O 'Big Bang' do Caribe

Imagem de um video clip de escritor e música dominicana Rita Indiana.
Imagem de um video clip de escritor e música dominicana Rita Indiana.
Um verdadeiro furacão (Irma) e outro político (Trump) trazem desastre para o Caribe, enquanto sua cultura vive um momento de esplendor. Após o colapso do comunismo em Cuba e na Commonwealth de Porto Rico, seus escritores, músicos e artistas enfrentam a crise em um dos últimos cenários da Guerra Fria. De Rita Indiana a Junot Díaz passando pela Calle 13, uma avalanche de livros, exposições e discos mostra a vitalidade criativa de uma região em que as costuras de gêneros e blocos haviam saltado.
Este sábado, Babelia dedica seu relatório para analisar e explorar esse fenômeno. "Esses escritores e artistas (...) enfrentam o desconforto não resolvido de uma cultura permanentemente tensa entre alguns Estados Nacionais cujos limites são insuficientes e pertencem a um maior arquipélago cultural e físico, unido no entanto pelo que o divide". a maldita circunstância da água em todos os lugares "que Virgílio Piñera estava lamentando, violência, tirania, invasão, pobreza e impotência dos modelos ideológicos que tentaram resgatá-lo, por isso eles parecem dispostos a suturar, cultura, as deficiências de algumas fórmulas políticas embaladas às vezes sob a forma de utopia socialista e outras de distopia neoliberal ", escreve Iván de la Nuez.
Nas páginas a seguir, o leitor de Babelia encontrará as análises habituais dos livros da semana, seguidos por um texto da escritora e crítica literária argentina Nora Catelli sobre Virginia Woolf, sobre novas edições em espanhol de seus textos.
A seção de arte abre com um relatório de Anatxu Zabalbeascoa sobre uma nova geração de arquitetos que optam pela restauração ou reparo de estruturas antigas como forma de crescer mais a tempo, sustentável e ético do que a construção de ícones megalómanos.
A seção de música é liderada por Mark Cunningham, entrevistado em Barcelona por Ignacio Julià. O crítico de teatro Marcos Ordóñez escreve sobre a estréia de Crimen y cuón, da empresa Ron La Lá. E nas páginas de opinião desta semana a galeria é Beatriz Sarlo, juntamente com as assinaturas usuais de Antonio Muñoz Molina e Manuel Rodríguez Rivero.
El País

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Herança do governo golpista