Elogio do incômodo

Elogio do incômodo
Eu me queixei tanto sobre os obstáculos que penso que seria melhor fechar o ano comemorando-os como um elemento essencial da cultura carpetovetônica. Pertence à imprudente que fica na frente das escadas rolantes para refletir sobre o rabanete e longa vida para a senhora que pára de repente no meio de qualquer corredor como uma declaração simbólica de uma conquista íntima; Aplausos para todos os grupos que prolongam a reunião com os quais obstruem a borda de um bar longo, além das instalações, no meio da rua e vivem a senhora que interrompe seus passos para devolvê-la como uma parede com a qual ela tenta camuflar A conversa aborrecida que vem gritando no celular.
Comemore as centenas de motoristas que impedem o fluxo de veículos e até mesmo os passos de zebra com a desculpa inapelável para obter um snot ou olhar o telefone ou melhor ajustar as fofocas de uma reunião em que todos os convidados gritam parlamentos para impedir o curso de uma possível conversa e, por essa razão, comemoramos outro dia em que políticos e funcionários profissionais sem carteiras exibem a bela arte de dificultar a abordagem de possíveis soluções ou planos de convivência. Albricias, que olha para lá o casal amigável que pretende impedir o caminho no parque com a finalidade de denunciar a sua alegria forjada e ovação sonora por espirros, é jogado com um lenço e costumava cuspir no meio da estrada como para alertar todos para o possível contágio;Eu não sou ninguém, mas sou um incômodo para o resto da humanidade e inveja dos saxões ou ruminantes que fluem sem parar, que caminham até que se separem, que se dobram ao lado e renunciam à torrente que nos une por ônus , que nos dão as uvas na espera e que somos capazes de sufocar com uma bolacha para sincronizar seus próprios passos com o ritmo imprevisível dos gravames, a borda dos cotovelos que parecem inocentes e neste Madri, onde cada linha implica que alguém não está faltando Isso se adereàs suas costas, como se você perdeu seu caminho, como se o link da comunidade que lhe permita sentir a paz falhar, precisamente porque sempre haverá alguém que nos impede.
El País

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado