Pular para o conteúdo principal

Professora mantém biblioteca comunitária na periferia de Paraty

Enquanto livrarias e editoras de renome seduzem o público no Centro Histórico de Paraty para formar mais leitores e aumentar seu mercado, a Biblioteca Comunitária Cora Coralina, da periferia da cidade, também aproveita o período da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) para divulgar seu trabalho e a importância da leitura. Em uma tenda com livros de autores como Eric Hobsbawm e Simone de Beauvoir, a professora Claudia Bianconi recebia os visitantes e contava sobre o seu projeto.
"As pessoas passam aqui, ficam curiosas e querem comprar os livros. Mas a gente está em uma feira e não está vendendo quase nada. O interessante é divulgar o trabalho e mostrar que estamos aqui na resistência", disse Claudia, que, apesar disso, tem um pequeno sebo na frente de sua tenda, montada na área reservada pelo evento para comunidades tradicionais e chamada de Ocupa Paraty.
banner Flip 2018
A biblioteca comunitária foi fundada em 2012 pela professora, que começou o trabalho voluntário com a doação de livros infantis recebidos da Flip e passou a tocar o projeto na varanda de sua casa. Outra doação importante veio de um italiano que vivia em Paraty e voltou ao seu país de origem deixando seus livros para Claudia. A partir daí vieram livros de várias partes do país e o acervo já tem mais de mil títulos.
Na época da primeira doação, a fundadora dava aulas na educação de jovens e adultos e recebeu a sugestão de uma colega pedagoga. O nome da biblioteca foi inspirado nos próprios alunos, já que Cora Coralina foi uma escritora de origem humilde e que começou a publicar tarde, quando já tinha mais de 70 anos.
"Eu tinha aluno até de 70 anos, e me veio a figura dela. Nessa coisa de começar tarde, ela é um bom exemplo. É uma pessoa popular, bem do povo. E isso se identifica bastante com o bairro onde eu moro".
O bairro do Condado fica a poucos quilômetros do Centro Histórico de Paraty, mas a distância social entre os vizinhos de Claudia e os visitantes e empresários que lotam a área turística é bem maior.
"É um bairro novo, que começou a crescer rapidamente, estou lá há dez anos, quando construíram a ponte que dá acesso ao bairro. Lá é bastante popular, e tem também caiçaras de Paraty que nasceram aqui e foram expulsos de seus locais de origem", diz ela. "Muitas pessoas têm medo de entrar no bairro onde eu moro, porque acham que é um bairro violento. Mas violência a gente pode discutir que existem muitas outras que a gente passa no dia a dia".
Os caiçaras citados por Cláudia são povos tradicionais que habitam a costa do Sul e do Sudeste do Brasil e nasceram da mistura entre negros, índios e brancos. Sua cultura é ligada à pesca e suas comunidades costumam coexistir com áreas de Mata Atlântica.
Além dos empréstimos de livros para pessoas de todas as idades, a biblioteca de Cláudia se tornou um espaço de convivência para crianças, que duas vezes por semana povoam sua varanda de brincadeiras e risadas.
"Quem realmente frequenta são as crianças. Sempre que eu abro elas aparecem para brincar".
*O repórter viajou a convite da EDP, empresa patrocinadora da Flip 2018
Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/