Pular para o conteúdo principal

Cientista japonês descobre vidro que se regenera

A descoberta abre as portas para a fabricação de um vidro mais resistente que pode triplicar a vida útil de produtos como janelas de carros, materiais de construção, aquários ou celulares.
Pesquisadores agora podem explorar maneiras de materiais mais leves e duráveis.
Pesquisadores agora podem explorar maneiras de materiais mais leves e duráveis. (AFP)

O cientista japonês Yu Yanagisawa desenvolveu, por acidente, um novo tipo de vidro que pode ser reparado moldando-se os pedaços, uma tecnologia que ainda está longe de chegar à indústria.
A descoberta abre as portas para a fabricação de um vidro mais resistente que pode triplicar a vida útil de produtos como janelas de carros, materiais de construção, aquários, ou telefones celulares.
O químico Yanagisawa, da Universidade de Tóquio, chegou por acaso a este resultado, quando investigava adesivos que podem ser usados em superfícies molhadas.
Embora esta descoberta não implique que seja possível - no curto prazo - colar as fissuras em um smartphone, por exemplo, essa tecnologia ajudará no estudo de como tornar os objetos mais duradouros.
Em uma demonstração de laboratório para a AFP, Yanagisawa quebrou um vidro em dois pedaços. Depois, juntou as duas metades durante 30 segundos até que o cristal se autorregenerou, chegando a um estado similar à forma que tinha antes da ruptura.
Para demonstrar a solidez da peça, colocou uma garrafa de água em cima dela, que permaneceu intacta.
Esse vidro fabricado a partir da combinação de um polímero e de uma tiourea (tiocarbamida) é mais próximo do acrílico do que dos cristais minerais usados nos telefones celulares, por exemplo.
Outros cientistas haviam conseguido demonstrar propriedades similares com borracha, ou com gel, mas Yanagisawa é o primeiro cientista a demonstrar as propriedades de autorregeneração com um vidro.
O segredo de sua descoberta está na tiourea, que usa a ligação de hidrogênio para dar ao cristal sua propriedade autoadesiva, explicou Yanagisawa em um estudo.
O protótipo ainda não é perfeito, e sua resistência diminui quando a temperatura chega aos 40ºC-45ºC. Além disso, essa tecnologia não pode ser aplicada a vidros já quebrados formados por materiais antigos.
"Não é realista pensar em consertar algo que está quebrado, mas sim criar resinas de vidro mais resistentes", disse Yanagisawa à AFP.
"Quando um material se rompe, é porque já havia acumulado pequenas cicatrizes antes", completou o cientista.
Para Yanagisawa, essa descoberta é um passo para o desenvolvimento de resinas mais resistentes.
"Poderíamos conseguir duplicar, ou triplicar, a vida útil de algo que atualmente dura 10, ou 20 anos", acrescentou.

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/