Pular para o conteúdo principal

Flip: homenagem destaca Hilda que fez valer direito de ser diferente

A escritora Hilda Hilst é a homenageada deste ano na Festa Literária de Paraty
O clima transcendental da obra de Hilda Hilst, sua inventividade e seu clamor por leitores ganharam forma na abertura da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), com a atriz Fernanda Montenegro lendo trechos de seus textos e a compositora Jocy de Oliveira apresentando óperas em homenagem à escritora.
O público lotou o auditório da Flip e também a tenda montada na Praça da Matriz para quem quiser acompanhar as mesas de graças no Centro Histórico de Paraty. Sem lugar em ambos os espaços, outra parte do público se espremeu embaixo das árvores e telhados dos sobrados do Centro Histórico de Paraty, quando a chuva fina se tornou mais forte, ainda nos primeiros momentos da apresentação da atriz.

banner Flip 2018
Fernanda Montenegro fez uma leitura vigorosa e intensa de textos da escritora. "Leiam-me. Não me deixem morrer", clamava em um dos trechos. Em outro, Hilda confessava que escrevia por debilidade, em uma tentativa de se aproximar do outro - tentativas essas que renderam suas obras de ficção e dramaturgia. "A distância ainda era muito grande", desabafou. Na voz de Fernanda Montenegro, Hilda Hilst narrou que sempre se sentiu diferente, pois havia nela uma grande compaixão pela vida e pelo mundo, por ter sempre diante de si a perspectiva da finitude e da morte.
Trechos pornográficos e bem humorados também permearam a leitura da atriz, que arrancou risadas do público com um texto que narra a criação de um exército de extermínio formado por "velhinhas", que cutucariam as nádegas dos poderosos e corruptos.
Fernanda terminou a leitura de pé, exaltando a escritora, que é de sua geração. "Maravilhosa Hilda Hilst! Inesgotável Hilda Hilst!", exclamou emocionada.
O segundo ato da homenagem de abertura teve duas óperas da compositora multimídia Jocy de Oliveira, pioneira do gênero no Brasil. Duas sopranos apresentaram primeiro a peça  Ouço vozes que se perdem nas veredas que encontrei, composta por Jocy em 1981.
A compositora leu um texto de homenagem a Hilda Hilst e destacou primeiro o caráter místico de sua obra e suas tentativas de contato com o mundo dos mortos quando se isolou em uma chácara em São Paulo, chamada de A Casa do Sol. Hilda Hilst espalhava gravadores pela casa na tentativa de captar vozes do além, e a morte era tema frequente em sua obra. Em um segundo momento, Jocy destacou a inventividade da literatura de Hilda e a ousadia de ser uma mulher disposta a escrever sem pudores no Brasil de sua época.
"Hilda fez valer seu direito de ser diferente, viveu intensamente enfrentando os paradigmas de sua época", disse ela. "São muitas as Hildas. Ela encarna um universo poético único e nos representa como mulheres. A força perturbadora e inebriante de sua escrita nos cativa pela fluidez e pela riqueza de imagens e profundidade de seu pensamento. Nós, mulheres, somos todas Hilda".
Para terminar, Jocy elencou a uma ópera de sua autoria que retrata a história de Medeia, clássico da tragédia grega. Com um ponto de vista político, a composição enfocou uma Medeia imigrante, discriminada e considerada terrorista pelos homens de seu tempo. "Questões extremamente pertinentes no mundo atual", pontou a compositora.
*O Repórter viajou a convite da empresa EDP, patrocinadora da Flip 2018.
Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…