Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

2 de dezembro de 2014

Seridião Correia Montenegro é mais novo imortal da Academia de Letras dos Municípios do Estado do Ceará

Dr. Seridião Correia Montenegro, escritor, advogado e procurador da Fazenda Federal, na Academia de Letras do Municípios do Estado do Ceará - ALMECE, cadeira de nº 81, neste 29 de novembro de 2014, representado o município do Crato.
Roberto Neves PereiraTambém o jornalista (ex-presidente da Aceji), empreendedor e atual secretário de Meio Ambiente de Maranguape, Paulo Roberto Neves Pereira, torna-se imortal das letras. Ele, na condição de acadêmico, assume a cadeira de nº 82 da Almece como representante do município de Maracanaú.

O tenor Álvarus Moreno, a soprano Auzeneide Cândido e seu Coro Lírico, além dos pianistas Haydée Campelo e Enoque Martins a liturgia acadêmica, após o que será servido coquetel aos presentes.
 A cerimônia de posse do recipiendário terá lugar na sede da Academia Cearense de Letras (Rua do Rosário, 1 – Palácio da Luz), a partir das 15h30 e deverá ser prestigiada por grande número de amigos do novo acadêmico almeciano.
As diretorias da Aceji, por meio do seu presidente, jornalista João Ferreira, e da Almece, através do seu presidente Francisco Lima Freitas, estão convidando os seus filiados para prestigiarem o importante evento.

Moradores de rua ganham chuveiros no Vaticano

Padre Geovane Saraiva*

O Papa Francisco ao falar da cultura do “descartável”, afirma com todas as letras que já não se trata simplesmente do fenômeno de exploração e opressão, mas de uma realidade nova, a saber: “Com a exclusão, fere-se, na própria raiz, a pertença à sociedade onde se vive, pois quem vive nas favelas, na periferia ou sem poder já não pode está nela, mas fora. Os excluídos não são explorados, mas resíduos, sobras” (cf. EG, 53).

É uma realidade dramática para muitas pessoas que, sobretudo, nas médias e grandes cidades em todo o planeta, por diversos fatores, tornaram-se pessoas privadas de uma das maiores necessidades humanas: casa ou lar, bem como de tudo aquilo que isso representa. Logo vem em nosso mente o aconchego ou o mínimo de conforto, privacidade ou calor humano, isto é, a realidade elementar e imprescindível de uma família.

Por que São moradores de rua?  As causas são as mais variadas possíveis, tais como: abandono por parte da família ou até falta de uma família, situação econômica, desemprego, desajuste social, drogas, alcoolismo e problemas psicológicos. Nas ruas, eles têm liberdade de vida para fazer o que quiserem, sem compromisso nem responsabilidades. A filosofia de vida dessas pessoas baseia-se no hoje, naquele momento, muitas vezes estão longe de todo e qualquer sonho, faltando-lhes a esperança de mudanças.

O gesto magnânimo do Sumo Pontífice, O Papa Francisco, de pensar concretamente nesses seus conterrâneos em torno do Vaticano e da cidade eterna, tem uma importância incomensurável, nas seguintes palavras: “Os moradores de rua que vivem nos arredores do Vaticano poderão contar, nos próximos dias, com mais serviços. A partir de segunda feira, 17 de novembro, terá início a reforma dos banheiros químicos posicionados sob o “colonato” da Basílica, destinados aos turistas. Três deles serão dotados de chuveiro”.

Veja estimado leitor que é de causar enormes dores no coração o que sai da boca deles, lá bem pertinho do Bispo de Roma: “Na praça, aqui na praça do centro mesmo. Eu fico ali, o dia todinho. Durmo ali, nos bancos da praça. As pessoas até que me dão algumas coisas. Me dão roupas, ficam com dó, eu acho. Quando chove, eu me escondo lá debaixo da igreja da Matriz. Carrego só aquilo que dá pra levar comigo, o resto ficava lá, molhando tudo.” relata Zé do Tonho, outro morador de rua”.

A decisão foi tomada depois que o Elemosineiro do Papa, Dom Konrad Krajewski, convidou um morador de rua para jantar num restaurante no início de outubro. O convidado era um senhor italiano da ilha da Sardenha, chamado Franco, que naquele dia completava 50 anos. Franco respondeu ao Bispo polonês: “Não posso ir ao restaurante porque estou mal cheiroso. Aqui ninguém morre de fome. Mas não há banheiros onde possamos nos lavar”.

Diante de um mundo que avança sempre mais no campo da ciência e da técnica, mais do que nunca é chamado a dar passos concretos neste contexto acima citado, do contrário, o humanismo cederá ainda mais. Que a iniciativa do Romano Pontífice, sensibilize as autoridades do mundo inteiro a colocar como prioridade esta dolorosa realidade. : “A Basílica existe para custodiar o Corpo de Cristo e nos pobres nós servimos o corpo sofredor de Jesus. Desde sempre, na história de Roma, os pobres se reúnem em volta das basílicas” (14.11.2014).

Para melhor compreender o mundo e carregá-lo no nosso coração, pensemos nos inúmeros gestos sublimes e excelsos do Papa Francisco em favor da vida, bem como reflitamos sobre o seguinte pensamento de John Lenon, o qual pode nos ajudar na compreensão da beleza e preciosidade do dom maravilhoso da vida: "Quando eu tinha cinco anos, a minha mãe dizia-me que a felicidade era a chave da vida. Quando eu fui para a escola, perguntaram-me o que queria ser quando fosse grande, escrevi "feliz". Então eles disseram-me que eu não tinha entendido o exercício, e eu disse-lhes que eles não entendiam a vida". Amém!

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, colunista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal - Pároco de Santo Afonso - geovanesaraiva@gmail.com

Boa noite Padre Saraiva

Li o artigo publicado em 18/11/2014 sobre "moradores de rua", gostaria de compartilhar sobre seu relato.
Tenho 54 anos e sou aluna do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC , 7ª fase e faço estágio com População em Situação de Rua, numa capital conhecida como Ilha da Magia......Florianópolis, que possui no Centro da cidade muito mais de 100 pessoas nesta condição. No centro  há um banheiro público, perdão banheiro pago, apesar do insignificante R$ 1,00 cobrado o torna privado e longe de permitir usar a população em situação de rua usar gratuitamente a privada.
Chuveiros na rua fantástico, obrigado por compartilhar essa notícia.
Obrigado pelo belo comentário!
Pe Geovane
                                                                 
            magda swoboda

"Esta vida é uma estranha hospedaria
 De onde se parte quase sempre às tontas
 Pois nunca as malas estão prontas
 E a nossa conta nunca está em dia".
              Mario Quintana