o biógrafo. “Eu não vou subestimar as memórias da mulher que viveu com ele. Todo mundo tem o direito a sua memória sobre o Belchior. Estas duas podem ser verdadeiras, acredito que Vilédia tenha a razão dela”, aposta.
Esta foi uma das imprecisões que saltaram da biografia, ao lado de data de lançamento de disco e outras informações. A irmã do biografado, Ângela Belchior, também escreve livro sobre a vida do rapaz latino-americano, dividindo a autoria com Estevão Zizzi. A dupla, contudo, rejeita algumas histórias trazidas por Jotabê. “Quando Belchior ganhou o Troféu Bandolim de Ouro, ele não o perdeu numa mesa de bar por estar bêbado”, escreveu Zizzi em sua página no Facebook, no fim de setembro, referindo-se a história relatada por Medeiros em seu livro. “O Troféu foi dado a seu irmão no Ceará. Quero deixar claro que a biografia escrita por mim e Angela Belchior não toma emprestado o clássico A Sangue Frio (1966), de Truman Capote”, desabafou cintando livro conhecido pelo sensacionalismo.
Entre imprecisões e acertos, Jotabê pondera. “Ocorre que é um biografia pioneira. Eu confiei muito na memória das pessoas. Só que a memória pode trair. Eu tô fazendo esse monitoramento, para que na segunda edição o que, porventura, tenha outra visão, eu consiga incluir”, adianta. Para além das interpretações, das lembranças e de acontecimentos ainda não descobertos, o fato é que, mesmo aparentemente prematuro, o trabalho de Jotabê inicia uma série de investigações mais aprofundadas sobre a obra do cearense que se perdeu e se achou pelas veredas do mundo.
SERVIÇO
Lançamento da biografia de Belchior
Quando: hoje, às 19h30min
Onde: Teatro do Dragão do Mar (rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema)
Acesso gratuito.
CAMILA HOLANDA
O Povo

Morte de fundador da Apple Steve Jobs completa 6 anos

Há seis anos, o empresário e visionário da Apple, Steve Jobs, morria de parada respiratória por conta de um câncer pancreático, aos 56 anos. O norte-americano revolucionou o ramo da tecnologia, e desde sua morte, a Apple sofre com a falta de grandes ideias.
 
A multinacional norte-americana é uma das empresas mais influentes do mundo. Em 2015, por exemplo, a Apple teve lucro líquido de US$ 53 bilhões, ficando a frente de outras gigantes do ramo tecnológico, como Facebook, Amazon e Microsoft. Contudo, sem Jobs, o crescimento da empresa da "maçã" é cada vez mais lento.
 
Com a alta concorrência do mercado, as baixas vendas do iPhone e do iPad, além do Apple Watch não ter tido tanto sucesso, a empresa vê seu lucro líquido baixar. Em 2016, a Apple fechou o ano com lucro líquido de US$ 45 bilhões.
 
Mas o que todos lembram é a longa história de Steve Jobs com a Apple. Desde a criação do Macintosh, o primeiro computador pessoal com "mouse", passando pelo iPod, iPad e o principal de suas criações, o iPhone.
 
Recentemente, a Apple criou o iPhone X para celebrar os 10 anos do lançamento do primeiro modelo do smartphone, em janeiro de 2007.
 
Após sua morte, Jobs inspirou diversos filmes e livros. O co-fundador da Apple também foi capa de muitas revistas, inclusive, uma delas que foi autografa por Jobs, em 1988, irá a leilão por US$ 10 mil.
 
Fonte: ANSA

Com os filhos, Caetano Veloso comove plateia no Rio

Com agenda cheia pelo menos até janeiro de 2018, quando terão passado por São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Salvador, os Velosos se apresentam sem banda de apoio
Dos três filhos, Zeca é o único que ainda não assumiu a música profissionalmente.
Dos três filhos, Zeca é o único que ainda não assumiu a música profissionalmente. (Uns Produções e Filmes/Divulgação)

"O Caetano acertou, os meninos são muito talentosos", dizia Djavan na plateia do show Caetano Moreno Tom Zeca Veloso, na noite de terça-feira, 3, no Teatro Net Rio. No palco, Caetano endossou: durante a 1h30 da estreia, foram muitos os momentos de nítido deleite do pai com as composições de seus "meninos" - de 44, 25 e 20 anos, respectivamente -, intercaladas com sucessos como A tua presença morena, Gente, Trem das cores, O leãozinho e Força estranha.

Sem modéstia, ele falou com orgulho da prole. "É bonita pra caramba, né. Muito sofisticada, muito boa", comentou, depois de Moreno cantar De tentar voltar, dele e de Domenico Lancellotti. "Essa é curtinha, mas é linda, né. Vai longe", elogiou Sertão, parceria sua com Moreno, que Gal Costa gravou.

Dos três filhos, Zeca é o único que ainda não assumiu a música profissionalmente. Foi estimulado a mostrar suas criações em público justamente por Djavan. "Ele canta de uma maneira muito diferente, ora em falsete, ora com a voz natural. Tem melodias muito delicadas, que me impressionam. É alguém que está fazendo algo novo", definiu o compositor alagoano, que também se disse fã da banda da qual Tom é compositor, a Dônica.

Com agenda cheia pelo menos até janeiro de 2018, quando terão passado por São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Salvador, os Velosos se apresentam sem banda de apoio. Caetano com seu violão certeiro, ladeado pelos filhos em revezamento entre o violão e o contrabaixo elétrico - Zeca mais fixo ao piano elétrico e Moreno no pandeiro e prato.

Zeca mostra as suas Todo homem e Você me deu (esta, com o pai, também lançada por Gal). Tom, Um só lugar, que compôs com Cézar Mendes e foi registrada por Roberta Sá. Músico e produtor experiente, Moreno, o mais desenvolto, canta Um passo atrás, How beautiful could a being be, Um canto de afoxé para o bloco do Ilê.

É um show despretensioso, nascido da vontade de Caetano de ser feliz, como escreveu para explicá-lo. "Quero cantar com eles pelo que isso representa de celebração e alegria, sem dar importância ao sentido social da herança", anunciara.

Da plateia, o que se viu e ouviu foi um pai em estado de graça com a reunião artística de sua prole, e um repertório que celebra as afetividades familiares. Eles louvaram os "deuses mais lindos" em Oração ao tempo, e chegaram a Santo Amaro da Purificação com Jenipapo absoluto, Reconvexo e Ofertório.

Esta última, composta pelo filho "arreligioso, irreligioso e até antirreligioso" para a missa celebrada pelos 90 anos da matriarca dos Velosos, Dona Canô (1907-2012), soou talhada para a ocasião: "Todos estes frutos que aqui juntos vês/ Senhor da Vida/ Eu em cada um deles e em mim todos os Teus fiéis/ Ponho a Teus pés".

Afagos, olhares cúmplices, sorrisos provocados por piadas internas e piscadinhas se sucederam. Ao cantar Boas-vindas, escrita quando do nascimento de Zeca, em 1992, Caetano estendeu a saudação aos três, e compartilhou com a plateia, comovida, sua maior Alegria, Alegria: ser pai. Não à toa o hino de 50 anos abre o show.

Agência Estado

Britânico Kazuo Ishiguro ganha Prêmio Nobel de Literatura

Da Agência Brasil *
Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017
Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017Academia Sueca/Divulgação
O escritor britânico de origem japonesa Kazuo Ishiguro ganhou nesta quinta-feira (5) o Prêmio  Nobel de Literatura deste ano, anunciou a Academia Sueca. Segundo o comitê do prêmio, Ishiguro, de 62 anos, que se mudou do Japão para a Grã-Bretanha quando tinha 5 anos, está associado aos temas de memória, tempo e auto-ilusão.
 
"Se você mistura Jane Austen e Franz Kafka, então você tem Kazuo Ishiguro em poucas palavras, mas você tem que adicionar um pouco de Marcel Proust na mistura", disse hoje Sara Danius, a secretária permanente da Academia Sueca
Ela descreveu Ishiguro como um escritor de grande integridade e originalidade. "Ele desenvolveu um universo estético único", disse.
Ishiguro, que escreve em inglês, é autor de oito livros, sendo sete romances e um volume de contos. Em sua obra destacam-se Os vestígios do dia (1989), que ganhou o Man Booker Prize, e a ficção científica Não me abandone jamais (2005). Ambos adaptados ao cinema.
* Com informações da Agência EFE e da Academia Sueca
* Matéria atualizada às 9h58 para acréscimo de informações

