Fé e Razão

Gonzaga Mota*

A nosso juízo, fé e razão são as manifestações mais debatidas no âmbito da História da humanidade, seja de uma forma explícita ou mediante princípios, teses e argumentos desenvolvidos e analisados  implicitamente. As discussões filosóficas ao longo do tempo buscaram e ainda hoje procuram, de um lado, mostrar o conflito existente e, de outro, a complementaridade entre as duas doutrinas. Há estudiosos de filosofia e de teologia que dizem não ser a verdade domínio de nenhum dos dois conceitos, mas uma conquista do saber científico, unido ao religioso. De uma maneira geral, podemos citar figuras importantes ligadas ao pensamento filosófico envolvendo a questão, de uma forma ou de outra, tais como, Platão, Aristóteles, Pitágoras, Santo Agostinho(Patrística), Santo Tomás de Aquino(Escolástica), Galileu, Descartes e muitos outros. Acreditamos que sempre o tema despertará polêmica entre crentes agnósticos e ateus. Por sua vez, admitimos que a fé é o caminho da verdade; a razão é consequência do senso e do julgamento interior. Não são incompatíveis, porém unidas mostram o saber viver. A rigor, fé e razão são os pilares básicos que sustentam a vida. Esta, sem dúvida, afigura-se nas virtudes teologais e nas virtudes cardeais ou morais. A fé, a esperança e a caridade(amor) são as três virtudes teologais; a prudência(sabedoria), a justiça, a fortaleza e a temperança(moderação) formam as quatro virtudes morais. São as sete virtudes mencionadas que nos dão as orientações espirituais e materiais para uma vida saudável, com generosidade, tolerância e humildade, portanto próxima de Deus.

*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

Dois pesos e duas medidas

Professora vai mediar estudo de literatura feminina em Dourados

Socorro Acioli coordena especialização em Escrita Literária

Livro fala sobre empatia, alteridade, sentimentos reais e seres humanos

“Monstro É Aquele Que Não Sabe Amar"!