Destaque

Choram porque amam

Padre Geovane Saraiva* Como é bom rezar e colocar em primeiro lugar o mistério da redenção! Nem sempre, porém, sabemos rezar e nem d...

4 de março de 2016

DIREITO INTEGRAL DA DOM HELDER LEVA ESTUDANTES PARA A ONU

A equipe Espanha, campeã do TRI-e, encerra nesta sexta-feira (4) a viagem aos Estados Unidos, prêmio pela conquista da edição 2015 do projeto, pioneiro no país. Acompanhados pelo professor Franclim Brito, coordenador do Curso de Direito Integral, os estudantes conheceram a sede da ONU, em Nova York, a capital Washington, o Capitólio, a Casa Branca e a Universidade de Georgetown (que pertence à rede internacional de universidades jesuítas).
Integram a equipe Espanha as (os) estudantes Isabely Cristine ketherin Helen De Jesus (DHC), Edson Luiz de Matos Junior (Colégio Marista), Henrique de Oliveira Freitas Rosa (Colégio Marista), Paulo Henrique Diniz Pinheiro Machado (DHC) e Izabelle Lauar Schirmer (DHC).
O TRI-e é um projeto de simulação jurídica, inspirado no Tribunal Internacional de Justiça, tendo como Patrono o Ministro Antônio Augusto Cançado Trindade, e coordenado por alunos e professores da Escola Superior Dom Helder Câmara. A edição 2015 do TRI-e teve como tema a proteção internacional da Amazônia. As equipes – formada por estudantes de ensino médio e alunos da Dom Helder Câmara – se posicionaram de forma favorável ou contrária frente à questão proposta.
A equipe do México, vice-campeã, ganhou o direito de conhecer o Superior Tribunal Federal, em Brasília.

Direito Integral 

O Direito Integral, da Escola Superior Dom Helder Câmara, oferece orientação personalizada de estudo, apoio psicopedagógico, aulas de aprofundamento das disciplinas curriculares, prática jurídica e seminários extraclasses.

Além das disciplinas da matriz curricular padrão, o Direito Integral oferece uma série de atividades que complementam a formação dos alunos, com excelência e qualidade. É voltado para estudantes que desejam se dedicar exclusivamente aos estudos e possuem disponibilidade de tempo. “É um curso amplo, que prepara tanto para a advocacia, o Exame da Ordem e concursos públicos como para a pesquisa e a carreira acadêmica”, explica Franclim Brito, coordenador do Direito Integral.


* A Reportagem completa será publica a partir da próxima semana quando os mesmos retornarem ao Brasil.

CTT PROMOVE SEMINÁRIO NA DOM HELDER CÂMARA

O Centro de Compliance e Transparência (CTT), coordenado pela Escola Superior Dom Helder Câmara e pela Escola de Engenharia de Minas Gerais, promoverá seminário no dia 14 de março.
O evento terá início às 14h e discutirá diferentes temas, como gestão de crises, investigações de corrupção e relacionamento entre empresas e autoridades públicas. Profissionais renomados no contexto brasileiro e internacional estão entre os palestrantes confirmados.
Os interessados devem se inscrever gratuitamente até dia 10 de março pelo e-mail paloma.freire@domhelder.edu.br.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA
 
Redação Dom Total

NASCE NA ITÁLIA O PARTIDO CATÓLICO “POPOLO DELLA FAMIGLIA”, OU “POVO DA FAMÍLIA”