9ª Marcha pela Vida acontece próximo sábado (7) no aterro da praia de Iracema

Próximo sábado acontecerá mais uma Marcha Pela Vida. O objetivo é levar à população informações acerca das ações que visam legalizar o aborto no país, que inclui o pedido para a interrupção da gravidez de mulheres infectadas pelo vírus da Zika, que está associado a casos de microcefalia.
Estarão presentes na caminhada o Padre Antônio Furtado, da Comunidade Católica Shalom; Tiba Camargos, da Comunidade Canção Nova e membro do Movimento Nacional Juntos pela Vida; o cantor Totô, da Banda Expresso HG; a banda Misericórdia em Canção; a cantora cearense Ticiana de Paula; Lucas Melo; Chico Pessoa e banda, entre outras atrações.
“A 9ª Marcha pela Vida vai alertar a sociedade cearense acerca do que está tramitando em nível legislativo e judiciário sobre o aborto, com ênfase nas ações vigentes que pretendem legalizá-lo em casos de anencefalia. Já contamos com a adesão de muitos grupos, comunidades, paróquias e instituições. Já visualizamos que esta será a maior edição de todas”, afirma Fabiano Farias, coordenador da marcha. A inspiração para a criação do evento no Brasil veio da “March for Life”, que acontece nos Estados Unidos e que também é realizada nas principais capitais do mundo.
Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), 78% da população brasileira é contra o aborto. A taxa, registrada em dezembro de 2016, é a mesma desde 2010, o que comprova uma tendência do País a não aceitar a legalização da prática.
Estarão presentes na Marcha pela Vida o Padre Antônio Furtado, da Comunidade Católica Shalom; Tiba Camargos, da Comunidade Canção Nova e membro do Movimento Nacional Juntos pela Vida; o cantor Totô, da Banda Expresso HG; a banda Misericórdia em Canção; a cantora cearense Ticiana de Paula; Lucas Melo; Chico Pessoa e banda, entre outras atrações.
A 9ª Marcha pela Vida Contra o Aborto conta com o apoio de entidades como o Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), Fórum Arquidiocesano dos Movimentos Eclesiais e Comunidades Novas (FAMEC), Arquidiocese de Fortaleza, Obra Lumen de Evangelização, Comunidade Católica Shalom, Rádio Shalom AM, Centro Humanitário de Amparo à Maternidade (CHAMA), Federação Espírita do Ceará (FEEC), Ordem dos Ministros Evangélicos do Ceará (ORMECE), Renovação Carismática Católica de Fortaleza (RCC) e outras instituições, grupos e movimentos.

O Aborto e seus riscos

O aborto pode deixar sérias consequências para o resto da vida, tanto físicas quanto psicológicas. Comprovadamente aumenta o risco de depressão em 37%, de suicídio em 155%, aumenta o grau de ansiedade em 34% e o alcoolismo em 110%.
De acordo com a médica pediatra neonatologista, Eliane Oliveira, a paciente quando aborta está vulnerável, sem apoio do parceiro, da família e da sociedade. O ato pode ocasionar diversas consequências às pacientes como perfuração uterina, lesão no intestino, nas tubas; infecção, hemorragia, e câncer de mama. “A síndrome traumática pós aborto pode afetar mulheres e também homens, causando depressão que não responde aos remédios causando pesadelos, culpa, ansiedade, abuso de drogas, alcoolismo, tendências suicidas, aversão ao parceiro, entre outros problemáticas”, ressalta.
Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de abortos pode ultrapassar um milhão de mulheres, segundo um estudo publicado em 2013 pelo braço do órgão na América Latina, a Organização Pan-americana de Saúde. Segundo o estudo de 2010, feito pela Universidade de Brasília (UnB), tido como referência pela OMS, uma a cada cinco mulheres com mais de 40 anos já fizeram, pelo menos, um aborto na vida.

Sobre o Movida

Fundado em 11 de abril de 2008, o Movimento pela Vida e Não Violência é uma organização sem fins lucrativos que defende a vida, da concepção à morte natural. A entidade é suprapartidária e suprareligiosa. Isso significa que, embora seus integrantes possam ter suas posições políticas e convicções religiosas pessoais, a instituição não adota partido ou religião oficiais. Com base em dados científicos, o Movida esclarece e apoia as pessoas, com o intuito de evitar práticas como o suicídio, a eutanásia e o aborto. Todos no Movida estão envolvidos na mesma missão: salvar vidas.

