MALALA

Grecianny Cordeiro*
Todo mundo já ouviu falar de Malala, a jovem paquistanesa que, corajosamente, enfrentou o extremista regime talibã com uma arma fatal: o conhecimento.
Quando o talibã se instalou no Paquistão, mais de 400 escolas foram destruídas e as mulheres foram impedidas de participar da vida social e de frequentar as escolas.
Ainda assim, Malala ia para a escola e, encorajada pelo próprio pai, um educador, no ano de 2009, sob o uso de um pseudônimo, começou a escrever em um blog o “Diário de uma estudante paquistanesa”, divulgado pela BBC, por meio do qual relatava os terrores do talibã, ao tempo em que defendia o direito à educação pelas meninas.
A luta de Malala ganhou o mundo (...)
Em 2012, Malala seguia em um ônibus, quando este fora invadido por homens armados, os quais perguntavam sobre a mesma. Quando identificada, um homem atirou em sua cabeça.
Gravemente ferida, Malala foi levada para a Inglaterra, onde fora operada, sobrevivendo ao infortúnio.
Desde então, Malala passaria a estudar em Birmingham e fora reconhecida mundialmente, sendo laureada com o Nobel da Paz (...)
Malala colheu os frutos de sua luta e, por meio do Fundo Malala, propicia a educação a milhares de meninas, sendo uma voz altiva e ativa em prol do empoderamento feminino.
No Brasil, no mês de julho, Malala se fez ser ouvida, nos mostrando acerca da importância da leitura; da necessidade de trabalhar a diversidade nas escolas como estímulo à tolerância; na busca pela paz; o crucial papel do homem em favor do empoderamento feminino e no fim do machismo.
Para Malala, a melhor vingança contra aqueles que tentaram contra sua vida foi levar a educação às pessoas pelo mundo inteiro.
E alertou que devemos usar o poder do voto para eleger pessoas capazes de nos representar.
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
Que nós, brasileiros, possamos aprender com Malala, nos vingando de todo o mal que os políticos fizeram e nos fazem, propagando a educação e a cultura.
Que nós, brasileiros, possamos eleger alguém capaz de nos representar.
*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado