'Meia-Noite e Vinte': o retrato de uma geração frustrada

Galera começou a escrita de Meia-Noite e Vinte no início de 2014, quando Porto Alegre, cidade onde vive há alguns anos, passava por uma onda de calor.
Galera começou a escrita de Meia-Noite e Vinte no início de 2014, quando Porto Alegre, cidade onde vive há alguns anos, passava por uma onda de calor. (Renato Parada)
Quando iniciava a escrita daquele que seria um dos melhores romances de 2016, Meia-Noite e Vinte (Companhia das Letras), Daniel Galera exercitava a escrita de apenas um narrador, como está habituado a fazer. Aos poucos, porém, as vozes de seus quatro personagens acabaram se impondo com idêntica força, o que obrigou Galera a mudar de tática - ele, como grande parte dos escritores, não consegue ter total domínio dos destinos da trama como erroneamente pensa ter.
"Logo descobri que o romance não seria muito longo, o que permitiria um trabalho mais cuidadoso e minucioso com aqueles personagens", conta Galera, que começou a escrita de Meia-Noite e Vinte no início de 2014, quando Porto Alegre, cidade onde vive há alguns anos, foi tomada por uma insuportável onda de calor, que tornava quente a água das torneiras.

A alta temperatura pareceu também fomentar complicações, como a greve de transportes urbanos que paralisou a metrópole e a cada vez mais visível situação crítica de moradores de rua, vistos com mais frequência revirando latas de lixo. Um verão, portanto, que a maioria dos porto-alegrenses gostaria de esquecer. Aquele clima de final de mundo fez com que o escritor se lembrasse do apocalipse preconizado na virada do milênio, com a chegada do ano 2000. É em meio a um abafamento semelhante que se passa o romance. São três amigos que voltam a se encontrar por conta da morte de um outro.

A bióloga Aurora, o artista/publicitário Antero e o jornalista Emiliano voltam a se ver no enterro de Andrey Dukelsky, Duque, o escritor. Duas décadas antes, no fim dos anos 1990, eles viviam carregados de projetos e agitaram a então insípida internet com Orangotango, um fanzine digital que se tornou cultuado em todo o Brasil. gora, diante da falta daquele amigo que prometia ser um estrondoso sucesso literário, tanto de público como de crítica, eles são obrigados a encarar suas promessas não cumpridas.

"Vivíamos com muitos planos, no final dos 1990, mas, com a tragédia do 11 de Setembro, em 2001, a instabilidade só vem aumentando", comenta Galera que, curiosamente, há alguns anos, esteve também à frente de uma newsletter cultural, Cardosonline, que definiu o perfil e os desejos de uma geração de jovens. No romance, porém, interessa mais saber o destino traçado por aqueles personagens que, como muito acontece, guiaram sua trajetória para um rumo distinto daquele sonhado. Os três, de alguma forma, se renderam ao sistema: inicialmente artista, Antero enriqueceu ao enveredar pelo mundo publicitário, enquanto Emiliano se tornou jornalista de uma imprensa mais estável e Aurora, antes com sonhos literários, virou uma pesquisadora obrigada a viver as picuinhas do meio universitário, movido mais por interesses pessoais do que sociais.

A morte de Duque, portanto, não apenas os reúne fisicamente, mas provoca ainda um confronto de realizações inexistentes e que os obriga a passar a limpo suas frustrações, ainda que internamente. Afinal, entre todos, Duque parecia ser o único a ter resistido em seus ideais, o que o aproxima do próprio Daniel Galera. "Eu também, como ele, busquei manter uma individualidade mesmo com a profusão de redes sociais. Sou de uma geração que acreditava no nascimento de uma nova literatura, com textos mais curtos, fragmentados, e marcados por hipermídia", conta ele, que se vê, no entanto, diante de uma realidade diferente - o que se pode chamar de literatura tradicional persiste e ainda atrai leitores e prêmios, enquanto a escrita difundida no meio digital se esvanece rapidamente, graças, muitas vezes, à falta de profundidade e a um estilo pouco ou nada artístico.

É curioso como a sobrevivência dessa voz literária mais tradicional é mostrada no romance, por meio de uma tentativa de os personagens ressuscitarem seus projetos juvenis - Antero, por exemplo, acaba se envolvendo em uma manifestação de rua e ali, entre gritos de protestos, se descobre ainda com a centelha de um guerrilheiro. "Havia construído uma vida boa para mim, liderava uma empresa bem-sucedida e tinha um filho para criar", diz Antero. "O mundo, eu pensava, não precisava ser salvo, e por isso seria salvo justamente por aquelas pessoas que não acreditavam que ele precisava ser salvo."

Em seu quinto romance, Daniel Galera exercita novamente uma escrita fluente, que não perde o prumo mesmo com digressões ou revisões de perspectivas. E revela nova habilidade para escrever sob diferentes vozes.

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU