Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

25 de novembro de 2014

O Papa Francisco e a fome no mundo

Padre Geovane Saraiva*

Quanta alegria, graças, louvores e bênçãos, nas palavras vindas da boca do Santo Padre, o Papa Francisco, ao proclamar Jesus Cristo, o Cordeiro imolado que tira o pecado do mundo, aquele que veio para estabelecer a paz e a concórdia entre os povos da terra, em um mundo marcado por paradoxos, antagonismos e conflitos. O Filho de Deus, na sua missão de caminhar para Jerusalém, que deve ser também a mesma dos cristãos batizados, quando se aproximou e avistou a cidade de Jerusalém, começou a chorar (cf. Lc 19, 41). O Romano Pontífice, em sua missa matutina de 20.11.2014, ao comentar este Evangelho do dia, explicou que o Senhor chora pelo fechamento do coração da cidade eleita, do povo eleito. Não havia tempo para abrir-lhe a porta! Estava ocupada demais, satisfeita de si mesma. Por outro lado encoraja-nos: "Não tenhamos medo da felicidade que o Senhor nos traz!"

Jesus chora quando o coração da criatura se fecha às suas surpresas, disse o Papa Francisco. Daí o esforço e a disposição constante para perceber os sinais, a hora e momento de Deus, compreendidos à luz da palavra de Deus, quer dizer que temos que viver e conviver com o momento presente, mas olhando para frente, de acordo com a vontade de Deus, na busca do projeto da feliz esperança, missão oferecida a cada pessoa como algo próprio e intransferível, tendo como certo os acontecimentos futuros e a vitória final.  Observou o Bispo de Roma, na conferência feita no organismo da ONU (Fao), que “embora as nações estejam entrelaçadas entre si, tais relações acabam danificadas pela suspeita recíproca, que se converte em agressão bélica e econômica, uma realidade bem conhecida por quem passa fome e não tem trabalho”, contrariando o projeto do Pai, instaurado por seu Filho Jesus.

"Quando encontramos uma pessoa verdadeiramente necessitada, reconhecemos nela o rosto de Deus?" Temos a resposta no Papa Francisco, ao discursar sobre a realidade da fome no mundo, na conferência promovida pelo Organismo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), realizada na cidade de Roma. Mais ainda, criticou a ganância que dificulta o combate a fome.  Expressou-se deste modo: “Dói constatar que a luta contra a fome e a desnutrição é dificultada pela ‘prioridade do mercado’ e pela ‘preeminência da ganância’, que reduziram os alimentos a uma mercadoria qualquer, sujeita à especulação, inclusive financeira. E enquanto se fala de novos direitos, o faminto está aí, na esquina da rua, e pede um documento de identidade, ser considerado em sua condição, receber uma alimentação de base saudável. Pede-nos dignidade, não esmola”.

Nosso Senhor Jesus Cristo quer das pessoas de boa vontade, que se encontrem em volta da generosa mesa da partilha e solidariedade, dizendo não ao interesse próprio que se opõe ao dom precioso do bem comum. Pelas palavras de Francisco a seguir, fica claro que a renúncia e a doação são caminhos de vida e salvação, ao morrer para gerar a vida. “Jesus, então, continua batendo às portas, como bateu à porta do coração de Jerusalém: às portas de seus irmãos, de suas irmãs, às portas de nosso coração, às portas de sua Igreja. Jerusalém se sentia contente, tranquila com a sua vida e não precisava do Senhor: não havia percebido que necessitava da salvação. E por isso, fechou o seu coração ao Senhor. O pranto de Jesus sobre Jerusalém é o pranto sobre a sua Igreja, hoje, sobre nós”.

No meu entendimento, o desejo do Papa é o mesmo do Filho amado do Pai, quando afirma: “Se conhecesses o que te pode trazer a paz!... Mas não, isso está oculto aos teus olhos”. Jerusalém tinha medo de ser visitada pelo Senhor; tinha medo da gratuidade de sua visita. Estava segura nas coisas que podia administrar. Nós somos seguros nas coisas que podemos governar, mas a visita do Senhor, suas surpresas... nós não podemos controlar”. Ainda na Conferência da ONU, acentuou também que a falta de solidariedade é desafio no combate à fome, lembrando também que todos têm direitos garantidos de amor, justiça e paz, que todo Estado tem o dever de estar atento ao bem-estar de seus cidadãos. Nesse sentido, ele também destacou o papel da Igreja católica, que procura dar a sua contribuição manifestando solicitude, em especial, aos marginalizados e excluídos. Francisco concluiu sua intervenção no evento com um pedido: “Peço também para que a comunidade internacional saiba escutar o chamado desta conferência e o considere uma expressão da comum consciência da humanidade: dar de comer aos famintos para salvar a vida no planeta”.

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, colunista, blogueiro, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal - Pároco de Santo Afonso - geovanesaraiva@gmail.com

Papa: a Igreja é fiel a Cristo quando é pobre e humilde

2014-11-25 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV)Quando a Igreja é humilde e pobre, então “é fiel” a Cristo: foi o que afirmou o Papa Francisco durante a homilia da Missa da manhã desta segunda-feira, 24/11, celebrada na capela da Casa Santa Marta. 
No episódio evangélico da viúva que, sob o olhar de Jesus, doa todo seu bem ao tesouro do templo – enquanto os ricos oferecem grandes cifras para eles supérfluas -, o Papa Francisco identifica duas tendências sempre presentes na história da Igreja: uma vaidosa e outra pobre, que não tem outra riqueza além do seu Esposo:
“Eu gosto de ver a Igreja nesta figura que é, num certo sentido, um pouco viúva, porque aguarda a volta do seu Esposo… Sim, tem seu Esposo na Eucaristia, na Palavra de Deus, mas espera sua volta, não? Esta atitude da Igreja… Esta viúva não era importante, o nome desta viúva não aparecia nos jornais. Ninguém a conhecia. Não tinha diplomas… nada. Nada. Não brilhava de luz própria. É exatamente isso que me faz ver a Igreja nesta mulher. A grande virtude da Igreja deve ser não brilhar de luz própria, mas brilhar com a luz que vem do seu Esposo. Que vem justamente do seu Esposo. E nos séculos, quando a Igreja quis ter luz própria, errou”.
“É verdade – reconhece o Papa – que às vezes o Senhor pode pedir à sua Igreja para assumir uma luz própria”, mas isto significa que se a missão da Igreja é iluminar a humanidade, a luz deve ser exclusivamente a recebida de Cristo, numa atitude de humildade:
“Todos os serviços que nós fazemos na Igreja são para nos ajudar a receber aquela luz. Um serviço sem esta luz não é bom: faz com que a Igreja se torne rica, poderosa, ou que busque o poder, ou que erre o caminho, como aconteceu tantas vezes na história e acontece em nossas vidas, quando queremos ter uma outra luz que não é a do Senhor, uma luz própria”.
Quando a Igreja “é fiel à esperança e a seu Esposo – repete ainda Francisco – se alegra em receber a luz Dele, de ser ‘viúva’, de ficar à espera, como a luz, do ‘sol que virá’”:
“Quando a Igreja é humilde, quando a Igreja é pobre, ou quando a Igreja confessa suas misérias, a Igreja é fiel e diz: ‘Eu estou nas trevas, mas a luz Dele chega até mim’, e isto faz muito bem. Rezemos a esta viúva que está no Céu para que nos ensine a sermos Igreja assim, jogando fora tudo o que temos: que nada fique para nós. Tudo para o Senhor e para o próximo. Que sejamos humildes, sem nos vangloriar de uma luz própria, procurando sempre a luz que vem do Senhor”. 
(BF/CM)
(from Vatican Radio)

Papa reza diante da Virgem 'Salus Popoli Romani', antes da viagem a Estrasburgo

2014-11-25 Rádio Vaticana


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco dirigiu-se no final da tarde desta segunda-feira, 24,  à Basílica Santa Maria Maior, centro de Roma, como costuma fazer antes e após suas viagens internacionais. Nesta terça-feira, 25, o Santo Padre irá a Estrasburgo onde visitará o Parlamento Europeu e o Conselho da Europa.
Por volta das 17hs30min o Santo Padre recolheu-se em oração diante da imagem da Virgem Salus Popoli Romani, pedindo a sua intercessão pelo bom êxito da viagem Apostólica a Estrasburgo, onde discursará no Parlamento Europeu.
O Papa ficou em oração por cerca 30 minutos e depositou flores com as cores européias – rosa, amarela e azul – no altar onde está a imagem da Virgem. (JE)
(from Vatican Radio)

'Joia Rara' vence prêmio Emmy Internacional

25/11/2014 07h52

Novela da TV Globo ganhou de produções das Filipinas, Canadá e Portugal.

Produções de 19 países, incluindo pela primeira vez os EUA, concorreram.

Do G1, em São Paulo

A novela "Joia rara", da TV Globo, venceu o 42º Emmy Internacional, considerado o Oscar da TV mundial. Outras duas produções da Globo, o seriado "A mulher do prefeito" e o especial de fim de ano "Alexandre e outros heróis", também haviam sido indicadas, mas não conquistaram o prêmio. A cerimônia de premiação aconteceu nesta segunda-feira (24), em Nova York, nos Estados Unidos. O CEO e presidente do Grupo Globo, Roberto Irineu Marinho, foi reconhecido com o prêmio de Personalidade Mundial da Televisão.
"Joia rara" disputou o prêmio de melhor telenovela com a canadense "30 vies (30 lives)", a portugesa "Belmonte" e a produção filipina "My husband's lover". Com direção de núcleo de Ricardo Waddington e exibida na faixa das 18h, "Joia rara" contou a história de uma menina que era a possível reencarnação de um líder espiritual budista.

A estatueta foi entregue pela atriz inglesa Erin Richards às autoras da trama, Thelma Guedes e Duca Rachid, e à diretora Amora Mautner. As três subiram ao palco com os diretores Joana Jabace e Fábio Strazzer e a atriz Paula Burlamaqui. Na plateia, estavam presentes a coautora Thereza Falcão e os colaboradores de texto Manuela Dias, Newton Cannito e Alessandro Marson.
Em seu discurso, Thelma celebrou a vitória. "É uma emoção muito grande ter esse reconhecimento. Escrevemos esta história com o coração, pensando em levar uma mensagem de paz e compaixão. Saber que esta mensagem foi tão bem recebida é muito importante”.
Duca também festejou a conquista. "Acho que já é uma vitória ficar como finalista deste prêmio. Talvez tenha sido o trabalho mais difícil que já fiz. Já me sentia recompensada pelo próprio trabalho. Agora, ainda mais", completou.

A diretora Amora vibrou com o prêmio, que representa o mais importante tributo do mercado internacional de TV. "É uma alegria trabalhar em um texto tão lindo, que pode ser entendido em qualquer língua. Fico orgulhosa de fazer algo no Brasil que tenha uma repercussão internacional", comentou.

Ao todo, produções de 19 países, incluindo pela primeira vez os Estados Unidos, concorreram ao Emmy Internacional.
Além as produções da TV Globo, o Brasil teve outros dois indicados que não venceram: "De volta" (Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho), na categoria Documentário, e "O infiltrado" (The History Channel Latin America), na categoria Non-scripted Entertainment, disputada por atrações sem roteiro pré-definido.
Única emissora do país a ter vencido o Emmy Internacional, a TV Globo tem ao todo 12 estatuetas. As mais recentes foram conquistadas em 2013, quando a novela "Lado a lado" e Fernanda Montenegro levaram o troféu. A atriz ganhou pelo papel de Dona Picucha no especial de fim de ano "Doce de mãe". Foi a primeira brasileira a levar na categoria.
Os diretores Fábio Strazzer e Joana Jabace, a atriz Paula Burlamaqui, a diretora de núcleo Amora Mautner e as autoras Thelma Guedes e Duca Rachid. (Foto: Luiz C. Ribeiro/Globo)Os diretores Fábio Strazzer e Joana Jabace, a atriz Paula Burlamaqui, a di
r

Ferguson, nos EUA, tem nova onda de violência por morte de jovem negro

25/11/2014 09h13

Protestos recomeçaram após policial que matou jovem não ser processado.

Cidade registra saques, carros incendiados e tumultos.

Do G1, em São Paulo

  •  
Carro da polícia é incendiado em Ferguson. (Foto: Jim Young / Reuters)Carro da polícia é incendiado em Ferguson. (Foto: Jim Young / Reuters)
decisão de não indiciar o policial Darren Wilson, que em agosto matou o jovem negro Michael Brown, detonou nova onda de distúrbios em Ferguson, nos Estados Unidos, nesta terça-feira (25). Tiros e explosões foram ouvidos na cidade do estado de Missouri. Carros incendiados e saques também foram registrados.
O policial Darren Wilson, que atirou em no jovem negro Michael Brown, causando sua morte, em foto divulgada pela promotoria de St.Louis nesta segunda-feira (24) (Foto: St. Louis County Prosecuting Attorney's Office/AP)O policial Darren Wilson, que atirou em no jovem
negro Michael Brown, causando sua morte, em foto
divulgada pela promotoria de St.Louis nesta
segunda 24) (Foto: St. Louis County Prosecuting
Attorney's Office/AP)
Manifestantes queimaram edifícios, saquearam lojas e atiraram contra a polícia. Tropas de choque, FBI, Swat e a Guarda Nacional foram nas ruas de Ferguson. Tumultos foram controlados com gás lacrimogêneo.
O chefe de polícia de St. Louis, John Belmar, informou que pelo menos 29 pessoas foram detidas. Os confrontos representaram a pior noite de distúrbios na cidade desde agosto.
Ainda segundo o comandante, pelo menos 150 tiros foram disparados na região durante os protestos, mas nenhuma pessoa com ferimento grave foi registrada. Pelo menos 12 imóveis foram incendiados pelos manifestantes dentro da cidade e nas proximidades – a maioria foi totalmente danificada.
Veículos incendiados, janelas e veículos destruídos, saques e sons de tiros tomaram a Avenida West Florissant de Ferguson e seus arredores, após o anúncio da decisão judicial. Essa avenida também concentrou os distúrbios raciais que ocorreram em agosto pela morte de Brown.
Manifestantes olham prédio pegar fogo durante protesto na madrugada desta terça-feira (25) em Ferguson (Foto: Wilson. Scott Olson/Getty Images/AFP)Manifestantes olham prédio pegar fogo durante protesto na madrugada desta terça-feira (25) em Ferguson (Foto: Wilson. Scott Olson/Getty Images/AFP)
Os manifestantes denunciaram que os agentes reprimiram o protesto com gás lacrimogêneo, mas a polícia do condado de St. Louis informou, através do Twitter, que só utiliza "fumaça" para dispersar as pessoas.
Os protestos pacíficos se estendem por Nova York, Chicago, Los Angeles, Washington D.C., Oakland e outras grandes cidades do país.
O Departamento de Polícia informou que o aeroporto de St. Louis foi fechado para pousos e decolagens, por determinação da Administração Federal de Aviação dos EUA.
Ferido
Embora autoridades não tenham confirmado, a agência de notícias Reuters informou que um policial foi ferido num dos braços por um tiro.
O presidente dos EUA, Barack Obama, pediu no início da madrugada desta terça calma à população de Fergunson. Ele começou seu discurso lembrando que os pais de Michael Brown pediram que as pessoas não recorressem à violência durante os protestos e defenderam um debate construtivo, que promova mudanças, para que a morte de seu filho não seja em vão.
Os protestos começaram logo após um júri local decidir não processar o policial branco pela morte de Brow, de 18 anos. O jovem foi morto a tiros.
  •  
Policiais usam bomba de gás lacrimogêneo para dispersar tumulto. (Foto: Jewel Samad / AFP Photo)Policiais usam bomba de gás lacrimogêneo para dispersar tumulto. (Foto: Jewel Samad / AFP Photo)
Depois da decisão, o presidente dos EUA, Barack Obama, pediu calma à população de Fergunson. Obama pediu que possíveis manifestações fossem pacíficas, segundo comunicado da Casa Branca. O mesmo pedido foi feito pelo governador do Missouri, Jay Nixon.
Darren Wilson não será processado porque o júri de St. Louis concluiu que não há provas suficientes para processá-lo, anunciou o promotor da comarca, Robert (Bob) McCulloch. "Darren Wilson não será acusado em conexão à morte de Michael Brown ocorrida em 9 de agosto em Ferguson", afirmou McCulloch.
Segundo ele, o júri trabalhou "intensamente" durante os últimos meses e encontrou inconsistências no depoimento das testemunhas que incriminavam Wilson. "Não há dúvida de que Darren Wilson matou. Wilson foi o agressor inicial. Mas foi autorizado a usar força letal em autodefesa", disse o promotor.
Manifestante saqueia uma loja em Ferguson. (Foto: David Goldman / AP Photo)Manifestante saqueia uma loja em Ferguson. (Foto: David Goldman / AP Photo)
A área de Ferguson, St. Louis, no Missouri, entrou em estado de alerta. O FBI, a Guarda Nacional e tropa de choque estão preparados para intervir caso ocorram protestos. A decisão, aguardada por centenas de pessoas nas ruas, provoca o temor de novas manifestações e distúrbios na cidade, sacudida por protestos em agosto passado.
Em nota enviada à imprensa, a família de Brown afirmou que ficou "desapontada". "Estamos profundamente decepcionados de que o assassino do nosso filho não tenha que sofrer as consequências de seus atos", informou a família de Brown, pedindo 'respeitosamente que qualquer manifestação seja pacífica'. "Juntem-se a nós em nossa campanha para que todo policial nas ruas desse país use uma câmera acoplada a seu corpo. Nós respeitosamente pedimos que vocês protestem pacificamente. Responder violência com violência não é a reação mais apropriada", diz o comunicado.
Composto por 12 pessoas, o júri manteve reuniões secretas por meses, uma vez por semana, ouvindo testemunhas e analisando evidências. Os integrantes eram seis homens brancos, três mulheres brancas, duas mulheres negras e um homem negro. Eles tinham a opção de não acusar Wilson por crime algum ou decidir que ele deveria ser processado por homicídio involuntário ou assassinato, com sua absolvição ou condenação (e pena) sendo decidida em novo julgamento. A decisão não precisava ser unânime, sendo validada caso fosse aprovada por ao menos nove dos 12 jurados.
Integrantes da Guarda Nacional foram designados para garantir a segurança do prédio da promotoria em Clayton. Em Ferguson, lojas fecharam as portas e escolas suspenderam as aulas nesta segunda, pelo temor de possíveis manifestações violentas, como as que ocorreram em agosto, após a morte do jovem.
 
Protestos
A morte de Michael Brown, em 9 de agosto, gerou uma violenta onda de manifestações em Ferguson, especialmente por que Wilson, um policial branco, atirou ao menos seis vezes no jovem negro de 18 anos que, segundo testemunhas, estaria desarmado. Quase 70% da população de Ferguson é negra, mas as autoridades políticas e policiais são majoritariamente brancas.

De acordo com a polícia, Brown teria participado de um assalto a uma loja de bebidas pouco antes de ser baleado. Um vídeo do crime, em que o jovem supostamente aparece, chegou a ser divulgado.

Após semanas de violência nas ruas, a Guarda Nacional foi enviada a Ferguson para controlar os distúrbios. Na última segunda-feira (17), com o julgamento de Wilson já se aproximando de seu final, o governador declarou situação de emergência e autorizou forças especiais de segurança estaduais a apoiarem a polícia em caso de violência.

A ordem do governador também determinou que, em eventuais protestos, a responsabilidade seria do Departamento de Polícia do Condado de St. Louis, e não da polícia da cidade de Ferguson.
Tropa de choque protege o Departamento de Polícia de Ferguson, no Missouri. (Foto: Adrees Latif / Reuters)Tropa de choque protege o Departamento de Polícia de Ferguson, no Missouri. (Foto: Adrees Latif / Reuters
)

Paul McCartney encerra turnê no Brasil com dois shows em São Paulo

 25/11/2014 06h00

Ele toca nesta terça-feira (25) e na quarta (26), na nova arena do Palmeiras.

É 5º ano seguido do ex-beatle no país; desta vez ele estreou no DF e ES.

Do G1, em São Paulo

tópicos:
Paul McCartney e banda durante show em noite de chuva no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília (Foto: Fábio Tito/G1)Paul McCartney e banda durante show em noite de chuva no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, no domingo (23). O cantor segue para dois shows em SP nesta terça (25) e quarta (26) (Foto: Fábio Tito/G1)
Paul McCartney encerra turnê no Brasil com dois shows nesta terça-feira (25) e quarta-feira (26) em São Paulo. Este é o quinto ano seguido em que o ex-beatle faz shows no Brasil. Desta vez, as apresentações paulistanas acontecem no Allianz Parque. Serão os primeiros shows após a estreia da nova arena do Palmeiras, na zona oeste da cidade.
A produção anunciou que os 90 mil ingressos, 45 mil para cada dia em SP, estavam esgotados. No entanto, na noite de segunda-feira (24), havia no site do evento entradas disponíveis para a arquibancada inferior do dia 25. A assessoria de imprensa do show explicou que são poucos ingressos, e que voltaram a ficar disponíveis devido a devoluções por compras não finalizadas.
Nova turnê
McCartney traz ao país a turnê "Out there!", em que apresenta clássicos dos Beatles e dos Wings, além de sucessos da carreira solo e canções do disco "New" (2013). Nos shows de 2014, ele passou pela primeira vez em dois estados: Espírito Santo e Distrito Federal. Ele também voltou ao Rio.
Veja imagens e resenhas do G1 dos shows de Paul McCartney em 2014 no Rio de Janeirono Espírito Santo e no Distrito Federal.
Serviço: Paul McCartney em São Paulo
Local – Allianz Parque
Endereço – Rua Turiaçu, 1840
Data – 25 e 26 de novembro, terça e quarta-feira
Horário – 21h
Abertura dos portões – 17h30

