Nomes da literatura cearense serão destaque no carnaval carioca em 2019

Por G1 CE
 
Rachel de Queiroz é uma das homenageadas pela escola de samba União da Ilha do Governador no carnaval do Rio de Janeiro em 2019.  (Foto: Acervo Rachel de Queiroz/Instituto Moreira Salles)Rachel de Queiroz é uma das homenageadas pela escola de samba União da Ilha do Governador no carnaval do Rio de Janeiro em 2019.  (Foto: Acervo Rachel de Queiroz/Instituto Moreira Salles)
Rachel de Queiroz é uma das homenageadas pela escola de samba União da Ilha do Governador no carnaval do Rio de Janeiro em 2019. (Foto: Acervo Rachel de Queiroz/Instituto Moreira Salles)

Dois dos principais nomes da literatura cearense serão o tema da agremiação União da Ilha do Governador para o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro em 2019. A escola propõe o enredo "A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu", com referência a Rachel de Queiroz e José de Alencar.
O enredo é desenvolvido pelo carnavalesco Severo Luzardo e foi lançado oficialmente em 8 de julho. De acordo com a organização da União da Ilha, o tema traz "o desejo de levar para a avenida em 2019 uma proposta lúdica e prazerosa, que aproxima cultura popular e educação".

Os escritores

 
O enredo "A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu" também faz referência ao escritor José de Alencar.  (Foto: Reproducao)
O enredo "A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu" também faz referência ao escritor José de Alencar. (Foto: Reproducao)

José de Alencar é apontado como um dos principais escritores da literatura brasileira. Nasceu em 1º de maio de 1829 em Messejana, que à época ainda era um município. Foi um dos introdutores do Romantismo no Brasil, tendo escrito obras como Iracema, O Guarani, Senhora e Lucíola. Foi homenageado como um dos patronos da Academia Brasileira de Letras, fundada pelo escritor Machado de Assis em 1897, vinte anos depois da morte de Alencar.
Rachel de Queiroz, por sua vez, nasceu em 17 de novembro de 1910, em Fortaleza, com destaque na ficção social nordestina. Chamou a atenção no meio da escrita ainda aos 19 anos, quando publicou o livro O Quinze, uma das obras inaugurais do romance regionalista brasileiro. Escreveu ainda romances como As Três Marias, Memorial de Maria Moura e Dôra Doralina. Foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras, em 1977. Rachel de Queiroz morreu aos 92 anos, em novembro de 2003, conforme a Academia Brasileira de Letras.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

15 de novembro de 1889

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA