Poesia com poder transformador

Image-0-Artigo-2348707-1
Bráulio Bessa, criador do projeto Nação Nordestina: cultura e poesia da região em evidência
De um milhão de seguidores no YouTube, conquistados com um notebook na cozinha de uma casa em Alto Santo, interior do Ceará, Bráulio Bessa hoje aparece para o dobro desse número, só em São Paulo, onde a média do Ibope para o programa Encontro com Fátima Bernardes alcança índices de mais de 8 pontos na escala.
Além dessa marca, o poeta cearense alcançou o número de mais de 134 milhões de visualizações na plataforma de entretenimento da Rede Globo, o GShow. Dos 45 vídeos mais assistidos no serviço online, 33 são de Bráulio - cálculo com dados de abril a dezembro de 2017. Destaque também para os compartilhamentos, de cerca de 5 milhões, e os comentários, que Bráulio ressalta serem a essência do seu trabalho.
"Quando vejo um vídeo meu ter mais de nove, dez milhões de visualizações, paro e penso que foram vidas de alguma maneira impactadas positivamente pela poesia. Acredito muito no poder da palavra, no poder transformador dela. É por isso que escrevo poesia", afirma o poeta, hoje ídolo de crianças, adolescentes, adultos e idosos.
Toda essa influência começou em 2014, quando Bráulio foi descoberto na internet pela equipe do programa de Fátima Bernardes. Mas sua história, permeada pelo orgulho de ser nordestino, começou bem antes, mais precisamente em 2011, quando criou a página Nação Nordestina, que lhe deu notoriedade nacional.
Prestou vestibular para Análise de Sistemas e, no último semestre, abandonou tudo para seguir seu sonho: "vou viver da minha poesia, da minha arte, do que escrevo", afirmou. Já familiarizado com a tecnologia e com o funcionamento das redes sociais, Bráulio começou a fazer vídeos para a internet.
A página, até hoje no ar e com o número expressivo de mais de um milhão de curtidas, tem como principal objetivo mostrar ao resto do País a riqueza da cultura do Nordeste, explorando manifestações como artesanato, culinária, música e tantas outras da vasta tradição existente na região.
Convite
Em 2014 Bráulio já era conhecido no mundo da internet. E nesse mesmo ano atingiria um público ainda maior, pela televisão. À época, por conta das eleições presidenciais, o Nordeste passou a sofrer diversos ataques xenofóbicos e o programa de Fátima Bernardes trouxe o tema à tona. "Descoberto", o cearense foi chamado para falar sobre o povo nordestino - à distância, online e via tablet.
A segunda participação também foi curta, dividindo o tempo com um paulista e um carioca. Dessa vez Bráulio estava ao vivo, no estúdio, e conquistou definitivamente o público e os produtores. O convite para ser consultor veio semanas depois, ainda sem as poesias declamadas. Passou a ter uma participação fixa, tornando-se especialista oficial em assuntos do Nordeste.
Telinha
Toda sexta é dia do poeta cearense entrar nas casas das pessoas pela manhã. Ele cria seu material na quinta, decora, declama no dia seguinte e esquece no sábado - brinca, ao falar sobre sua péssima memória.
Bráulio coleciona um longo catálogo de declamações ao longo desses três anos em que passou a "transformar a vida das pessoas através da poesia", como gosta de enfatizar.
Sobre as performances disponíveis via streaming no GShow, ele não vê necessidade de registrá-las em outras mídias, como um DVD, mas conta uma anedota que o estimulou a criar um produto que vá além da internet.
"Vi um 'caba' vendendo, nesses carrinhos de DVD pirata, CDs do Wesley Safadão, Xand do Aviões, As Coleguinhas. No meio tinha um intitulado: "O Melhor de Bráulio Bessa no Encontro". O cara baixou, teve a manha de baixar 40 poemas meus no programa, fez um DVD pirata e pronto, botou pra vender", conta Bráulio.
"Sinto a necessidade de documentar coisas que não vão para a tevê. Estou preparando um espetáculo para o teatro, um show de causos e cordéis, com música. Esse projeto tem produção feita com muito cuidado, muita paciência. A ideia é que se transforme em um material de vídeo, que as pessoas possam levar pra casa", adianta.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

14 etnias não têm seu idioma original preservado no Estado do Ceará

Adjetivando a vida

Intolerância: arma dos preconceituosos