Pular para o conteúdo principal

Fernanda Montenegro em noite histórica na Flip 2018

A Sessão de Abertura da 16ª Festa Literária Internacional de Paraty – Flip trouxe a obra de Hilda Hilst, Autora Homenageada desta edição, interpretada por dois grandes nomes da arte brasileira: a atriz Fernanda Montenegro, que realizou uma leitura dramática de textos da autora, sob direção de Felipe Hirsch, e a compositora Jocy de Oliveira, que criou uma apresentação especial para a abertura da Flip. A Sessão de Abertura contou também com falas do diretor geral do Programa Principal, Mauro Munhoz; Liz Calder, presidente da Flip; e Joselia Aguiar, curadora da edição.

“Nossa Sessão de Abertura é um símbolo de artes e gêneros que não têm fronteiras entre si. Teatro, música e literatura integrados”, afirmou Mauro. Na sequência, subiu ao palco do Auditório da Matriz Liz Calder, que deu boas-vindas aos paratienses e aos visitantes da Flip. “Estou feliz da vida com o nosso programa deste ano e, especialmente, com essas duas mulheres magníficas”, disse ela, em referência à participação de Fernanda e Jocy. Joselia relacionou Lima Barreto, Autor Homenageado 2017, e Hilda Hilst – os dois navegantes de vários gêneros, que não fugiram às questões de sua época. “Neste ano temos uma Flip mais intimista, sem deixar de tocar em temas candentes: o racismo, a violência religiosa e de gênero”, pontuou Joselia.

Leitora de Hilda Hilst, Fernanda Montenegro declamou textos da escritora que assinalam sua face política, erótica, cômica e metafísica. “Sempre me perguntaram por que eu escrevo, e uma palavra que eu não tinha lembrado – talvez quem sabe por amor próprio – é a palavra debilidade. É uma sensação de debilidade maior do que de força, o ato de escrever”, leu Fernanda. E a atriz deu também voz a íntimas confissões da escritora: “Parece que eu consegui dizer coisas poeticamente de verdade”. Também à dor de não ser lida. “Acho que as tentativas que eu fiz em seguida, meu teatro, a ficção, foram tentativas de aproximação, um ir em direção ao outro. Mas algo de trágico aconteceu, porque foi um fracasso completo.” Aplaudida de pé, Fernanda se despediu festejando a autora: “Maravilhosa Hilda Hilst, inesgotável Hilda Hilst, amada Hilda Hilst!”.

Então surgiram da plateia as sopranos Gabriela Geluda e Doriana Mendes, que executaram parte da obra Ouço vozes que se perdem nas veredas que encontrei, de Jocy de Oliveira – em menção às vozes do além-mundo que Hilda buscava capturar em seu gravador. Jocy chamou atenção para a presença da morte na obra da escritora: “Em 1970, Hilda decidiu mergulhar em curiosas experiências tentando registrar vozes de mortos. Hilda tentava se comunicar com outros mundos”. Ao apresentar sua segunda obra que trouxe à Flip, Medea Solo, Jocy associou a transgressão de Hilda à da personagem mitológica Medeia. “Foi no grito das mulheres guerreiras excluídas que resgatei o grito de Medeia, o direito de ser diferente num mundo em que ela foi considerada terrorista. A Medeia desterrada, discriminada: questões pertinentes do mundo atual.”

Declarou por fim: "São muitas as Hildas. Ela encarna um universo poético único e nos representa como mulheres. Nós, mulheres, somos todas Hilda".

Fonte: Flip.org.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…