Pular para o conteúdo principal

Chanel anuncia modelo refugiada sul-sudanesa Adut Akech como novo rosto

EFEParis20 jul 2018
A nova campanha da Chanel para a pré-coleção outono-inverno 2018/2019, lançada nesta sexta-feira, tem como protagonista a modelo refugiada sul-sudanesa Adut Akech, que se torna uma das novas representantes após ter aberto e fechado os dois últimos desfiles da marca.
Akech foi no começo deste mês a segunda modelo negra a vestir um traje de noiva na passarela da marca, encerrando um desfile de alta-costura.
A "top model", que estreou pela Saint Laurent em setembro de 2016 e desfilou exclusivamente para a firma durante duas temporadas antes de alcançar uma fama maior, aparece na publicidade da Chanel, fotografada pelo diretor criativo da marca Karl Lagerfeld, com um vestido preto marcado sob o peito com cinto.
Nascida em 1999 no que agora é o Sudão do Sul (independente do Sudão desde 2001), passou sua infância no campo de refugiados de Kakuma, no Quênia, e com seis anos se mudou junto com sua família para Austrália.
Akech, envolvida na luta contra as armas de fogo, reivindicou sua condição de refugiada quando um programa de televisão recebeu críticas na Austrália por retratá-la como tal.
"Sou uma refugiada, é o que sou e não me envergonho e nem me irrito por isso. Sim, sou uma cidadã australiana e sou uma sul-sudanesa australiana, mas sigo sendo uma refugiada", disse em entrevista no jornal britânico "The Guardian" em 2017.
Após o desfile de julho, a modelo mandou uma mensagem em sua conta do Instagram animando os seus seguidores a se manter de pé em perante a adversidade.
"Pouco importa de onde veio ou para onde vai. Não percam a paixão e nem a perseverança e, sobretudo, não abandonem nunca porque acabarão alcançando seus sonhos", escreveu.
Nas novas imagens de Chanel, Lagerfeld a seleccionou para representar uma linha que encarna "a sobriedade e a elegância atemporal" e celebrar a "elegância e modernidade" da marca.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…