Chico Buarque estreia show 'Caravanas' em BH

Em janeiro, a turnê chega ao Rio de Janeiro e, em março, músico se apresenta em São Paulo.
Além de nove canções tiradas de Caravanas, o novo repertório traz ainda 19 canções de diversas décadas, desde o início dos anos 1960 até os dias de hoje.
Além de nove canções tiradas de Caravanas, o novo repertório traz ainda 19 canções de diversas décadas, desde o início dos anos 1960 até os dias de hoje. (Divulgação)

Chico Buarque está de volta aos palcos. E a estreia nacional de sua turnê Caravanas - inspirada em seu novo disco, homônimo, lançado em agosto -, ocorre na noite desta quarta-feira, 13, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte - a estreia de seu show anterior, Chico, também foi na capital mineira, há 6 anos. No Palácio das Artes, a temporada se estende até dia 17 de dezembro. O tour será retomado no ano que vem, de 4 a 21 de janeiro, no Vivo Rio; de 1º a 11 de março e de 22 de março a 1º de abril, no Tom Brasil; e depois segue para outras capitais.
Além de nove canções tiradas de Caravanas, o novo repertório traz ainda 19 canções de diversas décadas, desde o início dos anos 1960 até os dias de hoje. A lista de músicas deve ser mantida em segredo até o show desta quarta, mas, segundo material divulgado para a imprensa, “o roteiro inclui músicas nunca presentes em seus espetáculos oficiais, algumas ausentes dos palcos há muitos anos, além de clássicos e lados B oportunamente resgatados”, ao longo de cerca de 1h30 de show.
Um dos principais lançamentos de 2017 - e já em várias listas de melhores discos do ano -, Caravanas exibe Chico Buarque em suas essências, de cronista, de compositor de canções sobre o amor, a mulher, os casais apaixonados (ou não mais). O novo trabalho conta com a participação de seu neto, Chico Brown - os dois assinam a parceria inédita de Massarandupió. Tua Cantiga, primeira música do disco a ser divulgada, foi apontada como machista, mas as reclamações, sem sentido, perderam força com o tempo.
Quando Chico subir ao palco nesta noite no Palácio das Artes, certamente sentirá a ausência do baterista que o acompanhou por décadas, o saudoso Wilson das Neves, que morreu este ano - por isso, é possível que haja alguma homenagem a ele. Assim como no disco, Das Neves será substituído por Jurim Moreira. Ainda acompanham Chico na turnê o maestro, arranjador e violonista Luiz Claudio Ramos, João Rebouças (piano), Bia Paes Leme (teclados e vocais), Chico Batera (percussão), Jorge Helder (contrabaixo), Marcelo Bernardes (flauta e sopros).

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado