Pular para o conteúdo principal

Flip expande próprios horizontes ao abrir espaços para parceiros

A 16ª edição da festa terminou nesse domingo, com a cara mais diversa nos últimos anos.


Para presidente da Liga Brasileira de Editoras, Raquel Menezes, a Flip 2018 confirma que a Flip 2019 será palco para as independentes.

Para presidente da Liga Brasileira de Editoras, Raquel Menezes, a Flip 2018 confirma que a Flip 2019 será palco para as independentes. (Luciana Serra/Estadão Conteúdo)
Enquanto o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, era seguido por "fãs" e discutia numa mesa um tema espinhoso e urgente como a judicialização da política, do outro lado do centro histórico de Paraty um grupo de jovens subia num barco ancorado para debater literatura, mercado editorial e também outros temas políticos. A 16ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) terminou nesse domingo, 29, com a cara mais diversa da Festa nos últimos anos.
Avaliada como "extremamente positiva" pela produção da Flip, a parceria com as casas colaborativas de editoras, veículos de comunicação e entidades floresceu e trouxe mais gente para a cidade. Ainda não há um número fechado, mas a ocupação das ruas era visivelmente maior do que em 2017.
As mudanças têm o dedo da curadora Joselia Aguiar que, desde o ano passado, trouxe a preocupação de expandir os horizontes da Flip, levando mais autores mulheres e negros para a programação principal, mas também oferecendo espaço para editoras pequenas.
"Em 2017, os autores estavam na programação para falar de vários assuntos, não só disso, mas era o que sempre aparecia nas notícias. Como este ano a homenageada era Hilda Hilst, que trata de temas como amor, morte, Deus, as pessoas mudaram a chave", comentou. Para ela, essa face da Flip se estabilizou. "Vai ser assim sempre", disse. A organização não confirmou se a jornalista continua no comando.
Entre as novidades prometidas para 2019, um aplicativo e um painel de LED a ser instalado na Praça da Matriz com a programação de todas as casas parceiras - como os espaços atuam de maneira independente, é difícil acompanhar a lista de eventos ou mesmo produzir material impresso com antecedência. Segundo a produção, 90% dos assentos da Tenda do Autores foram ocupados, com 6.820 pessoas passando ali até o sábado.
O clima entre as editoras independentes era de missão cumprida com sucesso. "Tivemos a Casa Libre e Nuvem de Livros cheia todo o tempo, ápice na homenagem a Marielle Franco", diz a editora Raquel Menezes, presidente da Liga Brasileira de Editoras. "Mais de cem pessoas estavam do lado de fora para ouvir Conceição Evaristo." Para ela, a Flip 2018 confirma que a Flip 2019 será palco para as independentes.
E um tom nostálgico marcou a última mesa de debates da 16ª Flip, no domingo, 29. Três artistas que tiveram um contato próximo com Hilda Hilst relembraram momentos que ajudaram a compor seu perfil. "Hilda era rock’n’roll, uma mulher irreverente e original", comentou o músico Zeca Baleiro, que lançou um disco com poemas dela como letra. "Apesar de viver um personagem, ela falava com sinceridade", atestou o fotógrafo Eder Chiodetto, que registrou imagens de Hilda para o livro O Lugar do Escritor. "Hoje, percebo que escolhi encenar O Caderno Rosa de Lori Lamby porque é sua obra mais alegre", confessou a atriz Iara Jamra, sobre o trabalho que interpretou nos anos 1990.

Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…