Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 2, 2020

Movimento negro: “escória maldita” e Zumbi de “fdp”

Presidente da Fundação Palmares chama movimento negro de “escória maldita” e Zumbi de “fdp” Em conversa com servidores do órgão, Sérgio Camargo afirmou que o movimento negro é uma “escória maldita”, composto por “vagabundos”. Ele ainda chamou o líder negro Zumbi dos Palmares de “filho da puta que escravizava pretos” 2 de junho de 2020, 18:31 h Atualizado em 2 de junho de 2020 Sérgio Camargo (Foto: Reprodução) Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247 247 - Presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo afirmou que o movimento negro é uma “escória maldita”, composto por “vagabundos”. Ele ainda chamou o líder negro Zumbi dos Palmares de “filho da puta que escravizava pretos”, atacou as religiões africanas, referindo-se a uma mãe de santo como “macumbeira” e prometeu como “meta” para o órgão que dirige a demissão de um “esquerdista”. As afirmações de Camargo foram feitas em reunião com dois servidores, no dia 30 de abril, segundo reportagem do

Barbárie e iniquidade

Padre Geovane Saraiva* Acreditar em Deus significa acreditar no amor, vendo nas pessoas o verdadeiro reflexo do seu amor. Em Deus se encontra o mistério da existência, colocando para si a proposta do apóstolo João, que nos assegura que Ele é amor. E o amor pode muito, pois, por sua bondade, permite olhar as criaturas com um olhar divino, vendo-as como filhos e filhas do único Deus e Pai. Vale pensar no nosso benevolente Deus, que deseja de nós distinção no nosso modo de proceder, mesmo que sejamos pequenos, mas verdadeiramente convictos e resolutos. Amar em tempo de pandemia não é fácil, mais ainda quando ficam as evidências brutais dos sinais de morte, como aconteceu com João Pedro e George Floyd. É o racismo que mata, como matou o menino de 14 anos, metralhado no Rio de Janeiro em maio de 2020. Igualmente, o policial branco Derek Chauvin, que assassinou um homem negro em Minneapolis, Estados Unidos, crime com proporções planetárias. Quanta falta de civilidade, de compai

Revista Crescer divulga lista dos 30 melhores livros infantis do ano

Em sua 15ª edição, Aline Abreu, autora de 'Quase ninguém viu', venceu o Troféu Monteiro Lobato de Literatura Infantil de 2020 Aline Abreu | © Redes Sociais A Revista Crescer divulgou a sua tradicional lista com os 30 melhores livros infantis. Em sua 15ª edição, a lista contou com a colaboração de 42 jurados de vários cantos do Brasil e traz obras brasileiras e traduzidas de outros países, feitas especialmente para crianças e lançadas em 2019. Entre as obras selecionadas estão  Bia e o elefante (Jujuba), de Carolina Moreyra e Odilon Moraes;  Girafas  (Brinque-Book), de Jean-Claude;  O livro das pequenas verdades  (Boitatá) e  A história do pássaro Realejo  (Trioleca), ambos de Alexandre Rampazo;  Tantãs  (Moderna), de Eva Furnari;  Um muro no meio do livro  (Pequena Zahar), de Jon Agee com tradução de Juliana Freire;  O livro maluco das poções mágicas  (Editora do Brasil), de Leo Cunha e Mariana Massarani e  Quase ninguém viu  (Jujuba) de Aline Abreu (foto ao lado). A a

Eventos literários no ‘novo normal’

Os curadores Gisele Corrêa Ferreira (Flipoços) e Paulo Ferreira (LeV) participam do 15º episódio do ColabPublishNews para falar como levaram seus eventos para o mundo virtual Na edição desta segunda-feira (1º), o PublishNews fez um  apanhado das principais iniciativas de estados  no caminho da reabertura de suas economias. Entre aqueles que decidiram abrir centros comerciais, por exemplo, há algo em comum: cinemas, teatros e casas de espetáculos, mesmo aqueles instalados dentro de shopping centers, permanecerão fechados. Estas atividades terão que ser revistas e, mesmo depois que passado o isolamento, viverão o que está sendo comumente chamado de “novo normal”. Por condição análoga, os eventos literários devem seguir pelo mesmo caminho. Mas como será essa “nova normalidade”? No 15º episódio da série ColabPublishNews, os curadores Gisele Corrêa Ferreira (Flipoços) e Paulo Ferreira (LeV) falarão como transformaram os seus eventos em uma atividade virtual. Gisele, que tinha program