“Vamos oferecer representação a quem foi traído pelos parlamentares”
Il Popolo della famiglia
É imparável o fermento das manifestações pró-família ocorridas na Itália nos últimos meses, bem como das milhares de iniciativas dos pais italianos contra a ideologia de gênero nas escolas. O jornal La Croce, dirigido por Mario Adinolfi, estampou nesta manhã uma primeira página exclusiva: o nascimento do “Popolo della Famiglia” [pronuncia-se “Pópolo della Familha”], ou “Povo da Família”, um partido político de inspiração católica.
Diante da aprovação da união civil homossexual, do projeto de lei que quer legalizar a adoção para todos, incluindo solteiros e casais gays, da tentativa de tornar o divórcio ainda mais rápido e de quatro projetos de lei sobre a eutanásia, o “Povo da Família” quer expandir o seu campo de batalha das praças para as urnas, apresentando seus próprios candidatos já nas próximas eleições locais italianas. Adinolfi e Gianfranco Amato, presidente dos Juristas pela Vida e um dos organizadores das manifestações chamadas Family Day, assinaram um apelo para convidar os cidadãos “a fazer o que é justo e salvar a Itália da sua decadência rumo ao nada”. Poucas horas após o anúncio, Adinolfi falou com ZENIT.
***
ZENIT: Adinolfi, como nasceu o “Popolo della Famiglia”?
Mario Adinolfi: No apelo que publicamos hoje, com Gianfranco Amato, na primeira página de La Croce, dissemos claramente: a Itália precisa dos católicos. E o Popolo della Famiglia, que vai muito além do confessional e fala para um horizonte de valores de todo o país, quer oferecer representação para aqueles que são constantemente traídos no parlamento pelo voto de “representantes” que ignoram as exigências concretas manifestadas com clareza pela população, inclusive neste último dia 30 de janeiro, no Circo Massimo [em Roma]. E alguns até estiveram presentes na manifestação…
ZENIT: O comunicado faz referência à ajuda de Deus e ao olhar benevolente da Virgem Maria. Pode-se pensar que não se vai além do confessional…
Mario Adinolfi: Aqueles que seguem as primárias americanas sabem que invocar a ajuda de Deus é de praxe naquele embate político. Eles não sentem vergonha disso. Nós queremos indicar uma inspiração bem clara e uma raíz cultural evidente. E nós também não temos vergonha de pedir a ajuda de Deus. Espero que isto não escandalize! Além do mais, quem pede essa ajuda sou eu, o último dos pecadores e o mais necessitado.
ZENIT: Ontem, em Roma, foi realizada uma mesa redonda com a participação de outros organizadores do Family Day: falou-se de uma possível convenção, antes das eleições locais, para apoiar os políticos que se comprometem de verdade com a família. O nascimento do Popolo della Famiglia não entra em conflito com isso, ou é justamente o catalisador dessa instância?
Mario Adinolfi: Eu diria muito claramente que é o catalisador dessa instância. O Popolo della Famiglia acelera um processo necessário e inevitável, até porque nós temos uma data da qual não há escapatória: as eleições próximas, nas quais não poderíamos nos apresentar sem uma indicação clara depois de toda a experiência adquirida.
ZENIT: Quem mais, dos organizadores do Family Day, farão parte desta nova entidade política?
Mario Adinolfi: Teremos uma reunião neste sábado ou domingo para esclarecer muitos aspectos que ainda não são públicos. A partir de segunda-feira vamos operar com equipe definida.
ZENIT: O que você responde àqueles que o acusam de usar a batalha pró-família desde o início como trampolim eleitoral?
Mario Adinolfi: Que cada insulto aumenta dez vezes as nossas energias. Eu, pessoalmente, recebo milhares por dia, porque decidi me expor nas redes sociais sem filtros, aceitando qualquer crítica e ataque. E vieram muitos pesadíssimos, inclusive contra a minha família, até mesmo contra a minha filhinha mais nova, que tem cinco anos. Devo dizer que nesta hora do anúncio do símbolo e do compromisso político do Popolo della Famiglia foram até menos as ofensas. Já os incentivos vieram de milhares de pessoas que já se disseram decididas a colaborar. A beleza do Popolo della Famiglia será esta: uma organização nascida de baixo, nutrida por um impulso popular natural. Algo único na paisagem política dos partidos de hoje, todos sem entusiasmo. Nós despertamos muitíssimo entusiasmo em poucas horas. As maledicências não o afetam, porque são totalmente falsas.
ZENIT: Dado o pouco tempo disponível antes das eleições, vocês não temem que a sua proposta se torne mais uma da lista de promessas, que dura o tempo da eleição e depois desaparece?
Mario Adinolfi: Não, eu não acho. O Popolo della Famiglia vai aproveitar a oportunidade para uma primeira estruturação, para lançar a rede. Em seguida, vai mudar a história da Itália.
ZENIT: Os eleitores vão encontrar as suas listas em todos os municípios da Itália, incluindo as grandes cidades como Roma e Milão?
Mario Adinolfi: Sim, as nossas listas e os nossos candidatos a prefeito estarão presentes em todas as cidades da Itália. A operação será capilar. E em junho veremos se alguém que hoje sorri nos tratando como irrealistas vai continuar sorrindo. Eu acredito que, na verdade, nós é que vamos sorrir, por ter dado esperança e futuro a um povo que não tem nenhuma vontade de se resignar a uma Itália jogada ao nada. Zenit

ESTADOS UNIDOS: COMISSÃO DO CONGRESSO RECONHECE GENOCÍDIO DE CRISTÃOS NO ORIENTE

Refugiados / Caritas Internationalis

WASHINGTON DC, 03 Mar. 16 / 07:00 pm (ACI).- Os Cavaleiros de Colombo agradeceram por meio de um comunicado à Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, por aprovar de forma unânime, uma resolução que declara como “genocídio” a perseguição de cristãos, outras religiões e minorias étnicas cometidas pelo Estado Islâmico (ISIS) no Oriente Médio.

O Cavaleiro Supremo dos Cavaleiros de Colombo, Carl Anderson, assinalou que esta comissão deu “um corajoso e histórico passo para dar significado às palavras ‘nunca mais’”.

Acrescentou que agora esperam a aprovação de toda a Câmara de Representantes a fim de que possa “unir sua voz ao Parlamento Europeu, ao Papa Francisco, e à Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) e a dos estudiosos do genocídio a nível mundial”.

Também destacou o apoio bipartidário de mais de 200 co-patrocinadores para declarar como genocídio os atos cometidos pelo ISIS, “o que mostrou a contundência da evidência”.

“Esperamos que o Departamento de Estado também faça o correto e chegue à mesma conclusão nos dias seguintes. Que apoie a declaração do senador Kerry em 2014 quando disse que a situação que enfrentavam os cristãos e yazidis tinha ‘todos os sinais para ser considerado um genocídio’”.

O Departamento do Estado deverá, por lei, assumir uma postura a respeito deste tema durante este mês.

Recorde-se que os Cavaleiros de Colombo e a organização “Em Defesa dos Cristãos” lançaram no último dia 25 de fevereiro um pedido dirigido a John Kerry, Secretário do Departamento de Estado dos Estados Unidos, a fim de que reconheçam como genocídio a perseguição e o massacre dos cristãos no Oriente Médio.

Atualmente, o pedido dos Cavaleiros de Colombo tem aproximadamente 45 mil assinaturas e animam a que mais pessoas se unam a este.

Entre as pessoas que assinaram o pedido estão o Cardeal Timothy Dolan, Arcebispo de Nova Iorque e chefe da Associação de Católicos Próximos ao Oriente; o Arcebispo Joseph Kurtz, presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos; o governador de Ohio, John Kasich; a Igreja Apostólica Armênia da América (Prelatura Oriental); o historiador Philip Jenkins; peritos e ativistas dos direitos humanos, entre outros.

Os Cavaleiros de Colombo são uma das maiores organizações católicas, com 1,9 milhões de membros no mundo inteiro. Começou a ajudar os refugiados cristãos em 2014, focado principalmente no Oriente Médio.

Até hoje, mais de 8 milhões de dólares foram arrecadados a fim de fornecer alimento, atenção médica, educação, acolhida e apoio em geral aos cristãos e outras minorias religiosas perseguidas, principalmente no Iraque e na Síria.

BISPO SE PRONUNCIA SOBRE DRAMÁTICO VIRAL DE SACERDOTE COM COCAÍNA

Esq. Captura Youtube / Direita: Pe. Stephen Crossan
ROMA, 03 Mar. 16 / 06:00 pm (ACI).- O Bispo de Dromore (Irlanda), Dom John McAreavey, se pronunciou a respeito do vídeo viral no qual um sacerdote de sua Diocese aparece consumindo cocaína.

As imagens, reproduzidas na mídia do mundo inteiro, teriam sido gravadas com um telefone móvel. As imagens mostram o sacerdote Stephen Crossan, que até início de 2015 trabalhava na paróquia de St. Patrick em Banbridge (Irlanda do Norte).

O presbítero de 37 anos havia pedido licença por sérios problemas de saúde e não exercia o ministério sacerdotal desde maio de 2015. As imagens foram registradas em julho de 2015 e no começo do mês de fevereiro – antes de que o jornal ‘The Sun’ divulgasse o vídeo – solicitou uma extensão de sua licença.

Em um comunicado, a Diocese explica que, “em maio de 2015, Stephen Crossan, presbítero da Diocese de Dromore, solicitou e lhe concederam licença de seus trabalhos pastorais na paróquia de St. Patrick por motivos de saúde".

Segundo fontes da Diocese, o sacerdote estava passando por um severo quadro de depressão.

“Desde então, se submeteu a um período de acompanhamento, enquanto toma uma decisão sobre seu próprio futuro”, indica o comunicado.

No começo do mês fevereiro deste ano, Crossan pediu para ampliar sua licença. O Bispo aceitou esta solicitação e informou aos fiéis através de uma carta lida em todas as missas da paróquia.

“O Bispo não conhecia o incidente, que aconteceu na casa paroquial em julho de 2015; entretanto, está preocupado pela saúde de Stephen Crossan, rezará por ele e o apoiará e também a sua família nos assuntos que enfrenta neste momento”, adiciona o comunicado.

Segundo as reportagens da imprensa, nas imagens da casa paroquial encontraram símbolos nazistas. O assunto está sendo investigado pela polícia local.

EMPREGO

Gonzaga Mota*
As perspectiva de geração de emprego e crescimento no Brasil, no momento, tendo em vista as baixas taxas de investimento, não são boas. Pelo contrário, dificilmente, pode-se ter um ponto de inflexão na tendência ascensional da curva representativa do nível de desemprego da mão-de-obra. Como se sabe, o investimento é indutor do crescimento, vez que possibilita a criação de mais produto no período seguinte, gerando capacidade produtiva, poder de compra e mais demanda. Assim, existe uma forte correlação com o crescimento e o emprego. Por sua vez, vale ressaltar que a relação investimento/PIB no Brasil encontra-se num degrau bem abaixo  daquele desejado para impulsionar a economia. É preciso criar um clima favorável, mas de forma dosada visando o não surgimento de efeitos colaterais, com vistas à realização de investimentos e, para tanto, as taxas de juros tem que cair. O investimento deve propiciar uma taxa de retorno maior do que a de juros. Ademais as empresas nacionais, notadamente, as pequenas e médias, nas suas estruturas de passivo predominam, em larga escala recursos de terceiros, mostrando que os empréstimos são fundamentais para a realização de investimentos. No mercado brasileiro o custo do capital é muito elevado. É complicado, para não dizer difícil, crescer em um ambiente de juros altos, além de carga tributária elevada e dívida pública significativa. Dentro deste quadro, afigura-se uma situação desfavorável de crescimento econômico e do emprego. Torna-se, portanto, importante  repensar a política econômica.
*Escritor, professor da UFC aposentado e ex-governador do Ceará

RIVAIS ATACAM TRUMP, MAS PROMETEM APOIÁ-LO SE FOR ESCOLHIDO CANDIDATO

Marco Rubio, Ted Cruz e John Kasich assumiram compromisso.
Veteranos do Partido Republicano defendem escolha de outra pessoa.

Da Reuters
Os principais adversários de Donald Trump, pré-candidato presidencial republicano favorito nas pesquisas, criticaram-no por mudar de opinião nos temas do debate da noite de quinta-feira, mas disseram que irão apoiá-lo relutantemente se for escolhido como candidato do partido para a eleição.

Os pré-candidatos republicanos Marco Rubio, Donald Trump e Ted Cruz (Foto: Reuter/Files)Os pré-candidatos republicanos Marco Rubio, Donald Trump e Ted Cruz (Foto: Reuter/Files)
Questionados pelos moderadores do canal de TV Fox News Channel, os senadores Marco Rubio, da Flórida, e Ted Cruz, do Texas, e o governador de Ohio, John Kasich, assumiram o compromisso, apesar dos esforços de veteranos do Partido Republicano para criar uma coalizão de eleitores republicanos anti-Trump e escolher outra pessoa no lugar do incendiário bilionário de Nova York.
Horas mais cedo, Mitt Romney, candidato presidencial republicano derrotado em 2012, fez um discurso de repúdio a Trump, classificando o ex-apresentador de reality shows como uma fraude inelegível cuja indicação garantiria a vitória da pré-candidata democrata Hillary Clinton, que também lidera as pesquisas, na eleição de 8 de novembro que irá determinar o sucessor do presidente dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama.
Os ânimos se exaltaram rapidamente durante o debate de duas horas e, como em encontros anteriores, o confronto degenerou para provocações pueris entre Trump, Rubio e Cruz, com acusações de mentira e até uma referência a órgãos genitais.
Embora os três concorrentes de Trump tenham seguido o dogma do partido, insistindo que colocarão suas preocupações de lado e endossarão o indicado da legenda, disseram que o farão com relutância se Trump emergir como candidato para a eleição presidencial.
"Às vezes ele torna isso um pouco difícil", disse Kasich, de 63 anos.
Indagado se apoiará o escolhido republicano caso se trate de outro que não ele, Trump pareceu surpreso com a pergunta, dado o bom momento de sua campanha, mas finalmente respondeu "Sim, irei". Trump, de 69 anos, defendeu-se do ataque contundente de Romney e o chamou de candidato fracassado
.

COMO SER SOLTEIRA

Como Ser SolteiraTítulo original: How To Be Single
Alice (Dakota Johnson) acabou de sair de um relacionamento e não sabe muito bem como agir sem outra metade. Para sua sorte, ela tem uma animada amiga (Rebel Wilson) especialista na vida noturna de Nova York, que passa a ensiná-la como ser solteira.
Legenda: Legendado
País: EUA
Ano: 2016
Gênero: Comédia
Classificação: 14
Direção: Christian Ditter
Elenco: Dakota Johnson, Rebel Wilson, Leslie Mann
Duração: 1h50min.

PAPA: FOMOS ESCOLHIDOS PARA ESTENDER A MÃO E ABSOLVER

2016-03-04 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco presidiu na tarde desta sexta-feira (04/03), na Basílica de São Pedro, a celebração penitencial na qual abriu a inciativa “24 horas para o Senhor” que partiu de Roma e ganhou alcance mundial. 

O evento nasceu com o intenção de recolocar no centro a importância da oração, da adoração eucarística e o do dom do sacramento da Reconciliação, e oferecer a todos a possibilidade de fazer experiência pessoal da misericórdia de Deus.

“Eu quero ver de novo: este é o pedido que queremos fazer hoje ao Senhor. Ver de novo, depois de os nossos pecados nos terem feito perder de vista o bem e desviar da beleza da nossa vocação, levando-nos para longe da meta”, disse Francisco na homilia.

Segundo o pontífice, “este trecho do Evangelho possui um grande valor simbólico e existencial, porque cada um de nós se encontra na situação de Bartimeu. A sua cegueira o levou à pobreza e a viver na periferia da cidade, dependendo em tudo dos outros”. 

“Também o pecado tem este efeito: nos empobrece e nos isola. É uma cegueira do espírito que impede de ver o essencial, fixar o olhar no amor que dá a vida; e, aos poucos, leva a deter-se no que é superficial até deixar insensíveis aos outros e ao bem. Quantas tentações têm a força de anuviar a vista do coração e torná-lo míope! Como é fácil e errado crer que a vida dependa do que se possui, do sucesso ou do aplauso que se recebe; que a economia seja feita apenas de lucro e consumo; que as pretensões próprias devam prevalecer sobre a responsabilidade social! Olhando apenas para o nosso eu, tornamo-nos cegos, amortecidos e fechados em nós mesmos, sem alegria nem verdadeira liberdade.”

Porém, Jesus passa; passa e não vai além, parou, como diz o Evangelho. “Então um frêmito atravessa o coração, porque nos damos conta de ser contemplados pela Luz, por aquela Luz gentil que nos convida a não ficar fechados em nossas cegueiras tenebrosas. A presença de Jesus perto de nós faz sentir que, longe d’Ele, falta-nos qualquer coisa importante: faz-nos sentir necessitados de salvação; e isto é o princípio da cura do coração. Depois, quando o desejo de ser curado ganha audácia, leva a rezar, a gritar, com força e insistência, por ajuda, como faz Bartimeu: «Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!»” 

“Infelizmente, há sempre alguém que não quer parar, não quer ser incomodado por quem grita a sua aflição, preferindo mandar calar e repreender o pobre que chateia. É a tentação de prosseguir como se nada tivesse acontecido; mas, assim, nos afastamos do Senhor e deixamos afastados de Jesus também os outros. Reconheçamos todos que somos mendigos do amor de Deus, e não deixemos escapar o Senhor que passa. «Timeo transeuntem Dominum – temo que o Senhor passe» (Santo Agostinho). Demos voz ao nosso desejo mais verdadeiro: «[Jesus], que eu veja de novo!» “

“Este Jubileu da Misericórdia é tempo favorável para acolher a presença de Deus, experimentar o seu amor e voltar a Ele de todo o coração. Como Bartimeu, joguemos fora o manto e ponhamo-nos de pé, ou seja, joguemos fora aquilo que nos impede de caminhar rapidamente para Ele, sem medo de deixar aquilo que nos dá segurança e a que estamos presos; não fiquemos sentados, ergamo-nos, recuperemos a nossa estatura espiritual, a dignidade de filhos amados que estão diante do Senhor para que Ele nos fixe nos olhos, nos perdoe e recrie.”

Segundo o Papa, “hoje mais do que nunca, sobretudo nós, pastores, somos chamados também a escutar o grito, talvez abafado, de quantos desejam encontrar o Senhor. Somos obrigados a rever comportamentos que, às vezes, não ajudam os outros a aproximar-se de Jesus; horários e programas que não atendem às reais necessidades daqueles que poderiam aproximar-se do confessionário; regras humanas, quando valem mais do que o desejo de perdão; nossa rigidez que poderia manter longe da ternura de Deus.” 

“Certamente não devemos diminuir as exigências do Evangelho, mas não podemos correr o risco de frustrar o desejo que tem o pecador de reconciliar-se com o Pai, porque o regresso do filho a casa é o que acima de tudo anseia o Pai.”

“Que as nossas palavras sejam as dos discípulos que, repetindo as próprias expressões de Jesus, dizem a Bartimeu: «Coragem, levante-se, porque Jesus está chamando você». Somos enviados para dar coragem, amparar e levar a Jesus. O nosso ministério é o ministério do acompanhamento, de modo que o encontro com o Senhor seja pessoal, íntimo, e o coração possa, com sinceridade e sem medo, abrir-se ao Salvador. Não esqueçamos jamais: o único que age em cada pessoa é Deus. No Evangelho, é Ele que para e pergunta pelo cego; é Ele que diz para trazê-lo; é Ele que o escuta e cura. Fomos escolhidos para suscitar o desejo da conversão, ser instrumentos que facilitam o encontro, estender a mão e absolver, tornando visível e operante a sua misericórdia.”

Francisco disse que a conclusão desse episódio do Evangelho “é densa de significado: Bartimeu «logo recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho». Também nós, quando nos aproximamos de Jesus, vemos de novo a luz para olhar o futuro com confiança, encontramos a força e a coragem para nos pormos a caminho. Com efeito, «quem acredita, vê» e vai adiante com esperança, porque sabe que o Senhor está presente, ampara e guia. Sigamo-Lo, como discípulos fieis, para tornar participantes da alegria do seu amor misericordioso aqueles que encontrarmos em nosso caminho”. (MJ)


(from Vatican Radio)