Pular para o conteúdo principal

Revista Bote Fé, da Edições CNBB circula com reportagens especiais e sugestões de leitura

Revista Bote Fé, da Edições CNBB circula com reportagens especiais e sugestões de leitura
A Editora da CNBB está circulando a revista “Bote Fé” edição nº 24, correspondente aos meses de julho, agosto e setembro de 2018, com uma matéria especial sobre a formação presbiteral. Este inclusive foi o tema central da 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), realizada no mês de abril, em Aparecida, São Paulo. Na ocasião, o episcopado brasileiro aprovou novas diretrizes para a formação dos presbíteros e aguarda a confirmação do texto pela Congregação para o Clero do Vaticano. A reportagem apresenta o itinerário de formação comentado por seminaristas e padres.
Padre Luís Fernando da Silva, diretor editorial da “Edições CNBB” destaca que a matéria sobre a formação presbiteral chama atenção para a questão da dimensão do cuidado. “Quando se fala de formação hoje nós não falamos mais de uma perspectiva meramente acadêmica, nós falamos de uma perspectiva de cuidar do ser humano que está sendo formado, então que os nossos ambientes formativos de fato sejam ambientes que cuidem do ser humano para que depois, consequentemente, quando os seminaristas se tornarem presbíteros se tornem também cuidadores de outros seres humanos”, destaca.
Outra matéria da revista “Bote Fé” trata da questão da obesidade infantil, que cresce de forma sistemática no Brasil e é hoje uma das maiores preocupações de todos os que lutam para que as crianças tenham um desenvolvimento saudável, como é o caso da Pastoral da Criança, organismo de ação social da CNBB. A reportagem traz uma abordagem da importância de uma boa alimentação e medidas que podem ser tomadas pelos pais para evitar o problema de saúde pública.
“Quando se fala de obesidade infantil hoje nós temos duas perspectivas. A primeira é a questão do cuidado, contudo, é um cuidado também que está por trás do próprio capitalismo que quer gerar não pessoas, quer gerar consumidores. Então com essa matéria queremos ajudar o nosso público e os nossos grupos, as nossas comunidades e colocá-los na dimensão da pessoa e não do consumidor”, destaca padre Luís Fernando.
O professor Pedro Gontijo, doutor em Filosofia pela Unicamp e membro da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP), organismo da CNBB, foi o convidado especial da ‘entrevista’ e falou sobre o processo de eleição que tem início em agosto deste ano. Um processo que, segundo ele, se anuncia marcado por um forte maniqueísmo político. Em sua visão, o remédio para os problemas da democracia não é reduzir a democracia. “Precisamos ampliar as possibilidades de exercício democrático”, disse.
Resenhas e artigos – A Revista Bote Fé apresenta ainda duas resenhas sobre publicações da Edições CNBB. Uma aborda a publicação “É possível um sujeito eclesial?”, da Coleção Sal e Luz, e a outra “Uma Paróquia Vocacional”, cujo autor é o Amadeu Cencini.
Dom José Antônio Peruzzo, arcebispo de Curitiba e presidente da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB escreve um artigo sobre “Bíblia e Catequese”, e dom Severino Clasen, bispo de Caçador e presidente da Comissão para o Laicato da CNBB fala sobre os “Cristãos leigos e leigas”, devido ao Ano Nacional do Laicato.
Além das reportagens, entrevistas, artigos e resenhas, a Revista Bote Fé apresenta para as igrejas particulares importantes publicações, e como adquiri-las. Segundo padre Luís Fernando, a publicação é um instrumento de comunicação da Edições CNBB em parceria com a assessoria de imprensa da entidade e funciona como uma ponte criada entre as dioceses, paróquias e comunidades religiosas. “Por meio desse veículo além do acesso a artigos, reportagens e entrevistas de qualidade, os leitores podem ainda se atualizar das últimas publicações oficiais da CNBB e conhecer os produtos que ajudam na vivência da ação evangelizadora da Igreja no Brasil”, disse.
 
CNBB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…