Cearense é escolhida para representar o Brasil em assembleia da ONU para a juventude

Impacto social, desenvolvimento sustentável e desigualdade: esses e outros temas serão debatidos pela cearense Mariana Saraiva, de 22 anos,  na 20ª Youth Assembly, a assembleia da Organização das Nações Unidas(ONU). A jovem foi selecionada para representar o Brasil no encontro de jovens que se destacam pela liderança nas comunidades onde vivem.
O evento será realizado em Nova Iorque, na sede da instituição, entre 9 e 12 de agosto deste ano. Para participar, a jovem estudante de arquitetura precisa de apoio financeiro.
A Youth Assembly é a maior conferência jovem sobre os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Ela foi criada para mostrar os problemas mundiais de desenvolvimento e discutir ideias e soluções que integrem os jovens. Os selecionados também vão participar de cursos em universidades americanas, workshops sobre desenvolvimento e implementação de projetos de impacto.
O interesse por questões sociais vem desde a infância, quando visitou comunidades carentes da cidade com a mãe. A partir daí, nasceu a vontade de ver um mundo melhor. Mas foi ao entrar na faculdade de Arquitetura e Urbanismo que a mente se abriu para outras possibilidades.
“Quando entrei na faculdade, percebi que as questões que me incomodam (miséria, degradação ambiental e desigualdade social) estão todas interligadas e ouvi pela primeira vez sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU”, conta Mariana.
Mariana já colaborou com vários projetos como Jovem Voluntário, cuidando de crianças doentes; e como professora do Jovens Líderes, com foco no empoderamento de estudantes do ensino médio de escolas públicas. Ela também atuou no FortalezaSoup, na ONG TETO e n’A Paz no Palco, que foi o selecionado para ser apresentado na Clinton Global Inciative, em Chicago.
Para participar como delegada na assembleia para jovens da ONU em agosto, ela precisa de apoio financeiro, pois o programa não possui bolsas. Ao todo, entre valores de cursos, hospedagem, alimentação e passagens,  a despesa chega a R$ 18 mil reais.
“A embaixadora brasileira da Youth Assembly até criou um programa de bolsa, mas como é voltado para as pessoas em condições de vulnerabilidade econômica, não pude concorrer, pois sou considerada de classe média. Entretanto, não tenho condições de arcar com os custos de $ 3.900,00 dólares (aproximadamente R$ 14.600,00, apenas dos cursos). Minha mãe é servidora pública e, com muita dedicação, paga meus estudos”, explica a jovem.
Mariana Saraiva, cearense, ONUMariana com outros voluntários do Projeto CASA, que ajudou a construir residências em São Paulo. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Questões sociais

A jovem cearense se dedica desde pequena a temas voltados para a questão social. Não por acaso, sonha em dedicar-se mais à ajuda ao próximo.
“Meu grande objetivo é trabalhar com impacto social e me identifico muito com as carreiras dentro da ONU. Participar desse evento irá aportar conhecimentos e contatos que poderão abrir portas para futuros projetos e para o escalamento dos que já estão em andamento. A troca de experiências e a formação de parcerias com uma comunidade de jovens que estão envolvidos no mesmo movimento de transformação e impacto sustentável representa muito para mim”, disse.
Sobre o desafio de tentar melhorar a realidade diante de tanta desigualdade? Mariana é enfática ao afirmar que a tarefa precisa ser coletiva e passa pelos valores da sociedade.
“O maior desafio está na educação de valores. Muito se fala sobre a questão da educação, mas diploma não garante mudança de atitude. Precisamos trabalhar os valores de respeito, igualdade de direitos, cultura de paz e empatia dentro da própria sociedade, porque a desigualdade não vai acabar por conta de alguma ação política, mas de uma mudança na forma de pensar (e agir) das pessoas”, destaca.
Pensar o futuro é agir agora. E assim, jovens como Mariana mostram como é possível pensar a sociedade, o meio ambiente e os desafios para as próximas gerações, formando uma consciência coletiva e pensando o desenvolvimento sustentável.
Os interessados em contribuir com a missão da Mariana, em Nova Iorque, podem entrar em contato com ela pelo número 85-99735-6510 ou através do e-mail mariana.saraivamp@gmail.com.

Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado