Brigitte Bardot publicará 'livro testamento

Protagonista de clássicos do cinema como "E Deus Criou a Mulher" (1956), milita há 40 anos pela causa animal.
Brigitte Bardot, em fotografia tirada em 1974, milita há muito tempo pelos direitos dos animais e lançará um livro no mês que vem.
Brigitte Bardot, em fotografia tirada em 1974, milita há muito tempo pelos direitos dos animais e lançará um livro no mês que vem. (AFP)

A ex-atriz francesa Brigitte Bardot, protagonista de clássicos do cinema como "E Deus Criou a Mulher" (1956), milita há 40 anos pela causa animal, publicará em 25 de janeiro um "livro testamento" que apresenta como "o balanço de sua existência, sua luta pelos animais e a confissão profunda de (seu) desgosto", anunciou na terça-feira (26) à AFP.
"Será o balanço de minha existência. Se chamará 'Lágrimas de combate'. Nunca escreverei outros livros. Será o balanço total de minha visão das coisas, da sociedade, da forma como fomos governados, da maneira como se trata os animais em meu país", declarou.
A editora Plon apresenta a obra como "um testamento animal", "uma reflexão inédita, serena e rebelde ao mesmo tempo, sobre sua existência e o sentido de seu combate".
Seu último livro, publicado em 2003, "Um grito no silêncio" (edições Rocher), causou polêmica por seus posicionamentos radicais.
A estrela do cinema, hoje com 83 anos, vive em Saint-Tropez (sudeste), onde publica comunicados contra caçadores, zoológicos, matadeiros e circos.
Bardot publicará na quarta-feira no jornal Le Parisien uma carta aberta ao governo francês, com motivo do lançamento de uma campanha contra os artigos de pele promovida pela fundação que leva seu nome.
"Estamos mal com este governo. (O presidente Emmanuel) Macron não tem a menor compaixão pelos animais e a natureza: em Chambord (oeste), acaba de parabenizar caçadores ante suas presas abatidas, ainda quentes! É escandaloso!", disse Bardot à AFP por telefone.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

MASP completa 50 anos de histórias

Cearense Mailson Furtado ganha o Prêmio Jabuti de livro do Ano