Falta de recursos leva Uerj a parar pesquisas e laboratórios

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil
A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) organiza anualmente um vestibular concorrido, é pioneira em ações afirmativas e tem três programas de pós-graduação com nota máxima da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Ministério da Educação. A tradição e o prestígio da instituição, no entanto, têm convivido com falta de recursos, que vem paralisando trabalhos e pode desmotivar jovens pesquisadores.

Rio de Janeiro - Candidatos participam do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) na Uerj (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Rio de Janeiro - Uerj sofre com crise financeira e é obrigada a parar pesquisas e laboratórios Fernando Frazão/Agência Brasil
Segundo o sub-reitor de Pós-graduação e Pesquisa da Uerj, Egberto Moura, R$ 32 milhões aprovados para pesquisas em 2016 não foram repassados via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), o que tem levado laboratórios e grupos de pesquisa a suspenderem atividades.
"As coisas estão começando a parar em graus variados. Alguns laboratórios também têm recursos de agências federais e estaduais [de outros estados], mas está ficando muito difícil, porque o grande financiador da pesquisa no Rio de Janeiro é a Faperj", afirma o sub-reitor. "A gente teme que esse pessoal novo que trabalha em áreas de ponta se desmotive e comece a sair da universidade".
Supercomputador parado
Um exemplo dessa situação é o convênio com a Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern), no qual um supercomputador é mantido em funcionamento na Uerj para auxiliar no processamento de dados gerados nos experimentos com aceleradores de partículas. Entre os temas que movem os cientistas envolvidos no projeto está a origem do universo e a formação da matéria.
O equipamento que protege o supercomputador de oscilações de energia (nobreak) quebrou em novembro, e sem dinheiro para substituí-lo, a universidade teve que paralisar parte da pesquisa, que envolve instituições de todo o mundo. Um nobreak custa R$ 450 mil, mas a falta do aparelho pode causar prejuízo de aproximadamente R$ 5 milhões se o computador for ligado sem segurança. "A universidade perde prestígio se não consegue manter um sistema funcionando e rompe o contrato com o Cern, por mais que pesquisadores brasileiros continuem participando como associados", lamenta o sub-reitor, que considera a crise na Uerj a pior que já vivenciou, por afetar os segmentos de ensino, pesquisa e extensão. 
O supercomputador pode voltar a funcionar com uma doação que está sendo acertada com o Comitê Rio 2016, que utilizou um nobreak semelhante nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. No entanto, ainda não há previsão para que seja religado.
Outro projeto afetado pela falta de recursos é a construção de um prédio para o Centro de Estudos Multidisciplinares de Obesidade. O edifício de um pilotis e três andares receberia até mil pessoas por semana para pesquisa sobre obesidade por profissionais de várias especialidades, com acompanhamento de mudança do estilo de vida, avaliações físicas, psicológicas e conscientização.
A diretora do centro, Eliete Bouskela, conta que a obra começou em 2013 e parou em 2015. Enquanto não fica pronta, o número de atendimentos não passa de 80 por mês, e a abordagem multidisciplinar é prejudicada pela falta de um espaço adequado. "Praticamente todas as nossas pesquisas estão sendo afetadas. Estão faltando insumos básicos", disse a diretora, que lidera um grupo que tinha cerca de 40 pesquisadores. "Perdemos três doutores que foram para o exterior".
No Instituto de Biologia, o professor associado Israel Felzenszwalb conta que faltam recursos de editais aprovados nos últimos dois anos. "Isso vem dificultando trabalhos de tese de doutorado e dissertação de mestrado e causa uma desmotivação que pode acarretar em, no futuro, não termos recursos humanos", disse o professor, que pesquisa na Uerj há mais de 45 anos. "É a maior crise que já vi a Uerj atravessar. De cada tijolo que foi posto na pesquisa, eu fiz parte, e é muito triste ver que isso pode desmoronar", afirmou, acrescentando estar otimista para que a situação melhore.
A falta de recursos nos laboratórios, exemplifica o professor, impede a pesquisa de musgos extraídos na Antártida que podem guardar propriedades farmacêuticas e dermatológicas e interfere no monitoramento da poluição da região metropolitana do Rio. "A coisa mais impactante foi não estarmos recebendo os salários de novembro, dezembro e décimo terceiro. Isso é uma afronta".
Assim como muitos servidores do estado, os professores, pesquisadores, bolsistas e técnicos da Uerj estão sem receber os vencimentos integrais desde novembro. Bolsistas da Faperj em outras universidades também estão sem receber. O décimo terceiro e o salário de dezembro não foram pagos, e os funcionários temem sobre o pagamento do salário de janeiro.
Segundo o sub-reitor, a Uerj não recebe os R$ 13 milhões mensais de custeio desde agosto, e pagamentos de empresas terceirizadas e contas como energia elétrica e água estão atrasados.
Governo do Rio
A Secretaria de Estado de Fazenda reconhece que, "em meio à gravíssima situação financeira do estado", foi repassado 65% do orçamento total da Uerj em 2016.
"Como o salário de dezembro e o décimo terceiro salário ainda não foram pagos para a maioria do funcionalismo público do Estado do Rio de Janeiro, encontram-se pendentes de pagamento R$ 212,4 milhões em pessoal, que representam 18,9% do orçamento total da Uerj. Em custeio e investimento, ficaram pendentes de pagamento R$ 83,9 milhões, que representam apenas 7,5% do orçamento total da universidade", diz a nota da secretaria.
Sobre a Faperj, a secretaria informou que o valor pago pela fundação à pesquisa em diversas instituições foi de R$ 445,9 milhões em 2015 e de R$ 267,5 milhões até novembro de 2016. O órgão não detalhou quanto desses recursos eram da Uerj e qual deveria ter sido o repasse.
A Faperj informa que destinou o dinheiro acordado com a Uerj, mas o pagamento efetivo depende da Secretaria de Fazenda. Por meio de nota, a fundação afirma que houve redução de seus recursos com a crise econômica e que tem priorizado o pagamento dos 5 mil bolsistas que desenvolvem projetos de pesquisa em instituições fluminenses.
" A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro destina um quarto do seu orçamento anual – o que equivale a R$ 100 milhões - ao pagamento das bolsas. A quitação das bolsas tem sido feita após o pagamento dos salários dos servidores. As demais pesquisas – em torno de 3,5 mil projetos desenvolvidos em instituições de ensino e pesquisa sediadas no Estado do Rio de Janeiro – continuam aguardando o aumento da arrecadação para voltar a receber financiamento da Faperj", complementa o texto.
Matéria atualizada às 14h50 para acréscimo de informações.

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU