Pular para o conteúdo principal

Professores pedem tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural

por 
Quando inaugurado, em 1934, o prédio contava com cinco salas de aula, um espaço para diretoria e secretaria e dois pátios para recreio. Auditório foi construído depois. (Foto: Biblioteca/IBGE)
Juazeiro do Norte. Na última sexta-feira (06), um grupo de professores locais se reuniram, no Memorial Padre Cícero, para discutir o tombamento do prédio da antiga Escola Normal Rural do Município, fundada em 1934. Na ocasião, foi criada uma comissão composta por 12 pessoas da sociedade civil, representantes da Secretaria Municipal de Cultura, da Crede 19 e da direção da EEEP Professor Moreira de Sousa.
Neste primeiro encontro, foram discutidas as questões judiciais na elaboração de um projeto de tombamento que será pedido junto à Secretaria de Cultura do Ceará. Os professores temem que o prédio sofra algum dano em sua estrutura arquitetônica ou, até mesmo, sua demolição, já que o espaço se encontra ocioso. A ideia é pedir a cessão do prédio junto ao Governo do Estado e realizar atividades culturais no local.
Em junho de 2016 a fachada voltou a ser pintada. (Foto: EEEP Moreira de Sousa)
Os cursos profissionalizantes mantidos pelo EEEP Professor Moreira de Sousa ocupam apenas as salas da parte do prédio que se localiza na Rua do Cruzeiro. A parte do prédio a ser tombada fica na Avenida Dr. Floro, onde está a fachada original. A Prefeitura de Juazeiro do Norte está apoiando a iniciativa dispondo a equipe técnica da Secretaria de Cultura.
Segundo o professor e pesquisador Daniel Walker, um dos colaboradores do projeto, neste primeiro momento a equipe está cuidando de reunir a documentação e fazer o levantamento do local. “Nós estamos preocupados. É um prédio ocioso, por isso, estamos temendo duas coisas:  ele estragar com o tempo e acaba caindo ou passar a sediar alguma outra atividade e fazer uma série de mudanças, adaptação e perder características”, explica.
Lá, funcionou o antigo Museu Pedagógico, que mostrava as atividades realizadas na Escola Normal Rural. Por isso, o objetivo da comissão é manter no local alguma atividade ligada a educação e cultura como antes. “Manter uma fachada parecida e que quando fazer a restauração, fique do mesmo jeito. Se não tiver cuidado e correr, será deformado. Não é bom que fique ocioso”, acrescenta Daniel.
Além disso, Daniel Walker acredita que o projeto pode começar a criar a “cultura de tombamento” em Juazeiro do Norte, já que, segundo ele, muitos prédios históricos tem se tornado estacionamentos. Na próxima sexta-feira (13), o grupo volta a se reunir para distribuir as tarefas e elaborar os documentos necessários para o pedido.
História
A Escola Normal Rural de Juazeiro, fundada em 13 de junho de 1934, foi a primeira no gênero criada no Brasil – a segunda na América do Sul -, sendo um marco na educação juazeirense. Como na época havia uma maioria da população morando na zona rural, a instituição fornecia disciplinas contextualizadas para a agricultura, ligadas ao modo de produção no campo e colheita. Mas lá também havia o chamado “curso pedagógico”, que seria o curso normalista.
A escola também tinha a finalidade de formar docentes para a educação no campo, com intenção de realizar um dos sonhos de Padre Cícero Romão Batista. O primeiro exame admissional ocorreu no dia 13 de março de 1934, no Orfanato Jesus Maria José. Até a edificação ficar pronta, foi no lar para crianças que aconteceram as primeiras aulas. Depois de inaugurado, o prédio contava com cinco salas de aula, um espaço para diretoria e secretaria e dois pátios para recreio.
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…