Serviço:

9ª Marcha pela Vida
Data: 07 de outubro de 2017
Horário: 16 horas
Local: Aterro da Praia de Iracema

Com informações da Assessoria do Evento
Boa Notícia

Festival Internacional de Teatro Infantil do Ceará começa nesta sexta (6) com programação gratuita

Fernanda Cabral, música nas incubadoras. Foto: André Amaro
Um público bem especial vai marcar a abertura do 7º TIC – Festival Internacional de Teatro Infantil do Ceará, que começa nesta sexta-feira, dia 6 de outubro, em Fortaleza: recém-nascidos. Para eles, a cantora, multi-instrumentista, compositora, diretora e atriz Fernanda Cabral, da Cia Studio Sereia, de Brasília, apresenta Música nas Incubadoras. O trabalho reúne melodias vocais e sonoridades acústicas para a recuperação de bebês. São micros concertos apoiados no uso da voz e de diferentes instrumentos musicais que fazem referência simbólica aos quatro elementos da natureza. Este projeto se iniciou em Portugal e passou pela Espanha e por Brasília, tendo reconhecimento das famílias e da comunidade médica. As apresentações vão acontecer no dia 6, pela manhã e à tarde, no Hospital e Maternidade Eugênia Pinheiro, do grupo Hapvida, em Fortaleza.
É também para bebês, o espetáculo Borboletário, novo trabalho do grupo cearense Zepelim conte outra vez, mas a idade do público é um pouco mais “avançada”: 6 meses a 4 anos. Este espetáculo é fruto da participação do grupo na oficina de teatro para bebês ofertada pelo Encontro de Narrativas para a Infância, realizado pelo Tic, em 2014 e 2015. O grupo se apresenta de 6 a 8, no Teatro Sesc Iracema, em Fortaleza, e nos dias 11 e 12 no Theatro São João, em Sobral.
A data da abertura da 7ª edição do TIC será marcada também pela estreia de O Senhor Ventilador, novo espetáculo do Grupo Bagaceira de Teatro, que aposta no teatro de objetos. Este é o quarto espetáculo para o público infantil, dentre os 16 montados pelo grupo, fundado há 17 anos. As apresentações acontecem no dia 6 no Teatro Dragão do Mar, e no dia 11 no Teatro do Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ).
Com programação totalmente gratuita, o festival acontece de 6 a 12 em Fortaleza e de 11 a 16 em Sobral, realizando 40 sessões de espetáculos de artistas de diversos países, mesclando diferentes linguagens, estéticas e dramaturgias para todas as idades. É apresentado pelo Ministério da Cultura, Caixa e Enel, o 7º Tic é uma realização do Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura (via Lei de Incentivo à Cultura).
Do exterior, os espetáculos serão apresentados por artistas da Bélgica, Bósnia, Dinamarca, Espanha, Israel, Itália e Peru e as atrações nacionais são do Ceará, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Distrito Federal. A França também estará presente com a Mostra Tic na Tela, que acontecerá nos dias 7, 8 e 12 no Cinema do Dragão, com a exibição de curtas de animação produzidos na França. Serão cinco sessões destinadas a crianças com até 6 anos e cinco sessões para crianças a partir de 6 anos.

Mais destaques

Quem também está de volta aos palcos cearenses é a Cia Pequod, do Rio de Janeiro, que traz seu novo espetáculo, Ovelha Negra. Em cena, bonecos e atores cantam num show ao vivo músicas do repertório de Rita Lee. A montagem será conferida pelo público de Fortaleza, nos dias 11 e 12.
Do Paraná, a Cia dos Palhaços apresenta a comédia musical Concerto em Ri Maior, um divertido espetáculo que mescla música, dança, improvisação, participação da plateia e, claro, muita palhaçada. Criado em 2004, o grupo é hoje composto por Eliezer Vander Brock (Palhaço Wilson), Felipe Ternes (Palhaço Sarrafo) e Nathalia Luiz (Palhaça Tinoca). O público poderá conferir o espetáculo no dia 12 em Fortaleza e dia 13 em Sobral.
O Bricoleiros, considerado um dos principais grupos de teatro de animação do Ceará, apresenta o espetáculo Alika e o mundo às avessas. Fundado em 2004, o grupo, detentor de técnicas de confecção e de animação de marionetes, já circulou por diferentes cidades brasileiras e fora do país. A apresentação será no dia 10 em Fortaleza, com libras e audiodescrição.
O K’Os Coletivo, do Ceará, é quem encerra a programação em Sobral, onde apresenta nos dias 15 e 16 seu mais recente trabalho, Guerra de Cup&Cake, uma comédia com palhaços, destinada a público de todas as idades.

