Municipal do Rio retoma nesta sexta apresentações da cantata Carmina Burana

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil
Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Divulgação/Riotur)
Theatro Municipal, centro do Rio Divulgação/Riotur
Em meio à crise que afeta todo o estado do Rio de Janeiro, incluindo as atividades culturais, os servidores do Theatro Municipal retomam nesta sexta-feira (21) as apresentações da cantata Carmina Burana. O espetáculo, que teve todas os ingressos esgotados para quatro récitas no mês passado, volta ao palco neste fim de semana, com ingressos a partir de R$ 20.

Toda a renda obtida com os espetáculos de sexta-feira, sábado e domingo será revertida para os funcionários da casa, vinculada à Secretaria de Estado de Cultura.
Nesta versão, a cantata Carmina Burana, obra do compositor alemão Carl Orff, tem coreografia de Rodrigo Negri, bailarino do próprio Theatro Municipal, reunindo os três corpos artísticos do equipamento: coro, orquestra e balé.
O violinista Ivan Tavares, integrante da orquestra do teatro, disse que o motivo de enfrentar a crise e voltar a apresentar a cantata é o apoio do público. “É o retorno que a gente tem tido do público. Financeiramente, o que o espetáculo Carmina Burana vai gerar não é tão relevante, porque não é uma verba muito grande, e nós estamos com três salários atrasados. Não vai mudar a situação grave em que a gente está.”
Ivan Tavares deixou claro que a luta pela regularização do pagamento de salários não é só pelos funcionários do Theatro Municipal, “mas por todos os servidores do estado”. Os funcionários não receberam os salários de maio e junho e o décimo terceiro do ano passado.

A Secretaria de Estado de Cultura informou que depositará amanhã o salário de maio dos funcionários da ativa do teatro, usando recursos próprios. O violinista reagiu: “uma das nossas reivindicações é que não sejam [pagos] só os ativos, nem só os [funcionários] do teatro, mas todos os servidores do estado.”
Triângulo amoroso
Segundo o diretor artístico do Municipal, André Heller-Lopes, existe uma relação muito estreita de solidariedade entre os funcionários, o público e a Secretaria de Cultura. “Digo isso porque nós, da direção do teatro, temos com o secretário [André Lazaroni] esse tipo de diálogo.”
Lopes acrescentou que isso ocorre quando é preciso conseguir uma forma de vencer a burocracia, “de pensar fora da caixa, pensar como a gente faz para pagar os funcionários. Isso é muito importante. Então, acho que é um trio, um triângulo amoroso”.
Ele está confiante no sucesso das apresentações deste fim de semana, esperando que repitam o resultado dos espetáculos de junho. “Porque é um espetáculo que foi superelogiado, feito com talentos brasileiros. É uma peça que todo mundo adora e tem vontade de assistir. E essas são as três últimas chances, e com preços populares. Você tem uma récita à noite e duas à tarde. É a melhor programação da cidade neste fim de semana”, afirmou.
Mulheres
André Heller-Lopes já está trabalhando nas próximas atrações do Municipal. A primeira, programada para agosto, será uma ópera-balé com a obra Carmen, de Georges Bizet. “Este ano, a ideia toda é focar em cima da tragédia feminina, das grandes personagens femininas”, comentou. De acordo com Lopes, a trajetória da trágica heroína espanhola Carmen vem para o público em uma versão especial, que reúne de novo os três corpos artísticos do Municipal, com solistas do balé, do coro e da orquestra.
Este ano, o Theatro Municipal já apresentou as óperas Jenufa e Norma. Lopes esclareceu que, embora Carmina Burana não seja uma personagem feminina, a obra fala muito do papel da mulher. O nome Carmina Burana significa em latim Canções do mosteiro Benediktbeuern.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado