Fé e Razão

Gonzaga Mota*

A nosso juízo, fé e razão são as manifestações mais debatidas no âmbito da História da humanidade, seja de uma forma explícita ou mediante princípios, teses e argumentos desenvolvidos e analisados  implicitamente. As discussões filosóficas ao longo do tempo buscaram e ainda hoje procuram, de um lado, mostrar o conflito existente e, de outro, a complementaridade entre as duas doutrinas. Há estudiosos de filosofia e de teologia que dizem não ser a verdade domínio de nenhum dos dois conceitos, mas uma conquista do saber científico, unido ao religioso. De uma maneira geral, podemos citar figuras importantes ligadas ao pensamento filosófico envolvendo a questão, de uma forma ou de outra, tais como, Platão, Aristóteles, Pitágoras, Santo Agostinho(Patrística), Santo Tomás de Aquino(Escolástica), Galileu, Descartes e muitos outros. Acreditamos que sempre o tema despertará polêmica entre crentes agnósticos e ateus. Por sua vez, admitimos que a fé é o caminho da verdade; a razão é consequência do senso e do julgamento interior. Não são incompatíveis, porém unidas mostram o saber viver. A rigor, fé e razão são os pilares básicos que sustentam a vida. Esta, sem dúvida, afigura-se nas virtudes teologais e nas virtudes cardeais ou morais. A fé, a esperança e a caridade(amor) são as três virtudes teologais; a prudência(sabedoria), a justiça, a fortaleza e a temperança(moderação) formam as quatro virtudes morais. São as sete virtudes mencionadas que nos dão as orientações espirituais e materiais para uma vida saudável, com generosidade, tolerância e humildade, portanto próxima de Deus.

*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Parabéns, Padre Geovane!

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU