FestiPoa Literária: uma década de literatura livre marcada por debates, leituras e homenagens

FestiPoa Literária: uma década de literatura livre marcada por debates, leituras e homenagens FestiPoa Literária/Divulgação
Grande homenageada desta FestiPoa, Heloísa Buarque de Hollanda partipa da abertura nesta quinta, no Instituto GoetheFoto: FestiPoa Literária / Divulgação
Ao longo de 10 anos, a FestiPoa Literária se consolidou como o principal evento literário independente da Capital. Criada e mantida por um grupo de amigos, sem vinculação a grandes instituições e com poucos apoiadores, a Festa Literária de Porto Alegre volta a ocupar nesta quinta-feira diferentes espaços culturais da cidade para debates, leituras e lançamentos. A nova edição concilia as facetas pelas quais o evento ficou conhecido: revelação de novos autores, discussões sobre temas à margem dos grandes festivais e tributo a quem fomenta a produção e o debate literário local e nacional.
A grande homenageada desta edição é a professora e escritora Heloisa Buarque de Hollanda.
— É bem intencional escolher como homenageada alguém que pesquisa a literatura feminina, com uma história de militância no campo intelectual e acadêmico. Além disso, Heloisa é uma poeta e professora que se tornou referência em relação à literatura marginal e de periferia, não canônica — afirma Fernando Ramos, idealizador da FestiPoa Literária.
Leia mais

Heloisa participa da abertura do evento nesta quinta, às 19h, no Instituto Goethe (24 de Outubro, 112), em um bate-papo com Ramon Nunes Mello e Guto Leite. Entre outros debates que devem atrair o público, está um encontro sobre autoria feminina, no domingo, às 15h30min, na galeria La Photo, tendo como convidadas as autoras Natalia Borges Polesso, Moema Vilela e Carol Bensimon. 
A literatura negra também estará bem representada, com pelo menos dois nomes significativos da nova geração: o quadrinista paulistano Marcelo D'Salete participa de um bate-papo neste sábado, às 15h30min, no Instituto Goethe; e a escritora mineira Cidinha da Silva, radicada na Bahia, estará em um debate no dia 9 de maio, às 18h30min, na Sala Fahrion do Campus Central da UFRGS.
Para quem quer conhecer autores que estão renovando a poesia brasileira, a grande oportunidade será a roda de leitura Estados em Poesia. O projeto colaborativo, que já ocorreu em outros Estados, terá uma edição gaúcha nesta sexta-feira, às 19h, na Casa de Teatro (Garibaldi, 853), com homenagem ao escritor Marcelino Freire. Após as leituras, haverá também o lançamento da antologia poética E Agora Como Nunca, organizada por Adriana Calcanhotto, com a presença do fluminense Ramon Nunes Mello e da gaúcha Angélica Freitas, selecionados para o projeto.
Uma ausência também será lembrada na festa. O escritor João Gilberto Noll, morto no final de março, era um dos convidados da programação.
— Pretendia reunir Noll com dois escritores para um bate-papo sobre a carreira dele. Era uma referência sempre presente, que vinha dialogando muito e estimulando os escritores mais jovens – conta Ramos.
Entre as homenagens a Noll, haverá uma palestra sobre o romancista com o professor e poeta mineiro Gustavo Cerqueira Guimarães, no dia 12 de maio, às 19h, na Aldeia (Santana, 252). A FestiPoa Literária segue até 13 de maio — para conferir a programação completa, acesse fb.co/festipoa.
Zero Hora

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado