Pular para o conteúdo principal

Fotógrafa lança livro e abre exposição em Fortaleza

por Roberta Souza - Repórter
Imagens presentes no livro "A Casa do Ser": detalhes da morada de dona Nica, interior de Minas Gerais, que pelas lentes de Ana Póvoas viraram uma narrativa visual sobre o universo rural do País
Ana Póvoas já teve várias casas. Carioca, mudou-se para Fortaleza aos 14 anos, onde viveu até os 26, graduando-se em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará. Hoje reside em Pirenópolis, Goiás, mas nas andanças como fotógrafa, segue fazendo de diferentes lugares o seu próprio lar. No povoado de Furnas, a 15 km de sua residência, encontrou, em 2007, a casa de dona Nica, um lugar parecido com muito cantinho do Brasil rural. E, com uma câmera na mão, moldou a residência que ganha as páginas do livro e as paredes da exposição "A Casa do Ser", em cartaz na Imagem Brasil Galeria, a partir das 10h de hoje (21).
"O trabalho todinho é dentro de uma casa só e isso não foi intencional. Eu cheguei lá por um outro motivo, fui para colher bananas nanicas no sítio de dona Nica, e comecei a conviver com ela, até que levei minha câmera. Mas não porque iria fazer um trabalho fotográfico, depois que eu fui pensar a respeito do significado disso", contextualiza Ana Póvoas em entrevista. Objetos biográficos e espaços de composição da residência passaram a ser registrados cotidianamente, pelo menos uma vez por mês, durante 7 anos.
"A casa era de chão batido, panelas areadas ao redor do fogão de lenha, bancos de madeira; e talheres arrumados em série, sobre uma parede caiada de tempo. Telhas de barro à mostra. E água. Muita água. Uma luz quente e íntima. (...) Era um lugar simples, onde Nica morava com sua mãe, Dona Francisca", descreve a fotógrafa no fotolivro.
Toda essa simplicidade fica evidente nas imagens selecionadas. E essa é uma curiosidade no trabalho de Ana. "Às vezes a gente espera de um trabalho fotográfico algo tão grandioso. Me diga o que não foi fotografado ainda... Aí a pessoa quer fazer algo diferente, mas o que fiz foi apenas um registro do cotidiano", observa.
A aproximação daquela realidade com a de muitos habitantes das zonas rurais brasileiras, torna ainda mais sensível a apreciação da obra de Ana Póvoas. "As cores quentes, o fogão a lenha, a casa de roça... Tudo carrega uma memória que atende muita gente quando a vê", explica a fotógrafa.
Resultados
Logo que percebeu que estava diante de um material interessante para publicação, com mais de 130 fotos, Ana começou a apresentar o portfólio para alguns contatos. Conseguiu apoio institucional para publicar o livro com o Fundo de Arte e Cultura de Goiás, sendo premiada com o edital de fomento às Artes Visuais. E a partir dali ganhou também a ajuda do escritor e curador de fotografia Diógenes Moura.
Das mais de 130, Diógenes selecionou 45. "Participei o tempo inteiro e pra mim foi surpreendente, porque estou sempre me colocando no lugar de aprender como se faz. É meu primeiro livro e esse trabalho tomou uma força independente de mim. O Diógenes escolheu imagens que eu sequer tinha pensado, que ao meu ver poderia parecer repetitivas, mas que juntas ganharam todo um significado", evidencia.
Análise
De fato, o livro desloca quem o vê para o povoado de Furnas ou para qualquer outra casinha caipira, e o nível de detalhamento dos objetos e cantos da residência, recriam um espaço já frequentado, nem que seja pelo imaginário popular. Ainda que traga poucos retratos das moradoras, a presença invisível delas é perceptível, complementar.
"A Casa do Ser tem algo de sagrado. É o retrato de quatro mulhares: Dona Nica; sua mãe, Dona Francisca; sua irmã gêmea, Adelina; e Ana Póvoas. Apenas uma delas aparece no livro, pois um verdadeiro retrato não deixa rastros. Não se trata de uma questão de iluminar o outro. Tudo aqui é uma coisa só: os cantos da casa, as palavras não ditas, a faca segurando a trava da porta, Dona Nica apenas olhando", descreve Diógenes Moura no livro.
Esse olhar da dona da casa é outra curiosidade no trabalho. Segundo Ana, ela quase não identificou o próprio lar quando folheou o livro. "Ela não via a casa como eu via. O livro é um recorte. Ela vê a casa como um todo e o recorte quem viu fui eu. Aquela casa acaba sendo minha, eu que fiz pra mim", conclui a fotógrafa.
Mais informações:
Exposição "A Casa do Ser", de Ana Póvoas. Abertura no sábado, 21, às 10h, na Imagem Brasil Galeria (Rua Rocha Lima, 1707, Aldeota). 
Visitação até 2 de setembro. Contato: (85) 3261.0525

INFO
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…