Mais informações: 2014.paulinbrazil.com.br

Jake Bugg retorna ao Brasil e reclama de redes sociais: 'Tudo é sempre igual'

25/11/2014 07h58

Inglês fala de férias e da sensação de estar no palco: 'Eu volto no tempo'.

Cantor se apresenta em Porto Alegre, São Paulo e no Rio, nesta semana.

Braulio LorentzDo G1, em São Paulo

O cantor britânico Jake Bugg (Foto: Divulgação)
Jake Bugg tem exatamente o mesmo tom de voz e a mesma (falta de) empolgação ao falar que está feliz com a segunda vinda ao Brasil neste ano ("Eu me diverti, os fãs são animados") e ao explicar por que não usa redes sociais ("Tudo lá é sempre igual").
Beleza. O cantor folk inglês nascido em 1994 é assim mesmo. Diz só se importar com música. Tem fama de mala, mas as canções... Como elas são boas. "Two fingers", "Seen it all", "Lightning bolt", "A song about love" e "Messed up kids" estarão nos shows em Porto Alegre, São Paulo e no Rio (veja detalhes abaixo).
Em turnê desde o fim do ano passado, Bugg já faz outros planos: quer gravar o terceiro disco. Mas não pensa em férias? "Eu preciso de um tempo para mim, claro, mas gravar é um pouco isso. Estar no estúdio é como estar de férias. Mas não tenho ainda certeza de qual som que quero fazer", conta.
O cantor britânico Jake Bugg (Foto: Divulgação/Lollapalooza)
Jake retorna ao Brasil após fazer um pocket show e tocar no Lollapalooza São Paulo. Ele conta que quer alterar um pouco o repertório do show apresentado aqui em abril: "Quero mudar um pouquinho, sim. Vamos tentar fazer ficar mais divertido para os fãs. Não sei o que mudar, mas temos que mudar".
O que não muda é o mau humor de Jake para alguns assuntos. Por que você quase nunca posta no Facebook, Twitter, Instagram e afins? "Não uso muito redes sociais... Eu não gosto de ficar nisso. Lá é sempre a mesma coisa. Tudo é sempre igual. Eles precisam falar das coisas, ter opinões sobre tudo. Eles precisam esvaziar a mente e eu uso minha música".
Bugg abandona o lado meio rabugento quando o assunto volta a ser música. Fala até com certo encantamento. "Quando você está no palco, a música faz você voltar ao tempo em que você escreveu", explica. "Você fica preso a uma memória. Não é como se você estivesse repetindo várias vezes, cantando sempre os mesmos versos... É estranho isso". 
Jake Bugg no Brasil
Porto Alegre
Quando: 25 de novembro, às 21h30
Onde: Pepsi On Stage - Avenida Severo Dullius, 1995, Anchieta
Ingressos: R$ 200 (pista premium), R$ 180 (mezanino) e R$ 100 (pista)
Mais informações
São Paulo
Quando:
 27 de novembro, às 21h30
Onde: Citibank Hall - Av. das Nações Unidas 17955, Santo Amaro
Ingressos: R$ 300 (pista premium e setor 1), R$ 250 (setor 2) e R$ 150 (pista)
Mais informações
Rio
Quando: 
28 de novembro, às 21h30
Onde: Citibank Hall - Avenida Ayrton Senna, 3000, Barra da Tijuca
Ingressos: R$ 300 (camarote e pista premium), R$ 200 (poltrona) e R$ 150 (pista)
Mais informaçõe
s

Associação Novos Horizontes na Paróquia de Santo Afonso - Parquelândia

Fortaleza, 23/11/2014
Por Pe. Geovane Saraiva