Igreja na Venezuela faz dia de jejum e oração pelo país nesta sexta

Arcebispo de Caracas destaca que a oração é forte e poderosa e convida fiéis a rezar pela situação da Venezuela

Da Redação, com Rádio Vaticano
Resultado de imagem para Igreja na Venezuela faz dia de jejum e oração pelo país nesta sexta
“Somente o Senhor pode nos ajudar a resolver a crise venezuelana”. Essas são palavras do arcebispo de Caracas, Cardeal Jorge Urosa Savino, que convoca os fiéis para o Dia de oração e de jejum pelo país nesta sexta-feira, 21.
“Estamos convencidos de que a oração é muito forte e muito poderosa. Devemos rezar ao Senhor para a solução dos nossos problemas e isso se aplica também à questão política. Temos uma crise muito forte, uma crise política, econômica e social na Venezuela. Somente o Senhor pode nos ajudar a resolvê-la”.
O arcebispo de Caracas acrescenta que os católicos irão pedir a Deus o dom da paz e do diálogo para buscar uma solução negociada a fim de resolver o que definiu como “gravíssimos problemas” da nação.
Quanto à consulta popular do último domingo, em que mais de 98% da população rejeitou a proposta do presidente Nicolás Maduro para reescrever a Constituição do país, o Cardeal Urosa Savino a definiu como uma “demonstração democrática de rejeição” a um instrumento político negativo, que seria a Assembleia Constituinte. “Se levada adiante, será gravíssimo e trágico para a nação venezuelana”, adverte o Cardeal.
Esta semana, o Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, manifestou mais uma vez sua solidariedade ao país. “Rezei muito para que Nossa Senhora do Carmo, tão amada e venerada na Venezuela, interceda junto ao seu Filho Divino por uma solução pacífica e democrática para o país. E para que as autoridades escutem o clamor do povo, que pede liberdade, reconciliação, paz e bem estar material e espiritual para todos, sobretudo para os mais pobres e desfavorecidos”.
De acordo com dados do Observatório da Cáritas Venezuelana, com uma inflação acumulada em 700%, a pobreza já afetou 82% da população. Em 2016, mais de 11 mil crianças morreram por falta de remédios e a mortalidade materna aumentou cerca de 70%. Mais de 90 pessoas foram assassinadas na Venezuela desde abril, no âmbito de protestos a favor e contra o Governo do presidente Maduro.

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

José, servo bom e fiel

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões