Pular para o conteúdo principal

XVI Encontro Estadual de História do Ceará reúne importantes nomes na UFC

por Diego Barbosa - Repórter
Roger Chartier
O historiador francês Roger Chartier é o convidado de grande destaque do evento
Tendo início na década de 1980 e, desde então, consolidando-se como um dos mais relevantes espaços de debate sobre a historiografia local, o Encontro Estadual de História do Ceará chega hoje (24) à sua 16ª edição, e seguindo até dia 27.
O evento acontece nas dependências do Curso de História da Universidade Federal do Ceará (UFC) e tem como tema "História Pública e Democracia". A iniciativa é capitaneada pela Associação Nacional de História - Secção Ceará (Anpuh-CE) e conta com extensa programação, envolvendo mesas redondas, minicursos, simpósios e lançamento coletivo de livros.
As ações miram nos assuntos centrais dos estudos da História, e vão além ao ampliar percepções e debates sobre pontos que dialogam com outros campos do saber, como Cultura e Sociedade. "Com o evento, mudamos a prática do estudo da História, saindo de uma proposta memorialística e indo ao encontro de discussões de teor mais acadêmico e científico, com visão e estudo mais qualificados e criteriosos", explica o Professor Doutor Tito Barros Leal, presidente da Anpuh-CE. Embora as inscrições para minicursos e para ouvintes tenham finalizado, as atividades são abertas ao público (não dando direito, porém, a certificado).
Netsa edição, historiadores de diferentes universidades do País - como UEP, UFPI, UFRN, UFMA e UnB - estarão à frente de momentos para se pensar questões urgentes que atravessam a contemporaneidade. Como exemplos, temos os professores Carla Silvino de Oliveira (UFPI), Idalina Maria Almeida (Unilab/BA) e Herder N. Andrade (Seduc-CE), à frente da mesa redonda "História Pública e ensino de História em tempos de retrocesso" no dia 25; e Isabel Lustosa (FCRB), Régia Agostinho da Silva (UFMA) e Reinaldo Forte Carvalho (UPE), na mesa "História pública e as apropriações do saber histórico", no dia 26.
Quem também marcará presença no evento é o historiador francês Roger Chartier, pesquisador da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais e professor do Collège de France, ambos localizados em Paris. O pesquisador é uma das figuras mais respeitadas no campo, sendo ainda ensaísta especializado em História da Cultura, com destaque para a história do livro e da leitura na Europa.
No encontro, ele realizará a conferência "O passado no presente - Memórias e História", no dia 27, marcando o fechamento do ciclo de atividades. O momento será mediado pelo professor Tito Barros e, na ocasião, haverá apresentação do Grupo Vozes d'África (Unilab).
Depois de passar por aqui, Chartier deve participar ainda de encontros na Paraíba e no Rio Grande do Norte, atestando a conexão entre os participantes da Anpuh.
Liberdade
Acontecendo a cada dois anos, o Encontro Estadual de História do Ceará, na ótica do professor Tito, tem fomentado grande interesse por parte de estudiosos na área, feito que se reflete no epicentro das universidades. "Com a realização do evento, percebemos um crescimento significativo no quadro de ingressos na pós-graduação em História nos diferentes contextos universitários do País. Uma conquista pela qual nos alegramos muito", comemora.
Além disso, a adesão à iniciativa tem sido intensa. De 2016 para cá, o número de inscritos evoluiu em mais de 200 pessoas, sinalizando o alcance positivo da ação.
Quanto ao recorte escolhido para este ano, o educador enfatiza: "Estamos atravessando um momento muito crítico na história política nacional. Todos estão sendo atingidos, inclusive a comunidade acadêmica. O evento vem para mostrar, então, que não abrimos mão de nossas defesas políticas, atestando a nova dimensão da Associação Nacional de História e como forma de marcar nosso pensamento crítico frente ao que acontece".
"O que vale, no fim das contas, é a expressão de nossa liberdade, por isso o grande teor de responsabilidade e relevância do encontro", finaliza.
Mais informações:
XVI Encontro Estadual de História do Ceará. De hoje (24) a 27, a partir das 8h, no Curso de História da Universidade Federal do Ceará (Av. Da Universidade, 2762, Benfica). 
Contato: (85) 3366.7741

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…