Pular para o conteúdo principal

XVI Encontro Estadual de História do Ceará reúne importantes nomes na UFC

por Diego Barbosa - Repórter
Roger Chartier
O historiador francês Roger Chartier é o convidado de grande destaque do evento
Tendo início na década de 1980 e, desde então, consolidando-se como um dos mais relevantes espaços de debate sobre a historiografia local, o Encontro Estadual de História do Ceará chega hoje (24) à sua 16ª edição, e seguindo até dia 27.
O evento acontece nas dependências do Curso de História da Universidade Federal do Ceará (UFC) e tem como tema "História Pública e Democracia". A iniciativa é capitaneada pela Associação Nacional de História - Secção Ceará (Anpuh-CE) e conta com extensa programação, envolvendo mesas redondas, minicursos, simpósios e lançamento coletivo de livros.
As ações miram nos assuntos centrais dos estudos da História, e vão além ao ampliar percepções e debates sobre pontos que dialogam com outros campos do saber, como Cultura e Sociedade. "Com o evento, mudamos a prática do estudo da História, saindo de uma proposta memorialística e indo ao encontro de discussões de teor mais acadêmico e científico, com visão e estudo mais qualificados e criteriosos", explica o Professor Doutor Tito Barros Leal, presidente da Anpuh-CE. Embora as inscrições para minicursos e para ouvintes tenham finalizado, as atividades são abertas ao público (não dando direito, porém, a certificado).
Netsa edição, historiadores de diferentes universidades do País - como UEP, UFPI, UFRN, UFMA e UnB - estarão à frente de momentos para se pensar questões urgentes que atravessam a contemporaneidade. Como exemplos, temos os professores Carla Silvino de Oliveira (UFPI), Idalina Maria Almeida (Unilab/BA) e Herder N. Andrade (Seduc-CE), à frente da mesa redonda "História Pública e ensino de História em tempos de retrocesso" no dia 25; e Isabel Lustosa (FCRB), Régia Agostinho da Silva (UFMA) e Reinaldo Forte Carvalho (UPE), na mesa "História pública e as apropriações do saber histórico", no dia 26.
Quem também marcará presença no evento é o historiador francês Roger Chartier, pesquisador da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais e professor do Collège de France, ambos localizados em Paris. O pesquisador é uma das figuras mais respeitadas no campo, sendo ainda ensaísta especializado em História da Cultura, com destaque para a história do livro e da leitura na Europa.
No encontro, ele realizará a conferência "O passado no presente - Memórias e História", no dia 27, marcando o fechamento do ciclo de atividades. O momento será mediado pelo professor Tito Barros e, na ocasião, haverá apresentação do Grupo Vozes d'África (Unilab).
Depois de passar por aqui, Chartier deve participar ainda de encontros na Paraíba e no Rio Grande do Norte, atestando a conexão entre os participantes da Anpuh.
Liberdade
Acontecendo a cada dois anos, o Encontro Estadual de História do Ceará, na ótica do professor Tito, tem fomentado grande interesse por parte de estudiosos na área, feito que se reflete no epicentro das universidades. "Com a realização do evento, percebemos um crescimento significativo no quadro de ingressos na pós-graduação em História nos diferentes contextos universitários do País. Uma conquista pela qual nos alegramos muito", comemora.
Além disso, a adesão à iniciativa tem sido intensa. De 2016 para cá, o número de inscritos evoluiu em mais de 200 pessoas, sinalizando o alcance positivo da ação.
Quanto ao recorte escolhido para este ano, o educador enfatiza: "Estamos atravessando um momento muito crítico na história política nacional. Todos estão sendo atingidos, inclusive a comunidade acadêmica. O evento vem para mostrar, então, que não abrimos mão de nossas defesas políticas, atestando a nova dimensão da Associação Nacional de História e como forma de marcar nosso pensamento crítico frente ao que acontece".
"O que vale, no fim das contas, é a expressão de nossa liberdade, por isso o grande teor de responsabilidade e relevância do encontro", finaliza.
Mais informações:
XVI Encontro Estadual de História do Ceará. De hoje (24) a 27, a partir das 8h, no Curso de História da Universidade Federal do Ceará (Av. Da Universidade, 2762, Benfica). 
Contato: (85) 3366.7741

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…