Música

A cantora, violonista e compositora Badi Assad, uma das artistas mais inovadoras e singulares da música brasileira, traz ao festival o show musical Cantos de Casa. Transcendendo suas raízes brasileiras, ela faz uma mistura que vai desde a MPB, pop e world music, até o jazz e sons étnicos de todo o mundo. Sua apresentação encerra a programação em Fortaleza no dia 12 e será conferida pelo público de Sobral no dia 15.

Ilustra Tic

O Festival de Teatro Infantil do Ceará repete uma atividade que encantou o público infantil na edição de 2016, o Ilustra Tic. Ilustradores e crianças serão os criadores das obras de artes que darão o brilho na programação do Dia das Crianças, em Fortaleza, a partir das 16 horas na Praça Verde do Dragão do Mar. A ação contará com a participação dos artistas Rafael Limaverde, Julião Junior e Thyago Cabral, que vão criar personagens em esculturas de caixas de papelão.
Com essa diversidade dos palcos, o Tic tem a proposta de oferecer uma mistura de atrações artísticas de qualidade para todos os gostos, como uma salada de frutas, cheia de cores, texturas e sabores, pronta para proporcionar ao público inúmeras sensações.

Serviço

7º TIC – Festival Internacional de Teatro Infantil do Ceará. De 6 a 12 de outubro em Fortaleza e de 11 a 16 em Sobral. Informações: (85)3048.6077. Email: fest.teatroinfantil@gmail.com. Site: www.festivaltic.com.br.
Programação gratuita.

Com informações da Assessoria do Evento
Boa Notícia

Francisco, mensageiro da paz

Padre Geovane Saraiva*
Pe. Geovane Saraiva
Deus nos faz um convite maravilhoso, na busca da conversão e da paz interior. Aprendamos com o olhar de São Francisco, homem profundamente identificado com a natureza, no amor pela água "pura e casta", sem nos esquecermos da Lua, do fogo e do Sol; mais ainda, da criatura humana, a mais pobre e desprezada, e também no encantamento com a obra da criação, chamando a tudo e a todos de irmãos e irmãs. A paz proclamada pelo "poverello" de Assis pede o reconhecimento de Deus como Pai e Senhor de toda a natureza, nossa irmã, numa ardorosa súplica de paz. Que Deus nos dê a graça da paz interior, no olhar do próximo com o respeito e o amor de quem olha e vê nele o Bom Senhor. Deus quer nos dar a paz interior, que, consequentemente, nos faz livres. Aprendamos, pois, com Francisco de Assis a conquistá-la.

Imagem relacionadaNo tempo em que São Francisco viveu neste mundo, de 1182 a 1226, era fácil encontrar pessoas armadas, num constante estado de guerra, pelas armas conduzidas na cintura, preparadas para o que desse e viesse. Nosso mundo hoje, 800 anos distante do trovador de Assis, também não foge à regra, com as pessoas de todas as classes sociais, começando pelo interior, encontrando-se bastante armadas. A paz anunciada com a própria vida, por Francisco de Assis, se transformará em uma nova realidade, à medida que houver disposição e sensibilidade, diante do grito dos sofredores, da poluição ambiental e do gemido da Terra, sofrida e dominada pela exploração, quando a violência, o egoísmo e a vingança abrirem lugar ao amor e à ternura proclamados pelo Pobrezinho de Assis.

Que o fascínio pela obra da criação por parte de São Francisco de Assis, ao celebrarmos o seu dia, em 4 de outubro, mantenha viva em nós a chama de toda uma concreta simbologia, na constante busca da paz tão sonhada, dentro da Igreja e da sociedade como um todo. Que as humildes e confiantes súplicas de todas as pessoas de boa vontade, no dadivoso exemplo oferecido ao mundo pelo Irmão de Assis, cheguem aos céus, numa clamorosa inspiração de gratidão fervorosa, no sentido de que todas as armas, sobretudo as armas do ódio e do rancor, armazenadas no coração das pessoas, se transformem em instrumentos de paz proclamada pelo Santo de Assis.

Diante do legado de um mundo solidário e de paz, maior herança de Francisco de Assis, como seria maravilhoso colocar nossas forças e talentos acima dos interesses pessoais e particulares, andando na direção daquela sua mesma loucura: a de salvar o mundo! Que essa loucura possa ser traduzida em sinais de ternura e esperança, tendo presentes as grandes questões, nas quais estamos inseridos, no mesmo espírito do aventureiro que marcou a história da humanidade, vendo-o não só como trovador do Deus-Amor, mas como persistente conquistador e grande farol de paz para o mundo.

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com