Pular para o conteúdo principal

Por que devemos estudar o português

Carlos Delano Rebouças*

De vez em quando sou indagado por alguns alunos sobre a real importância dos conhecimentos de Língua Portuguesa para a vida, ou seja, em que se pode aplicar diante de tanta ênfase que nós professores a damos sobre a sua relevância.

A princípio, justificamos pelo fato de ser nossa língua materna, esta mesma que usamos como ferramenta principal na nossa comunicação diária com os demais usuários, e que por isso devemos defender a sua melhor utilização no que se refere ao atendimento de sua norma culta. Em outras palavras, uma questão de respeito.

Também acredito que precisamos dominá-la com excelência, embora exista a defesa de que o mais importante é que haja a perfeita compreensão da mensagem enviada dentro do processo de comunicação. Contudo, quando essa interação comunicativa verbal não se realiza de acordo com a norma culta da língua portuguesa e ainda envolvendo partes dominantes de suas regras gramaticais, sem demora surgem as primeiras manifestações de desaprovação dos textos construídos, as quais se configuram em críticas com cara de preconceito. Nasce assim o preconceito linguístico.

Esse preconceito, não obstante seja percebido pelas suas vítimas, a ele pouco se dá atenção no cotidiano social, contudo, suas consequências são facilmente vistas nas mais diferentes e comuns situação do dia a dia. Por exemplo, no exercício profissional, quando se produz um documento oficial ou mesmo um simples e-mail enviado, percebe-se que seus autores se tornam alvos de piada devido aos excessivos erros percebidos. Também quando se candidatam a uma oportunidade de emprego e têm que produzir uma redação sobre temas diversos. Logo se estabelece o terror para muitos candidatos e a lamentação para que fará a correção. 

Embora se tenha a certeza dessa realidade - que faz com que nossos argumentos estejam sempre em dia para embasar a resposta que devemos dar a quem nos indaga sobre a importância do domínio da norma culta da língua portuguesa - lamenta-se bastante por nem sempre surtir o efeito esperado, que é o de levar o indagador a aceitá-los como uma verdade inquestionável, resultando na conscientização de que deve existir um esforço para melhorar seus conhecimentos, mesmo que não seja por amor, nem mesmo por respeito, mas por necessidade. Contudo, acreditamos que pode se tratar de um contexto transformável, quem sabe a começar pelo sepultamento de tão inaceitável indagação.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …