Pular para o conteúdo principal

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos

por Maria Esther Maciel - Folhapress
Nietzsche
O filósofo alemão Friedrich Nietzsche é um dos personagens/ interlocutores/ inspiradores da obra híbrida do escritor Juliano Garcia Pessanha
O que primeiro chama a atenção no livro "Recusa do Não-Lugar", de Juliano Garcia Pessanha, é a dedicatória: "Às goteiras e rachaduras, que escancaram a urgência". Inserida estrategicamente após a epígrafe do filósofo alemão Peter Sloterdijk - "Calamidades humanas, boa oportunidade para o ser!" -, não deixa de condensar o que se desdobra ao longo de nove capítulos.
Trata-se de um livro heterogêneo, feito da mistura de reflexões filosóficas, relato autobiográfico, aforismos e apontamentos críticos sobre literatura contemporânea, no qual Juliano Garcia Pessanha cria uma relação de intimidade com o leitor para discorrer sobre filósofos, escritores e fatos traumáticos de sua própria vida.
Mas longe de se ater aos desastres da existência, como fizeram muitos dos autores que evoca (entre eles Nietzsche, Kafka, Heidegger e Blanchot), Pessanha desvia-se do caminho da negatividade e, amparado pelo conceito de esferologia de Sloterdijk, busca a passagem do fora para o dentro, da exclusão para a inclusão, da orfandade original para o aconchego do mundo.
Assim, recusa o que chama de "self negativo" e, na contramão da filosofia do nada, predominante no século XX, centra-se na positividade do encontro, do abraço e dos espaços interiores que permitem as relações de intimidade.
Num dos capítulos mais originais do volume, é Nietzsche quem assume uma espécie de primeira pessoa póstuma para falar de si, de sua filosofia e do próprio Pessanha.
Um artifício que sinaliza não só afinidades do escritor com um de seus mestres como também o seu atual processo de distanciamento em relação aos filósofos do abismo. Esse movimento de releitura dos precursores e, ao mesmo tempo, de recusa do não lugar que eles legitimaram, também se dá a ver nos capítulos dedicados a Heidegger, para quem Pessanha olha "de forma estrábica e complementar", assim como fez Sloterdijk ao privilegiar o nascimento humano em detrimento do "ser-para-a-morte" enfatizado na filosofia heideggeriana.
Embora as questões discutidas pelo autor sejam densas e complexas, o viés performático de sua abordagem dissipa o peso que poderia se esperar do livro, tornando-o fluido e, muitas vezes, pungente.
São frequentes as histórias dolorosas que o atravessam, sobretudo quando Pessanha fala da experiência de abandono e solidão que viveu desde o nascimento, quando sua mãe, ao invés de lhe dar à luz e acolhê-lo, lançou-o na escuridão e no vazio da existência.
Por outro lado, consegue extrair de suas calamidades uma escrita que, na recusa urgente do nada, busca novos paradigmas para a filosofia e a literatura do nosso tempo.
Livro
1
Recusa do Não-Luga
Juliano Garcia Pessanha
UBU
2018, 192 páginas
R$ 42

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…