Biografia de Belchior tem lançamento hoje em Fortaleza

Uma nova biografia de Belchior vem sendo escrita pela irmã do cantor FERNANDO SÁ, EM 22/12/1992
Uma nova biografia de Belchior vem sendo escrita pela irmã do cantor FERNANDO SÁ, EM 22/12/1992
Muito se fala sobre Antônio Carlos Belchior desde o último 30 de abril, quando o artista saiu de cena. Assim como muitas são as (merecidas) homenagens em shows, camisas, quadros, ilustrações, bares, programas de televisão, ruas e, agora, livros. A primeira biografia veio quatro meses depois que o sobralense morreu, então com 70 anos e muita história a ser contada. Quem primeiro se aprumou para lançar obra narrando episódios destas sete décadas de vida foi o jornalista Jotabê Medeiros, que publicou a biografia Belchior – Apenas um rapaz latino-americano (editora Todavia) no dia 26 de agosto. Pouco mais de um mês depois, as 240 páginas seguem repercutindo entre fãs, críticos, parceiros musicais e familiares.
O livro ganha, hoje, lançamento no Teatro Dragão do Mar, às 19 horas, com a presença do autor. Jotabê irá conversar com o urbanista e letrista Fausto Nilo. Após o bate-papo, haverá uma leitura poética entoada por Ricardo Guilherme, seguida por pocket show, em que a Orquestra Popular do Nordeste (OPN) se une a Rodger Rogério, Lorena Nunes, Nayra Costa, Fausto Nilo e Lúcia Menezes para dar voz ao repertório de Belchior.
Com a publicação desta primeira biografia, muitas histórias sobre Antônio Carlos vieram à tona. Não apenas nas páginas da biografia, mas estimuladas a partir da obra. Um destes causos é sobre a música Vício Elegante, parceria com o músico e advogado Ricardo Bacelar, que deu nome ao álbum homônimo, de 1996.
Surgiram duas versões sobre a composição. Uma delas, publicada no livro, foi relatada ao autor pela ex-namorada de Belchior, Vilédia Bezerra de Souza, que revela: a composição foi feita para ela, segundo o então companheiro. Já Bacelar rebateu em texto escrito depois de ler o livro. “Vício Elegante não foi composta para ninguém em especial. Fizemos essa música no estúdio, para colocar algo inédito”, simplifica.
O músico entrou em contato com o escritor e fez a correção, que Jotabê garante que irá entrar na segunda edição do livro. As duas versões irão entrar, na verdade. “Ele tem razão, mas não vai ser corrigido totalmente”, adianta o biógrafo. “Eu não vou subestimar as memórias da mulher que viveu com ele. Todo mundo tem o direito a sua memória sobre o Belchior. Estas duas podem ser verdadeiras, acredito que Vilédia tenha a razão dela”, aposta.
Esta foi uma das imprecisões que saltaram da biografia, ao lado de data de lançamento de disco e outras informações. A irmã do biografado, Ângela Belchior, também escreve livro sobre a vida do rapaz latino-americano, dividindo a autoria com Estevão Zizzi. A dupla, contudo, rejeita algumas histórias trazidas por Jotabê. “Quando Belchior ganhou o Troféu Bandolim de Ouro, ele não o perdeu numa mesa de bar por estar bêbado”, escreveu Zizzi em sua página no Facebook, no fim de setembro, referindo-se a história relatada por Medeiros em seu livro. “O Troféu foi dado a seu irmão no Ceará. Quero deixar claro que a biografia escrita por mim e Angela Belchior não toma emprestado o clássico A Sangue Frio (1966), de Truman Capote”, desabafou cintando livro conhecido pelo sensacionalismo.
Entre imprecisões e acertos, Jotabê pondera. “Ocorre que é um biografia pioneira. Eu confiei muito na memória das pessoas. Só que a memória pode trair. Eu tô fazendo esse monitoramento, para que na segunda edição o que, porventura, tenha outra visão, eu consiga incluir”, adianta. Para além das interpretações, das lembranças e de acontecimentos ainda não descobertos, o fato é que, mesmo aparentemente prematuro, o trabalho de Jotabê inicia uma série de investigações mais aprofundadas sobre a obra do cearense que se perdeu e se achou pelas veredas do mundo.
SERVIÇO
Lançamento da biografia de Belchior
Quando: hoje, às 19h30min
Onde: Teatro do Dragão do Mar (rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema)
Acesso gratuito.
CAMILA HOLANDA
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado