Pular para o conteúdo principal

VASO DE FLORES E ROSAS

Carlos Delano Rebouças*


Acredita-se que quando se vê uma casa às escuras, com suas janelas e portas sempre fechadas, mesmo sendo habitada, pode ser um sinal de que ali têm moradores merecedores de uma atenção especial.

Voltemos à origem da vida. Somos concebidos e passamos longos nove meses no ventre de nossas mães a espera do dia de virmos ao mundo. Expectativas de todas as partes - pais, parentes, amigos, vizinhos - aliás, de todos que acompanharam todo o processo vivido, e, principalmente, do bebê, que não ver a hora de abrir seus olhinhos e enxergar o mundo que lhe foi oferecido, absolutamente. Assim nascemos para a vida em plena liberdade.

Essa tal liberdade, tão almejada, em muitos casos, é castrada pelas mais diferentes razões. Questões de justiça, por exemplo, quando se comete algum crime e que deve cumprir a pena atribuída, ou de doença, também, refém de um leito de hospital, podem restringir o direito de socialização de muita gente. Leva a se conduzir uma vida de forma restrita, fechada, sem aproveitar o mundo e suas belezas como foi sonhado.

Contudo, nem sempre uma prisão ou um hospital significam os calabouços de tantas pessoas que evitam o mundo, as pessoas e as relações. Muita gente tem aparentemente toda a liberdade que Deus lhe deu, desde seu nascimento; muitos, jamais, entraram numa delegacia, quiçá numa penitenciária, para fazer sequer uma visita, mas preferem se fechar para a vida, para o mundo, passando a viver o seu mundo, maquiado com um vaso de flores e rosas na frente de sua casa, fechada, querendo respirar, como a sua vida.

Esse vaso de flores e rosas pode não exalar o cheiro da liberdade. Tem até quem prefira as flores de plástico, porque não morrem, não é Titãs? Mas ninguém nega que são belas, mesmo que sincronicamente não permitam que sua beleza seja admirada, por se fecharem, ou, quem sabe, por murcharem antes do tempo, pela falta de alegria de viver. 

Ornamente a sua vida com prazer, e que tenha o mesmo para viver. A felicidade e o prazer pela vida têm seus estímulos de dentro para fora, também de sua casa, confirmando-se no vaso de flores e rosas no seu jardim. Abra-se para a vida, permita-se. Encha o seu peito de ar, purifique-se. Respire profundamente e estampe um belo sorriso no rosto, sempre. Jamais deixe que as flores e as rosas que colocaste no vaso, no seu jardim, murchem com a sua vida. Elas não são de plástico.

Ilumine-se, sempre, com a luz que lhe foi dada quando nasceste para o mundo de todos nós, na certeza que chegaste para ser feliz, e que, em nenhum momento e por hipótese alguma, deixará de regar com entusiasmo o jardim de sua vida.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…